conecte-se conosco


Agronegócio

EXPORT/CEPEA: Agronegócio registra mais um recorde de vendas externas em 2018

Publicado

Clique aqui e baixe release completo em word

Cepea, 08/02/2019 – As exportações brasileiras de produtos agropecuários atingiram novo recorde, em volume e valor, em 2018, de acordo com pesquisas realizadas pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Com exceção de setembro, em todos os outros meses do ano, os embarques se mantiveram acima dos volumes mensais observados em 2017.

 

Segundo pesquisadores do Cepea, o faturamento em dólar cresceu 6%, influenciado pelo aumento de quase 5% dos embarques, visto que os preços se mantiveram praticamente estáveis. A colheita brasileira de grãos, a segunda maior da história, favoreceu o crescimento do volume exportado, enquanto a inflação doméstica se manteve controlada e o Real se desvalorizou. Com isso, a taxa de câmbio efetiva real aumentou 7,5%, contribuindo para um crescimento de aproximadamente 12% do faturamento em Reais em 2018. 

 

Cálculos do Cepea mostram que o volume exportado pelo setor agrícola (IVE-Agro/Cepea) cresceu 4,7% no ano. Em 2018, os embarques da soja em grão deram um salto de mais de 23%, enquanto os do milho recuaram. As vendas externas das três principais carnes (bovina, suína e de frango) cresceram na comparação de dezembro de 2017 com dezembro de 2018; porém, no acumulado do ano apenas a carne bovina conseguiu sustentar esse aumento, que foi de 12%. O setor florestal, por sua vez, também teve um bom ano, com crescimento de 9% em 2018 frente a 2017. 

Veja Também:  ETANOL/CEPEA: Volume de hidratado negociado em fev/19 atinge novo recorde

 

Os preços médios em dólares recebidos pelos exportadores do setor agropecuário se mantiveram praticamente estáveis em 2018. A média anual recuou 0,6% na comparação com 2017. Durante todo o ano de 2018, o IPE-Agro/Cepea oscilou, mas, no acumulado do período, se manteve bem próximo da média de 2017. Esse comportamento deve-se à confirmação da boa oferta mundial e, principalmente, da brasileira.

 

A taxa de câmbio efetiva real do agronegócio (IC-Agro/Cepea), calculada com base nas exportações brasileiras para os 10 principais parceiros comerciais, apresentou elevação durante todo o ano, devido às disputas eleitorais no País. O Real se desvalorizou em 2018; com isso, a taxa de câmbio efetiva acumulou alta de 7,5% em 2018.

 

Como os preços externos se mantiveram estáveis em 2018, a desvalorização do Real na média do ano puxou a atratividade dos produtos do agronegócio. Assim, o Índice de Atratividade do Agronegócio (IAT-Agro/Cepea) acumulou altas de 7,3% em 12 meses e de 4,7% em dezembro/18 na comparação com dezembro/17.

Veja Também:  Genética Senepol eleva rentabilidade da pecuária de corte, constata Cepea

 

Clique aqui e baixe relatório completo em PDF

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações sobre as pesquisas do Cepea a respeito do mercado de exportação agro aqui e por meio do Laboratório de Informação do Cepea com a pesquisadora Andréia Adami: (19) 3429-8836 / 8837 ou [email protected]

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

Campo enfrenta pandemia e mantém sustento das casas da cidade

Publicado

Nesta segunda-feira (21) se comemora o Dia do Fazendeiro. Confira como esses trabalhadores têm superado a pandemia para garantir a alimentação em Goiás

Portal do Agronegócio 

Campo enfrenta pandemia e mantém sustento das casas da cidade

Durante a pandemia da Covid-19, a agropecuária foi um dos poucos segmentos que não parou suas atividades. Isso porque o setor é essencial para abastecer as mesas dos brasileiros, como o leite, que faz parte da alimentação básica de boa parte dos brasileiros. Segundo estudo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), feito entre abril e maio, meses iniciais da pandemia, 78% dos mais de 5.105 participantes da pesquisa têm o hábito de consumir leite.

A disponibilidade desse produto nos supermercados se deu pela continuidade das atividades industriais essenciais para manter o abastecimento de alimentos para a população e, consequentemente, contribuiu para manter o sustento de muitas famílias no campo. O produtor de leite de Pontalina, Deusimar Vieira, 36, é um dos que tem muito a comemorar neste 21 de setembro, Dia do Fazendeiro. Ele afirma que conseguiu superar os problemas provocados pela pandemia sem muitas dificuldades.

“Na minha propriedade, não tive impactos. Pensei que fosse ter quedas nas vendas do leite, mas tivemos até um pouco de melhora, o que nos dá mais tranquilidade para investir na produção”, destaca Deusimar, que cresceu no campo e sua propriedade conta com 77 cabeças de gado, que produzem cerca de 1.200 litros de leite por dia.

Veja Também:  Sem feiras, indústria de máquinas e bancos projetam "dias turbulentos" e menos negócios

O trabalho de Deusimar, por exemplo, é o único sustento de sua família, composta por ele, sua esposa e mais dois filhos de 3 e 7 anos. “A produção de leite ainda é responsável pelo sustento da família de meus outros dois irmãos, que trabalham junto comigo na fazenda”, destaca o produtor de Pontalina.

Parcerias

Um dos fatores que contribuiu para que o produtor conseguisse manter sua produção sem problemas e o sustento de sua família neste período foi a parceria sólida que mantém com uma indústria de laticínios situada no município de Hidrolândia, próximo à capital Goiânia. Trata-se da Marajoara que tem parcerias com produtores rurais em quase todo o estado de Goiás e distribui seus produtos pelas 27 unidades federativas do Brasil. Segundo Deusimar ter essa segurança possibilita que os produtores trabalhem com mais tranquilidade.

Segundo o diretor de política leiteira da Marajoara, João Ricardo Souza, o bom relacionamento com os produtores de leite é fundamental para que se tenha um atendimento de excelência para o consumidor final. “Trata-se de um relacionamento contínuo e rotineiro de modo transparente e bem próximo dos produtores. Isso porque eles são a essência da empresa, aqueles que nos proporcionam a matéria-prima, sem a qual não se produziria nada”, detalha João Ricardo.

O fazendeiro Hélio Bernardes Pires trabalha há 30 anos com produção de leite e, assim como Deusimar, não sentiu o peso negativo do novo coronavírus no campo. Ele também é um dos fornecedores da Marajoara Laticínios. “As pessoas começaram a consumir mais leite dentro de casa porque pararam de sair com o fechamento do comércio. Com isso, teve até uma melhora no consumo no decorrer do ano”, destaca Hélio.

Veja Também:  SUÍNOS/CEPEA: Carne se valoriza, mas permanece competitiva

Ele afirma que a experiência e o knowhow no ramo também são importantes para superar momentos adversos. “Hoje produzimos mais de 7 mil litros de leite por dia e contamos com cerca de 300 animais leiteiros. Para chegar a esses números, foi importante conhecer a área, saber usá-la e investir em tecnologia”, afirma o fazendeiro que trabalha com o filho veterinário em Morrinhos, cidade localizada a 132 km de Goiânia.

A fazenda de Hélio Bernardes fica a cerca de 15 km de Morrinhos e é responsável por empregar 15 pessoas diretamente na produção de leite. Ele também atua como advogado e afirma que decidiu investir em sua fazenda por amor ao campo. “É algo gratificante porque conseguimos dar empregos e vemos a gratidão das pessoas, principalmente quando fazemos algo que realmente gostamos”, destaca o fazendeiro.

Fonte: COMUNICAÇÃO SEM FRONTEIRAS

 

 

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Rastreabilidade do gado atende às exigências do mercado europeu e proporciona maior rentabilidade aos pecuaristas

Publicado

O mercado internacional de carne bovina está em crescimento

Portal do Agronegócio 

Rastreabilidade do gado atende às exigências do mercado europeu e proporciona maior rentabilidade aos pecuaristas

Segundo o USDA, serão comercializadas 11 milhões de toneladas em 2020. O Brasil é o líder em exportações. Foram 1,85 milhão/t no ano passado e devem superar 2 milhões/t este ano. Neste cenário a China vem se destacando como principal comprador do produto brasileiro no primeiro semestre deste ano, sendo responsável por 57% das aquisições.

Por outro lado, além o mercado chinês, o Brasil pode expandir suas vendas para outro player ainda mais importante. “A União Europeia é o mercado de maior valor agregado por tonelada vendida incluindo neste player também a “Cota Hilton”. A cota é uma parcela especial das importações de carne bovina do bloco com redução de tarifas. Ela é dividida entre oito países, e nos últimos anos por falta de propriedades “Aptas” a disponibilizar este tipo de animal, o Brasil não atingiu  nem 50% de sua cota disponível nas exportações”, explica Flaviana Bim, especialista em certificação do GenesisGroup, referência em testes, análises e rastreabilidade para a cadeia do agroalimento.

Flaviana explica que há oportunidades para os pecuaristas de corte aproveitarem essa onda favorável do comércio internacional de carne bovina e também no mercado interno, uma vez que a arroba já se aproxima de R$ 255,00 (SP).

Para isso, precisam dispor de ferramentas que certificam a qualidade dos seus animais que, ao mesmo tempo, também geram valor à produção. “Quando se fala em certificação para o mercado de carnes, é indispensável o atendimento das normas do Sistema Brasileiro de Identificação e Certificação de Bovinos e Bubalinos (SISBOV) para garantir a rastreabilidade do rebanho e ainda diminuir o custo por arroba com a certificação”, informa a especialista em certificação do GenesisGroup.

Veja Também:  Pecuária de leite: uso estratégico de selante de teto promove uma redução de 48% dos casos de mastite

Com o pecuarista inserido no SISBOV, a arroba do gado abatido que atende às especificações para exportação ao mercado europeu tem valorização imediata. Dependendo do momento do mercado e das regras do frigorífico, a arroba pode valer até R$ 5,00 a mais.

Criado em 2002, por meio da Instrução Normativa (IN) 21 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e posterior publicação da IN 51 que hoje está em vigor, o SISBOV determina a certificação da propriedade, incluindo a identificação individual total do rebanho para os pecuaristas que exportam carnes para mercados que exigem a rastreabilidade individual – caso da União Europeia.

“Uma das maiores vantagens do SISBOV é a possibilidade de o pecuarista identificar todos os seus animais, rastreando a origem e o destino por meio das Guias de Trânsito Animal (GTA’s), tendo com isto total controle de seu rebanho nos quesitos a estoque atual de animais na propriedade e coleta de informações por meio da identificação. Ele ainda pode adotar uma cultura de registro de dados em sua propriedade, com informações que irão lhe auxiliar no monitoramento de ganho de peso, origem de fornecedores, custo individual por cabeça, controles de insumos e vacinas utilizados, proporcionando maior segurança e controle a todos os envolvidos no processo produtivo”, destaca Flaviana.

Veja Também:  Milho abre a semana com leves quedas em Chicago

Somente estão habilitadas a exportar carne bovina à União Europeia as propriedades que constam na chamada Lista Trace. Atualmente, somente cerca de 1.400 fazendas têm essa certificação. “Os europeus importam somente carne que passam por rigorosas normas pré-estabelecidas, que atestam a qualidade e procedência do produto. Essa é uma ferramenta importante para quem comercializa carnes, pois as vantagens vão além do ganho econômico.

Fazer a identificação do gado mostra ao mundo que o Brasil tem condições de produzir alimentos de qualidade e que cumprem todas as normas sanitárias e ambientais exigidas”, ressalta a especialista em certificação do GenesisGroup.

Os pecuaristas que desejam se cadastrar no SISBOV devem buscar uma certificadora credenciada pelo MAPA. O tempo médio para obter a habilitação da propriedade na Lista Trace varia de três meses (para animais criados em confinamento ou propriedades mistas) a quatro meses (para propriedades que fazem manejo a pasto), prazo este que pode ser reduzido ou aumentado de acordo com a disponibilidade de Auditores Fiscais Agropecuários disponíveis por UF. O gasto médio com a identificação de rebanho também pode variar: de R$ 7 a R$ 12 por animal.

Mais informações

Fonte: Texto Assessoria

 

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

COM OS NOMES QUE SURGEM COMO PRÉ-CANDIDATOS A PREFEITO EM BARRA DO BUGRES VEJO QUE...

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana