conecte-se conosco


Agronegócio

Exportação brasileira de milho segue firme, sendo superior ao mesmo período do ano de 2021

Publicados

em

Conforme o relatório que foi divulgado pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, por meio da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), nos 12 primeiros dias úteis do mês de junho, o Brasil já fez a exportação de 431.393,5 toneladas de milho não moído (exceto milho doce).

Dessa forma, a proporção acumulada neste tempo já é 368% maior do que as 92.169,3 toneladas que foram exportadas durante todo o mês de junho de 2021.

Assim, a média diária de embarques está em 35.949,5 toneladas, que comparado a mesma época do último ano, representando uma elevação de 719,1% com relação as 4.389,6 do mês de junho de 2021.

Na última semana, a Associação Nacional do Exportadores de Cereais (ANEC), calculou que a exportação de milho do país no decorrer do sexto mês de 2022, esteja estimado em 1,79 milhão de toneladas, indicando um aumento de 1,7 milhão de tonelada, alternativamente a junho de 2021.

Financeiramente falando, o Brasil arrecadou um total de US$ 138,218 milhões no período, contra US$ 22,022 milhões de todo junho do ano passado.

Veja Também:  Açúcar obtém pequeno avanço na Bolsa de NY na manhã desta terça-feira, mas retrocede em Londres

Diferente da média diária do atual mês, que contabilizou aumento de 998,4% ficando com US$ 11,518 milhões por dia útil contra US$ 1,048 milhão no último mês de junho.

Já o preço por tonelada obtido subiu 34,1% no período, saindo dos US$ 238,90 no ano passado para US$ 320,40 neste mês de junho.

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Propaganda

Agronegócio

FRANGO/CEPEA: Preço da carne cai e eleva competitividade frente à suína

Publicados

em

Por

Cepea, 1º/7/2022 – Os preços da carne de frango seguiram enfraquecidos em junho, ao passo que os valores da suína subiram. Diante disso, a competitividade da proteína avícola frente à concorrente cresceu pelo segundo mês consecutivo. Em junho (até o dia 29), o frango inteiro resfriado foi comercializado no atacado da Grande São Paulo à média de R$ 7,44/kg, queda de 1,1% sobre a de maio. Segundo colaboradores do Cepea, apesar das vendas externas aquecidas, o baixo consumo interno pressionou as cotações da maioria dos produtos da avicultura de corte. Já para a carne suína, o período de inverno e festas tradicionais têm aquecido as vendas, ao passo que a oferta de animais em peso ideal de abate está menor, contexto que vem resultando em elevação dos preços. Em junho, a carcaça especial suína foi cotada, em média, a R$ 9,35/kg, avanço mensal de 1,1%. Diante disso, a carcaça suína esteve 1,91 Real/kg mais cara que o frango inteiro na parcial de junho, diferença 10,8% maior que a observada em maio, o que reduziu a competitividade da carne de frango frente à substituta. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Veja Também:  Produção sustentável de Mato Grosso é apresentada a representantes da Alemanha

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

CITROS/CEPEA: Colheita de tangerina poncã se aproxima do fim em SP

Publicados

em

Por

Cepea, 1º/7/2022 – A colheita de tangerina poncã se iniciou em fevereiro no estado de São Paulo, mas a intensificação da oferta ocorreu apenas em meados de março. Agora, a comercialização da variedade se aproxima do fim no estado. Segundo colaboradores do Cepea, as últimas frutas paulistas devem ser colhidas até o encerramento de julho, com a oferta local se desacelerando na segunda quinzena do mês. Em agosto, ainda deve haver tangerinas de Minas Gerais no mercado, o que pode restringir valorizações da fruta em SP. Segundo colaboradores do Cepea, tanto em SP quanto em MG, a produção de tangerina poncã foi bem distribuída ao longo dos meses, sem grandes concentrações de produção. Contudo, diante das restrições econômicas do País e da queda das temperaturas em maio e junho, o consumo não foi alavancado neste ano. Assim como para a laranja, produtores se mostram preocupados com o aumento dos custos de produção da tangerina poncã, diante da forte valorização dos insumos. Um alento é que os preços também subiram: em junho, a média de comercialização foi de R$ 33,43/cx de 27 kg, na árvore, alta nominal de 18,3% em comparação com a de junho de 2021. Já frente a maio/22, houve queda de 12,4%. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Veja Também:  Piscicultura em água doce é mais acessível e sustentável

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana