conecte-se conosco


Tecnologia

Google, Gmail e YouTube vão barrar login em celulares Android muito antigos

Publicados

em


source

Tecnoblog

Google bloqueia apps de Android antigo
Unsplash/Kai Wenzel

Google bloqueia apps de Android antigo

O Google vai barrar o login em serviços como Gmail e YouTube em celulares com versões muito antigas do Android. Um comunicado da empresa aos usuários diz que as proibições vão começar a partir de 27 de setembro, e valem para quem usa Android 2.3.7 Gingerbread ou inferior.

Segundo a companhia, o motivo para o encerramento do login nestes aparelhos é a falta de segurança. “Como parte de nossos esforços contínuos para manter nossos usuários seguros, o Google não permitirá mais login em dispositivos Android que executam Android 2.3.7 ou inferior a partir de 27 de setembro de 2021”, disse Zak Pollack, gerente da comunidade de ajuda do Android.

A proibição afeta todos os apps do Google — usuários que deslogarem de suas contas não poderão mais checar e-mails, obter histórico de navegação do Google Maps e muito mais. O fim do suporte a contas Google no Android 2.3.7 pode resultar em erros de nome de usuário ou senha ao tentar acessar produtos do Google.

A companhia afirma ainda que a criação de novas contas Google não poderá ser realizada nestes dispositivos. Caso o usuário tente redefinir as configurações de fábrica do aparelho, não será possível realizar um novo login. Redefinições de senha também irão interromper o uso da conta nos celulares com sistema defasado.

Google fornecerá solução alternativa via web

Sabemos que quem ainda utiliza o Android 2.3.7, lançado em dezembro de 2010, dificilmente faz isso porque quer — provavelmente o aparelho não suporta uma versão superior do sistema. O Google incentiva o uso do Android 3.0 ou superior, mas caso isso não seja possível, há uma forma alternativa de usar alguns serviços.

“Se você não pode atualizar seu dispositivo para uma versão mais recente do Android (3.0+), você pode tentar fazer login em sua conta do Google no navegador da web do seu dispositivo. Você ainda pode usar alguns serviços do Google quando conectado ao Google no navegador do seu dispositivo”.

Veja Também:  AliExpress abre site para que brasileiros vendam produtos; veja como funciona

Para acessar sua Conta do Google e e-mail em seu dispositivo usando um navegador da web, siga os passos abaixo:

  1. Abra o aplicativo do navegador do seu telefone.
  2. Acesse sua conta em myaccount.google.com.

Você também poderá acessar o Gmail em mail.google.com, pelo navegador.

Comentários Facebook
Propaganda

Tecnologia

Reclamações da Shopee no Procon-SP saltam 2.600% em quase 1 ano

Publicados

em


source
Exclusivo: Reclamações da Shopee no Procon-SP saltam 2.600% em quase 1 ano
Pedro Knoth

Exclusivo: Reclamações da Shopee no Procon-SP saltam 2.600% em quase 1 ano

A Shopee está em alta no Brasil. O e-commerce de Singapura se preparou para oferecer aos brasileiros, todo mês, o Dia Shopee: data especial com promoções inéditas até o final do ano. Mas isso também significa que cada vez mais consumidores estão insatisfeitos com as compras no marketplace: dados do Procon-SP revelados ao Tecnoblog mostram que, em quase um ano, as reclamações relacionadas à plataforma aumentaram 2.600%.

A Shopee é motivo de 1.587 reclamações feitas ao Procon por consumidores insatisfeitos. As queixas foram registradas entre setembro de 2020 e agosto de 2021.

Em setembro de 2020, foram registradas apenas 8 reclamações pelo Procon-SP no total. Ao final de 2020, esse número saltou para 122 queixas, representando aumento de aproximadamente 1.500%. Mas, até agosto deste ano, as reclamações relacionadas à varejista de Singapura dispararam para 208, chegando a um aumento de 2.600% quando comparado com o começo da série histórica.

Dificuldade de reembolso é maior reclamação

Entre os principais motivos das reclamações, o Procon-SP aponta:

Causa Número de reclamações
Dificuldades de reembolso e devolução de valores pagos 160
Ausência ou demora na entrega de produtos 68
delivery de produtos incompletos, diferentes do anunciado ou danificados 63
Dificuldade de contato e demora no atendimento 29
Venda ou publicidade enganosa 28

Segundo o diretor-executivo do Procon-SP, Fernando Capez, a estratégia de descontos agressivos, pela qual a Shopee é conhecida, é bem-vinda, “desde que não seja uma forma de atrair a pessoa para um golpe”.

Veja Também:  Pixel 5a: Google lança celular à prova de poeira com 5G por R$ 2,4 mil

Em entrevista ao Tecnoblog , Capez ainda cita que a Shopee tem dificuldades no pós-venda, e chama a atenção para o que chamou de “negligência ao atender consumidor”:

“A empresa não dá satisfação ao consumidor. Há atrasos na entrega, e o cliente está reclamando que os preços nas ofertas são menores do que o da compra final. A empresa diz que não considerou o frete, que não reavaliou o preço. Nesse sentido, o papel do Procon-SP é notificar a Shopee para explicar sua responsabilidade [pelas reclamações].”

Procon-SP propõe termo de colaboração

O diretor do Procon-SP revela que vai pedir à Shopee para assinar um termo de colaboração com a Polícia Civil e órgão pró-consumidor, com o intuito de combater produtos irregulares em seu marketplace. Em agosto, o Mercado Livre sinalizou que vai trabalhar junto às entidades para coibir a venda de produtos piratas dentro de seu site. Nesse sentido, o acordo com a Shopee seria uma continuação dessa colaboração com o órgão.

Leia Também

“Esperamos que, após o acordo com Mercado Livre, a Shopee assine um termo de compromisso para barrar produtos ilegais de seu marketplace. A ideia é fazer com que cada vez mais plataformas digitais colaborem, pois o acordo prevê a retirada imediata de quaisquer itens irregulares após uma notificação do Procon-SP”, afirma Capez.

Logo após o acordo, o Mercado Livre assinou o Guia Antipirataria, elaborado pela Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor) em conjunto com o Conselho Nacional de Combate à Pirataria (CNPC).

Veja Também:  McDonald's faz promoção com controle de PS5 personalizado, mas Sony veta

Antes, a varejista seguia o Marco Civil da Internet, que a isentava de que prevê a isenção de responsabilidade de varejistas por anúncios de produtos ilegais. Mas e-commerces que atuam com vendas de produtos de terceiros, como a Shopee, ainda seguem as diretrizes do Marco Civil. Isso gera preocupação ao Procon-SP.

Shopee foi notificada pelo Procon-SP nesta semana

Na segunda-feira (13) o órgão pró-consumidor notificou a Shopee. Ele pede explicações sobre a origem dos produtos vendidos aos clientes. A varejista deverá confirmar quais são os ritos de fiscalização por trás de sua operação para garantir a qualidade dos itens comercializados.

O órgão encontrou alguns produtos com preço atípico, muito abaixo do preço oferecido por outros e-commerces. Para efeito de comparação, um tênis da Vans estava em uma promoção por R$ 35,90 na Shopee, enquanto em outras plataformas, saia por R$ 349.

Promoção de tênis da Vans da Shopee chamou atenção do Procon-SP (Imagem: Reprodução)

A empresa também deve enviar ao órgão pró-consumidor documentos que atestam a regularidade fiscal, tributária e comercial das lojas parceiras cadastradas na plataforma da Shopee. A marca recentemente reforçou seu marketplace com produtos de grandes multinacionais, como Huawei e Phillips.

Entre outras exigências, a Shopee deverá ainda explicar ao Procon-SP quais são os critérios por trás de sua estratégia de preços e descontos agressivos.

A Shopee deve responder às exigências do Procon-SP até o dia 17 (sexta-feira). Em nota ao Tecnoblog , a varejista de Singapura afirma que vai responder ao órgão dentro do prazo, e confirmou a exigência de que todos os vendedores cadastrados sigam as regras do marketplace e da legislação brasileira.

A Shopee não respondeu sobre a possibilidade de entrar em um acordo com o Procon-SP e a Polícia Civil de São Paulo. A empresa também não se pronunciou sobre o aumento das reclamações. O espaço continua aberto ao posicionamento.

Exclusivo: Reclamações da Shopee no Procon-SP saltam 2.600% em quase 1 ano

Comentários Facebook
Continue lendo

Tecnologia

Youtubers encontram US$ 100 mil em jogos antigos numa casa abandonada

Publicados

em


source
Youtubers encontram US$ 100 mil em jogos antigos numa casa abandonada
Murilo Tunholi

Youtubers encontram US$ 100 mil em jogos antigos numa casa abandonada

Enquanto exploravam a casa de um acumulador que estava abandonada há mais de 20 anos nos EUA, os youtubers do canal Cheap Finds Gold Mines encontraram caixas com diversos jogos antigos selados em excelente qualidade. Essa coleção é avaliada em cerca de US$ 100 mil (R$ 526,7 mil em conversão direta) e tem desde títulos clássicos, como The Legend of Zelda: The Wind Waker , até edições limitadas de Resident Evil 4 .

Conhecidos apenas como Aimee e Korbin, o casal de youtubers costuma visitar brechós e leilões em busca de itens raros. Dessa vez, o local foi indicado pela própria sobrinha do acumulador, que ganhou permissão para vender a casa e quis encontrar um destino para todos os objetos guardados lá.

Mesmo com a casa fechada há mais de 20 anos, os objetos foram encontrados em perfeito estado. Quando chegaram à residência, os exploradores acharam diversos consoles — incluindo um Xbox 360 lacrado de fábrica —, figuras de ação, fitas VHS e a arcas do tesouro com os jogos antigos.

Veja Também:  AliExpress faz semana de promoção com descontos de até 99%; confira

Entre os achados estavam itens como uma cópia selada de Viva Piñata para Xbox 360, diversas unidades lacradas de The Legend of Zelda: Wind Waker , uma caixa fechada de fábrica da edição de colecionador de Resident Evil 4 com o controle no formato de serra elétrica e muito mais.

A exploração completa foi dividida em três vídeos — recomendados apenas para quem tem estômago forte para ver insetos, fungos, fezes de animais e outras imagens nojentas de uma casa fechada há duas décadas. Ao todo, os youtubers encontraram jogos antigos de PC, Xbox 360, PS1, PSP e GameCube.

Alguns jogos foram mantidos para honrar o dono da casa

Leia Também

No último vídeo, Aimee conta que o dono da casa começou a acumular coisas depois de ter perdido uma pessoa querida. Ele colecionava objetos que o faziam feliz, os quais nesse caso eram videogames. Para guardar essa lembrança, os youtubers escolheram não vender todos os jogos e manter alguns títulos.

Veja Também:  "Por diversão": hackers realizam maior roubo da história e devolvem dinheiro

Ao final da exploração — que contou com outros caçadores e revendedores, além dos youtubers —, foram desenterrados cerca de US$ 100 mil em jogos antigos. Após a divisão dos itens entre as pessoas que estavam na casa, o casal faturou US$ 20 mil (R$ 105,2 mil), enquanto as outras duas equipes ficaram com US$ 40 mil (R$ 210,3 mil) cada uma.

Os três vídeos da aventura dos youtubers do canal Cheap Finds Gold Mines podem ser assistidos (em inglês) a seguir:

Com informações: Kotaku .

Youtubers encontram US$ 100 mil em jogos antigos numa casa abandonada

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA ATÉ O MOMENTO A GESTÃO DR. DIVINO PREFEITO DE BARRA DO BUGRES ESTÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana