conecte-se conosco


Mato Grosso

Feminicídio: Primeiro semestre em Mato Grosso registra 5% de redução de casos

Publicados

em

O primeiro semestre deste ano apresentou uma redução de 5% nos casos de feminicídio em Mato Grosso. De janeiro a junho de 2021, o Estado registrou o assassinato de 22 mulheres vítimas de violência doméstica, e nos seis primeiros meses de 2022, foram 21 feminicídios. Nos 12 meses do ano passado, 43 mulheres foram vítimas deste tipo de crime.
 
Os municípios que registraram feminicídios em 2022 foram: Rondonópolis (3 casos), Colíder (2), Várzea Grande, Alta Floresta, Campo Verde, Curvelândia, Colniza, Confresa, Cuiabá, Juara, Nova Monte Verde, Poconé, Poxoreo, Ribeirão Cascalheira, Rosário Oeste, Sapezal, Sorriso e Vera, com um caso cada.
 
Para a juíza Tatiane Colombo, da 2ª Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Cuiabá, que atua há 10 anos na Capital, os números de crime continuam altos, mas ela lembra que a redução de uma morte entre 2021 e 2022, é um marcador importante na luta pelo fim da violência. “Cada vida importa, quando olhamos apenas para o número a redução de feminicídio parece pouca, mas estamos trabalhando para que esse índice não cresça”, afirma.
 
Segundo a magistrada, as autoridades apostam na mudança cultural, de uma sociedade mais igualitária entre homens e mulheres, como uma das saídas do problema. Por isso as campanhas de conscientização pelo fim da violência doméstica são constantes. “O Judiciário, a Escola Superior da Magistratura – Esmagis, e a Coordenadoria Estadual da Mulher, a Cemulher, investem em capacitação dos juízes e juízas de Mato Grosso, em ações de proteção ao direito das mulheres, na prevenção da violência doméstica e na resposta rápida quando os serviços judiciais são procurados”, cita.
 
Tatiane Colombo destaca que além do incentivo para que a vítima denuncie, com a Campanha Permanente do Poder Judiciário Quebre o Ciclo, os juízes e juízas investem em atividades de conscientização dos agressores, como a oficina “Papo de homem para homem”. “Esta atividade dá oportunidade ao Judiciário de entender o que leva o homem a cometer um ato violento contra a sua companheira e ao mesmo tempo trabalha a consciência desse homem como agente de uma violência”, explica.
 
A juíza reforça que o respaldo do Judiciário mato-grossense aos magistrados e magistradas das Varas de Violência Doméstica é imprescindível para o bom desempenho da atividade, considerada difícil e que por muitas vezes esbarra em discursos que minimizam a agressão de homens contra mulheres. “Temos uma Presidência em conexão com a Corregedoria-Geral da Justiça quando o assunto é o combate à violência doméstica, o que nos permite dar respostas com qualidade às vítimas e familiares. Temos encontros, capacitações, estrutura diferenciada e inovações, como o Botão do Pânico e a Media Protetiva Online, que empoderam os magistrados e magistradas na tomada de decisão”, analisa. “Vamos continuar este trabalho e o que esperamos é que fechemos 2022 com a maior redução de casos de feminicídio”.
 
 
#Paratodosverem. Esta matéria possui recursos de texto alternativo para promover a inclusão das pessoas com deficiência visual. Descrição da imagem: Arte retangular colorida com números do feminicídio.
 
Leia nos links abaixo outras matérias sobre o assunto:
 
 
 
 
Alcione dos Anjos
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT

Fonte: Tribunal de Justiça de MT

Veja Também:  Governo publica primeiros convênios e 10 municípios podem retirar luminárias de LED

Comentários Facebook
Propaganda

Mato Grosso

Tribunal de Justiça empossa mais 10 novos juízes e juízas para Comarcas do Estado

Publicados

em

A presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargadora Maria Helena Póvoas, empossou, na tarde desta quinta-feira (18 de agosto), 10 novos juízes substitutos, quatro mulheres e seis homens, aprovados no último Concurso Público para ingresso na Carreira da Magistratura do Estado. A nomeação e posse dos magistrados é um dos compromissos firmados pela presidente no início da gestão como parte do planejamento de Priorização do Primeiro Grau e, automaticamente, fortalecimento da magistratura estadual.
 
A solenidade, no Plenário 1, na sede do Judiciário, na Capital, em formato presencial e hibrido, foi prestigiada, além de desembargadores e desembargadoras, juízes e juízas auxiliares da Presidência e da Corregedoria-Geral da Justiça, por representantes de instituições do sistema de Justiça e por familiares e amigos dos empossados.
 
O corregedor-geral, desembargador José Zuquim Nogueira, parabenizou a presidente do Tribunal pela convocação dos novos colegas que representa mais uma etapa de fortalecimento do Primeiro Grau de Jurisdição. “Vocês que tomam posse hoje, certamente, enfrentarão muitas dificuldades, mas serão de grande valia para os vossos aprendizados”, frisou o desembargador, ensinando que no exercício da magistratura o que mais se exige do magistrado é o sentimento de equilíbrio, firmeza nas decisões e no caráter, justamente porque “o melhor magistrado é aquele, aquela, que entrega ao cidadão um serviço de qualidade e celeridade”, aconselhou o corregedor-geral.
 
A presidente Maria Helena Póvoas pediu aos novos juízes e juízas que atuem nas unidades judiciais com independência e serenidade e que nunca confundam autoridade com autoritarismo. A desembargadora recomendou aos novos magistrados e magistradas que procurem sempre receber com carinho os advogados e advogadas e que em toda a carreira procurem agir com humildade.
 
Maria Helena Póvoas frisou que com esse ato de posse, pela primeira vez na Justiça estadual, todas as comarcas estão preenchidas por magistrados e magistradas. “Sinto gratidão por atingirmos essa meta”, salientou a presidente.
 
Mais nomeações – Dos 10 empossados, cinco magistrados e magistradas foram convocados para substituírem os(as) que foram nomeados(as) e posteriormente pediram exoneração do cargo. E, com isso, por decisão da desembargadora-presidente, outros cinco foram nomeados nomeadas, ampliando ainda mais o número previsto no edital do concurso, que, inicialmente, era nove, depois passou para 25 e, agora, chegou a 30 juízes e juízas substitutos(as) que passam a integrar o quadro da magistratura de Mato Grosso e que em breve estarão lotados em comarcas do interior.
 
Ao desejar boa sorte e sucesso na nova caminhada, a presidente do Tribunal de Justiça lembrou aos novos magistrados e magistradas que irão comandar eleições e orientou que atuem com altivez, autoridade e sem arrogância. “Assim, informo que o Tribunal de Justiça está à disposição dos senhores e senhoras para auxiliá-los nessa jornada”, ressaltou, acentuando que os novos togados, com toda certeza, chegam com a missão de contribuir com a constante eficiência da Justiça mato-grossense.
 
Formação – Os 10 novos magistrados e magistradas substitutas participam de 22 de agosto a 30 de setembro do Curso Oficial de Formação Inicial (Cofi) promovido pela Escola Superior da Magistratura de Mato Grosso (Esmagis-MT), no Anexo Desembargador Atahide Monteiro da Silva, na sede do Judiciário, em Cuiabá. No dia 3 de outubro serão designados(as) para as comarcas em que atuarão (ainda não definidas) e lá continuarão com a formação on-line.
 
#Paratodosverem
Esta matéria possui recursos de texto alternativo para promover a inclusão das pessoas com deficiência visual. Descrição de imagens: Foto 1 em formato horizontal colorida no Plenário 1 tendo a frente os 10 novos juízes e juízas e atrás a presidente do Tribunal de Justiça e demais magistrados e magistradas e autoridades do sistema de Justiça. Foto 2 em formato horizontal colorida tendo a frente os 10 novos magistrados e magistradas e ao fundo, também de pé, as demais autoridades ladeadas por um crucifixo, brasão do Judiciário e pelas bandeiras do Brasil e de Mato Grosso
 
Álvaro Marinho
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT
 
 

Fonte: Tribunal de Justiça de MT

Veja Também:  Sancionada lei federal que salva 25 mil propriedades na faixa de fronteira

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Juizado Especial Criminal de Cuiabá suspende atendimento presencial por falta de energia

Publicados

em

Por conta da falta de energia elétrica o atendimento presencial está suspenso hoje (dia 18/8) no Juizado Especial Criminal de Cuiabá (Jecrim), bem como no Serviço de Atendimento Imediato (SAI).
 
Apesar da suspensão do atendimento presencial, os prazos processuais continuam a correr normalmente.
 
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT
 
 

Fonte: Tribunal de Justiça de MT

Comentários Facebook
Veja Também:  Unemat recebe inscrições para residência pedagógica em 2020
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana