conecte-se conosco


Agronegócio

FRANGO/CEPEA: Exportação elevada impulsiona preços domésticos

Publicados

em

Cepea, 22/2/2019 – Os preços da carne de frango in natura têm apresentado altas expressivas no correr deste mês, impulsionados pelo ritmo aquecido dos embarques brasileiros da proteína e também pela menor oferta doméstica – vale lembrar que o mercado esteve desfavorável ao setor em boa parte de 2018, o que levou avicultores a reduzir a produção. No acumulado de fevereiro (até o dia 21), o frango inteiro congelado negociado no atacado da Grande São Paulo se valorizou expressivos 5,1%, com o preço médio a R$ 4,34/kg na quinta-feira, 21. Para o produto resfriado, a alta foi ainda mais intensa, de 8,2%, com negócios a R$ 4,42/kg no dia 21. Dentre os cortes acompanhados pelo Cepea no mercado paulista, o peito de frango resfriado foi o que teve a maior valorização no acumulado parcial de fevereiro, de 4,2%, fechando a R$ 5,45/kg na quinta-feira. Quanto às exportações, conforme dados da Secex, nos primeiros 11 dias úteis deste mês, a quantidade média diária de carne de frango exportada pelo Brasil foi de 16,84 mil toneladas, volume 42,1% superior ao registrado em janeiro, quando era de 11,85 mil t/dia. Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Veja Também:  ETANOL/PERSPEC 2019: Retomada de crescimento em 2019 pode elevar demanda por combustível

Comentários Facebook
Propaganda

Agronegócio

Agricultores iniciam colheita de pluma de algodão em Mato Grosso

Publicados

em

Por

Os agricultores começaram a colher algodão em pluma, uma das culturas cultivadas em Mato Grosso. Nesta safra, a área plantada aumentou para 1,18 milhão de hectares e, em 2021, foram plantados 960 mil hectares.

A produção deve ser de 278 arrobas de algodão em caroço por hectare, apenas um arroba a mais em relação à temporada do último ano.

No entanto, como a área é grande, o volume de algodão colhido deve crescer e ficar próximo de 5 milhões de toneladas, cerca de um milhão a mais que no ano passado.

Na primeira safra, plantada em dezembro, os resultados são bons, enquanto a segunda safra, plantada em janeiro logo após a colheita da soja, não teve o mesmo efeito. O algodão foi cultivado durante o que foi considerado uma boa estação, mas o clima não colaborou com os produtores.

Em uma fazenda em Novo São Joaquim, a 487 quilômetros de Cuiabá, o resultado foi diferente nesta temporada. Segundo o gerente local, Jackson Ferreira, o algodão colhido ocupa 3.000 hectares, 15% a mais que na safra passada.

Veja Também:  Açúcar ignora coronavírus e preços reagem à quebra da Índia até o Brasil voltar ao mercado

No início do ciclo, o clima afetou o crescimento da safra e a taxa média de produção foi de 5% em relação ao ano anterior.

“No ano passado choveu muito durante a janela de plantio e não executamos dentro do ideal. Já neste ano a chuva foi muito boa e conseguimos plantar dentro da janela. Durante o ciclo da cultura a chuva foi bem distribuída, mas a safrinha recebeu bem menos volume. Isso vai afetar um pouco na produtividade do algodão. Esperávamos colher 250 arrobas, mas vai chegar no máximo 230 arrobas”, disse Jackson.

Em uma fazenda em Campo Verde, a 139 quilômetros de Cuiabá, a colheita já começou. Segundo o agricultor Rodolfo Bertani Lopes da Costa, foram plantados mais de 1.500 hectares, sendo 580 em dezembro e o restante no mês seguinte.

“Esse ano choveu antes. Eu terminei o plantio do algodão safrinha em 20 de janeiro. Então foi dentro da janela e, com o preço do algodão, resolvemos aumentar as áreas de sarfinha. Só que tivemos um corte de chuva antecipado e isso ocasionou perda e a perspectiva de produção foi reduzida. A gente esperava produzir 120 arrobas de pluma e agora a produção vai ser por volta de 80 arrobas de pluma por hectare. Este ano estamos trabalhando com 40% de algodão safra e 60% de safrinha”, concluiu.

Veja Também:  Subsídio e incentivo agroquímico passa R$ 14 bi no Brasil

Fonte: Agroplus.tv  

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Exportações de grãos da Ucrânia caem 40% em maio

Publicados

em

Por

As exportações de grãos da Ucrânia tiveram uma queda de 40% na primeira quinzena de junho, se comparada ao mesmo período de 2021, com 613 mil toneladas.

O país embarcava até 6 milhões de toneladas de grãos por mês, antes da invasão russa, que teve início no final do mês de fevereiro, desde então, os volumes diminuíram para cerca de 1 milhão de toneladas.

Isso porque a Ucrânia costumava exportar a maior parte dos seus produtores por portos marítimos e agora foi forçada a fazer o transporte de grãos por meio de trens pela fronteira ocidental.

Fonte: Agroplus.tv

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Veja Também:  Debate sobre taxação do agro continua e Aprosoja reforça contrariedade
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana