conecte-se conosco


Carros e Motos

Força a qualquer prova: conheça a história da Chevrolet C-10

Publicados

em


source

A picape C-10 de 1974 foi uma evolução das arcaicas C14 e C15 e foi bem aceita no mercado brasileiro
Divulgação

A picape C-10 de 1974 foi uma evolução das arcaicas C14 e C15 e foi bem aceita no mercado brasileiro

Durante o final da década de 50, numa fase importante para o crescimento da economia brasileira, a General Motors do Brasil inaugurou sua nova planta na cidade de São José dos Campos.

Dela surgiriam os primeiros frutos como a emblemática 3100 de 1958 e a Amazonas, além dos modernos veículos da série C , lançados em 1964. Neste emergente e disputado nicho de mercado fez com que a GM concentrasse suas forças na picape C10 de 1974, uma evolução das  C14 e C15.

A concorrência neste importante mercado de utilitários tinha rivais fortíssimos como a Ford com sua F100. A esta altura, a “cara” da C-10 apresentava um certo cansaço em comparação à concorrente, mas para a GM o momento era apelar para sua indiscutível robustez do conjunto mecânico e isso ela sabia fazer muito bem.

A GM foi líder de mercado em picapes grandes por muito tempo graças as C-10, com motor a gasolina
Reprodução

A GM foi líder de mercado em picapes grandes por muito tempo graças as C-10, com motor a gasolina

Em um dos principais anúncios publicitários, por exemplo, a marca destacou o slogan “Close-up do pick-up Chevrolet” apontando para o potente motor 4,1 litros que equipou a linha Opala 250 S. A suspensão independente era outro ponto forte do modelo que muitos proprietários elogiam até hoje, assim como o prazer de dirigir.

Por outro lado, o consumo, obviamente em se tratando de um motor de alta litragem, é alto. Porém, os freios exigem cuidado em se tratando da adoção de tambores nas quatro rodas, sem hidrovácuo. Com a caçamba vazia, a C-10 tinha a tendência de travar as rodas traseiras, segundo alguns proprietários.

Chevrolet C-14 (foto) foi a antecessora da C-10 e se tornou um marco na história da GM no Brasil
Reprodução

Chevrolet C-14 (foto) foi a antecessora da C-10 e se tornou um marco na história da GM no Brasil

A estabilidade também nunca foi motivo de elogios entre seus proprietários. Quando vazia, a caçamba se tornava leve demais e os pneus com bandas de rodagem estreitas, não ajudavam ao fazer as curvas, principalmente em piso molhado. Já a direção é leve demais na estrada.

A transmissão de 3 marchas , instalada na coluna de direção é macia e tem engates precisos, porém o que muitos donos reclamavam era que com o desgaste do trambulador, as marchas encavalavam. Para manter a precisão do funcionamento, uma simples chave de fenda ou outro tipo de alavanca bastava para resolver este problema crônico. 

Veja Também:  Honda NXR 160 Bros 2022: veja como anda na cidade, estrada e até na praia

A GM foi líder de mercado em picapes grandes por muito tempo graças às C-10. Desde o seu lançamento, em 1964, até o final da produção, em 1981, foi oferecida além do clássico motor 261 pol3 (4300cc) de 5 mancais, também conhecido como “Chevrolet Brasil” a opção dos motores de 4 cilindros do Opala (álcool ou gasolina), passando pelo Diesel Perkins de 3,9 litros.

Chevrolet C10 vinha com banco para até três ocupantes e alavanca de câmbio na coluna de direção
Reprodução/You Tube/Garagem do Bellote

Chevrolet C10 vinha com banco para até três ocupantes e alavanca de câmbio na coluna de direção

A crise do petróleo e o alto consumo desses motores, projetados numa época em que a preocupação era potência, e não economia, fez com que os utilitários movidos à gasolina perdessem mercado para os movidos a diesel, lançados no final da década de 70.

A Chevrolet C-10 a gasolina continuou a ser vendida por algum tempo e a fábrica disponibilizou também o motor a álcool para esses veículos. Uma importante fase de que a GM se orgulha até hoje! No entanto, o modelo C-10 era descontinuado em 1981, por conta da crise.

Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Propaganda

Carros e Motos

Volkswagen apresenta os elétricos ID.3 e ID.4 no Brasil

Publicados

em


source
VW ID.3: destaque nos emplacamentos da Europa é mostrado oficialmente no Brasil
Divulgação

VW ID.3: destaque nos emplacamentos da Europa é mostrado oficialmente no Brasil

A Volkswagen apresenta os modelos totalmente elétricos  ID.3 e ID.4 no Brasil. Os veículos fazem parte da nova estratégia ‘Way to Zero’, que inclui a descarbonização da produção e a geração de energia de fontes limpas até 2015.

As versões para a América Latina ainda não foram definidas – tampouco os preços. Segundo a Volkswagen , serão realizadas clínicas com clientes, jornalistas e engenheiros para definir o melhor pacote. 

O ID.3 tem três versões na Europa, cada uma com baterias de capacidades diferentes. A versão de entrada tem bateria de 45 kWh, com autonomia de 330 quilômetros. Na sequência, está a bateria de 58 kWh, que pode rodar 420 km. A versão topo de linha conta com bateria de 77 kWh e autonomia de 550 km. O modelo é fabricado em duas fábricas na Alemanha, em Zwickau e Dresden.

Veja Também:  Detran-SP: 42% das mortes por suspeita de embriaguez são registradas à noite

Já o ID.4 tem bateria capaz de armazenar até 77 kWh de energia, proporcionando autonomia máxima de 520 km. O motor elétrico posicionado no eixo traseiro gera força equivalente a 204 cv de potência.

Sendo assim, o ID.4 pode acelerar de 0 a 100 km/h em 8,5 segundos, com velocidade máxima de 160 km/h. A fabricante também divulgou que o proprietário do ID.4 poderá recarregar até 320 km de autonomia em uma unidade rápida em até 30 minutos. No carregador convencional, o ID.4 pode retomar 85 km na autonomia em cerca de uma hora.

A chegada do ID.4 é mais provável

A Volkswagen não confirmou qual dos modelos chegará primeiro, ou se ambos serão vendidos no Brasil. Conforme apurado pela reportagem do iG Carros, a marca alemã considera o hatchback ID.3 muito baixo para o padrão das ruas brasileiras. Há a preocupação de que o parachoque do modelo raspe em valetas, lombadas e rampas. Neste caso, um crossover faria mais sentido.

Veja Também:  Fuskombi traz o melhor de dois mundos

As possibilidades pesam mais a favor do Volkswagen ID.4 , que poderá passar de R$ 500 mil, considerando o valor de outros veículos do segmento. A marca alemã tem uma parceria com Audi e Porsche para melhorar a infraestrutura para veículos elétricos nas principais capitais do Brasil.

Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

McLaren faz três unidades especiais do 720S em homenagem a Daniel Ricciardo

Publicados

em


source
Mclaren 720S Daniel Ricciardo: pintura alaranjada e detalhes azuis para combinar com o carro de F1 que venceu na Itália
Divulgação

Mclaren 720S Daniel Ricciardo: pintura alaranjada e detalhes azuis para combinar com o carro de F1 que venceu na Itália

Para homenager o piloto autraliano Daniel Ricciardo, a McLaren faz apenas três unidades exclusivas do modelo 720S que serão vendidas apenas na Austrália, terra natal do vencedor do GP da Itália, no último dia 12 de setembro. A novidade foi fabricada com ajuda da divisão de operações especiais da marca (MSO).

Foi a primeira vitória de Ricciardo pela McLaren , que não vencia uma prova na F1 desde 2012. A escuderia de Woking , que fica no condado de Surrey, no Reino Unido, também comemorou o segundo lugar de Lando Norris na prova italiana.

Entre os itens exclusivos da série limitada do 720S, destaca-se a pintura alaranjada em contraste com detalhes azuis, além de partes de fibra de carbono autografadas pelo piloto australiano.

Por dentro, o McLaren 720S especial também conta com detalhes pintados de laranja, mais exatamente no painel e nos bancos. Além disso, trata-se do supercarro original, que vem equipado com motor V8 de 4 litros de cilindrada, capaz de gerar 720 cv e 78 kgfm de torque, números para acelerar de 0 a 100 km/h em meros 2,8 segundos, conforme a fabricante.

“Um dos grandes privilégios de ser piloto da McLaren é poder estar ao volante dos vários superesportuvos da marca e quando algo oferece detalhes exclusivos estamos falando de peças únicas, como o 720S da série limitada”, disse o piloto de F1 vencedor do GP da Itália de 2021.

A série especial do McLaren 720S em homenagem a Daniel Ricciardo será vendida a partir do mês que vem, mas ainda não há um preço oficial divulgado. Tomando como base o 720S convencional, pode-se concluir que ficará acima dos US$ 300 mil, ou acima de R$ 1,7 milhão em uma conversão simples.

Veja Também:  Honda NXR 160 Bros 2022: veja como anda na cidade, estrada e até na praia
Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA ATÉ O MOMENTO A GESTÃO DR. DIVINO PREFEITO DE BARRA DO BUGRES ESTÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana