conecte-se conosco


Saúde

Farmacêutico clínico pode contribuir para saúde da família

Publicados

em

Empilhando caixas de remédios e passando as tardes na farmácia de um senhor com quem fez amizade na infância, o mundo da saúde sempre esteve presente na vida do farmacêutico Maurício Poliquesi, 59 anos. Até que em 1992 ele conseguiu abrir a própria farmácia, em Curitiba. 

“Mas, enquanto empreendedor, sentia a falta de um profissional para atender os clientes da forma que eu gostava, dando atenção individualizada para cada pessoa que precisasse”, conta. 

Poliquesi foi buscar a formação e se graduou em Farmácia em 2002, podendo, finalmente, dar a orientação e o acolhimento que julgava serem necessários aos clientes de sua loja. Após mais de 23 anos à frente do negócio, decidiu passar o ponto, mas ele ficou pouco tempo longe do balcão.

Logo após vender sua loja, Maurício cursou direito, com o objetivo de atuar em causas relacionadas ao setor de saúde, mas sentia que precisava voltar às origens. Buscou se recolocar e foi aí que começou a trabalhar em uma grande rede, onde permanece até hoje, agora, depois de capacitação, como farmacêutico clínico, dedicando-se à área com a qual sempre teve maior identificação.

“O serviço da farmácia em que trabalho promove o resgate da figura clássica do farmacêutico, de um profissional confiável, que faz a ponte entre o paciente e o médico, auxiliando na prevenção ao agravamento de doenças e amparando o indivíduo que chega com dúvidas no estabelecimento”, aponta o Poliquesi. 

Veja Também:  SES é notificada sobre quarta morte por Covid-19 em MT

Segundo a Associação Brasileira das Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), o Brasil tem 4.238 farmácias com salas e consultórios em operação e mais de 14 mil farmacêuticos prestando esse serviço, que se baseia em acompanhar durante toda a vida o paciente e que se torna referência na comunidade. 

Atenção e acolhimento

O trabalho desse profissional é ser mais do que alguém habilitado para recomendar e vender remédios, mas é uma pessoa que vai auxiliar aqueles que necessitam de mais atenção e chegam à farmácia cheios de dúvidas.

Foi assim com a depiladora Maria Verônica Garcia e Silva, de 61 anos. Em setembro de 2021, sentindo um desconforto, resolveu ir à farmácia e, ao ser atendida por Poliquesi, foi constatado que a pressão dela estava alta.

“Eu nem sabia que tinha pressão alta e estava quase infartando. O Maurício me encaminhou para o cardiologista ao aferir minha pressão e ver que ela estava em 19 por 8”, relembra. Com remédios controlados, a amizade e o respeito entre os dois permanecem até hoje. “Se não fosse por ele, eu não estaria viva”, diz Maria Verônica.

Conselho Federal de Farmácia

De acordo com o Conselho Federal de Farmácia, a farmácia clínica é a área voltada à ciência e prática do uso responsável de medicamentos, na qual o farmacêutico clínico presta cuidado ao paciente, de forma a otimizar a farmacoterapia, promover saúde e bem-estar, e prevenir doenças.  As atribuições clínicas do farmacêutico estão definidas no Resolução 585 do conselho

Veja Também:  Mortes por covid-19 no Brasil chegam a 622,2 mil

“Temos 134 atividades farmacêuticas que podemos exercer ligados aos cuidados com o paciente”, explica Poloquesi. “Atuamos na orientação posológica dos medicamentos, interações medicamentosas, acompanhamento da eficácia terapêutica prescrita, aplicação de vacinas, aplicação de injetáveis, aferição de pressão arterial, exames remotos laboratoriais”. 

O farmacêutico clínico pode prescrever medicamentos isentos de prescrição médica; fazer injetáveis, vacinas, aferir pressão arterial, medir glicemia, colocar brincos, atuar em salas de inaloterapia (quando habilitado), fazer o controle de medicamentos psicotrópicos, supervisionar dispensações dos balconistas, controlar vencimento de medicamentos e demais rotinas de uma farmácia de dispensação.

“Mas, o farmacêutico clínico não pode prescrever medicamentos de exclusividade médica, dar diagnósticos, fazer consulta médica e vender medicamentos controlados sem receita”, ressalta Poliquesi.

Na consulta com farmacêutico clínico, o profissional utiliza documentos para anamnese do paciente, identificação das enfermidades (pressão, diabetes, depressão, tabagismo, obesidade), medicamentos que utiliza (analisa e pesquisa interações entre eles, resultados, eficácia, efetividade, indicações), aferição de pressão, medidas de glicemia. “O profissional ainda orienta sobre o controle de peso e conscientiza sobre a necessidade de seguir orientações do profissional de saúde”, finaliza o farmacêutico.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Rio vai paralisar imunização de crianças de 3 e 4 anos contra covid-19

Publicados

em

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro informou hoje (8) que, a partir desta terça-feira (9), a vacinação de crianças de 3 a 4 anos com a primeira dose (D1) contra a covid-19 será paralisada. A interrupção ocorre devido ao Ministério da Saúde não ter enviado doses de CoronaVac solicitadas desde o mês passado pela prefeitura do Rio. Já a aplicação da segunda dose (D2) para este público, prevista para iniciar em 13 de agosto, está garantida com a vacina reservada especificamente para esse fim.

De 15 de julho a 8 de agosto, as unidades da secretaria vacinaram 39.319 crianças de 3 e 4 anos com a primeira dose (D1) da CoronaVac, único imunizante autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso neste público. Quando a imunização desta faixa etária foi aprovada pela agência federal, o município do Rio tinha doses da vacina em estoque, o que permitiu o início imediato da aplicação. Apesar das solicitações de novas doses, neste momento, não há previsão de quando nova remessa será enviada pelo Ministério da Saúde.

Veja Também:  Estudo avalia se substância contida em vieiras pode combater metástase

Ministério da Saúde

Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que está em tratativas para aquisição do imunizante com maior celeridade, de acordo com a disponibilidade de entrega das doses pelos fornecedores.

Para o estado do Rio de Janeiro, “foram entregues mais de 44,9 milhões de doses de vacina para a campanha contra a covid-19. Destas, mais de 10 milhões de doses são CoronaVac. A pasta reitera a disponibilidade de outras vacinas para o público acima de 5 anos e reforça a necessidade de estados e municípios cumprirem as orientações pactuadas para garantir a imunização da população brasileira”, esclareceu o ministério.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Covid-19: Brasil registra 170 óbitos e 17,4 mil casos em 24 horas

Publicados

em

As secretarias estaduais e municipais de Saúde registraram 17.409 novos casos de covid-19 em 24 horas e confirmaram 170 mortes por complicações associadas à doença em todo o país. Os dados estão na atualização divulgada nesta segunda-feira (8) pelo Ministério da Saúde. Com as novas informações, o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus durante a pandemia já soma 34.035.780.

O número de casos de covid-19 em acompanhamento está em 565.320. A expressão em acompanhamento é usada para designar casos notificados nos últimos 14 dias que não resultaram em alta, nem evoluíram para óbito.

Com os números de hoje, o total de óbitos chegou a 680.166 desde o início da pandemia. Ainda há 3.246 mortes em investigação. As ocorrências envolvem casos em que o paciente faleceu, mas a investigação sobre a causa do óbito ainda demanda exames e procedimentos complementares.

Até agora, 32.790.294 pessoas se recuperaram da covid-19 no Brasil. O número corresponde a 96% dos infectados desde o início da pandemia.

Aos sábados e domingos e nas segundas-feiras, o número diário de casos e mortes registrado tende a ser menor pela dificuldade de alimentação dos bancos de dados pelas secretarias municipais e estaduais de Saúde. Às terças-feiras, o quantitativo, em geral, é maior pela atualização dos casos acumulados nos fins de semana.

Boletim epidemiológico da covid-19 Boletim epidemiológico da covid-19

Boletim epidemiológico da covid-19 – Ministério da Saúde

Veja Também:  Covid-19: Brasil registra 316 óbitos e 76,6 mil casos em 24 horas

Estados

Segundo o balanço do Ministério da Saúde, o estado que registra mais mortes por covid-19, até o momento, é São Paulo, com 173.346 óbitos. Em seguida, aparecem Rio de Janeiro, com 75.013; Minas Gerais, com 63.137; Paraná, com 44.645; e Rio Grande do Sul, com 40.549.

O estado com menor número de mortes em consequência da doença é o Acre, que registra 2.021 óbitos, seguido pelo Amapá, com 2.153; por Roraima, com 2.161; pelo Tocantins, com 4.189; e por Sergipe, com 6.419.

Vacinação

Até esta segunda-feira, o vacinômetro do Ministério da Saúde indicava que 469.551.995 doses de vacinas contra covid-19 tinham sido aplicadas no país, desde o início da campanha de imunização.
Destas, 178,5 milhões como primeira dose, 159,6 milhões como segunda e 4,9 milhões como dose única. A dose de reforço já foi aplicada em mais de 103,5 milhões de pessoas e a segunda dose extra, ou quarta dose, em 18 milhões.

O painel registra ainda 4,7 milhões de doses como “adicionais”, que são aquelas aplicadas em quem tinha recebido o imunizante da Janssen, de do

Veja Também:  Covid-19: Brasil tem 28,6 mil novos casos e 72 óbitos em 24 horas

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana