conecte-se conosco


Economia

Governo paga hoje Auxílio Brasil a beneficiários com NIS final 4

Publicados

em

O governo paga hoje (22) a parcela de junho do Auxílio Brasil aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS) com final 4. O valor mínimo do benefício é de R$ 400. As datas seguem o modelo do Bolsa Família, que pagava os beneficiários nos dez últimos dias úteis do mês.

O beneficiário poderá consultar informações sobre as datas de pagamento, o valor do benefício e a composição das parcelas em dois aplicativos: Auxílio Brasil, desenvolvido para o programa social, e o aplicativo Caixa Tem, usado para acompanhar as contas poupança digitais do banco.

Atualmente, 17,5 milhões de famílias são atendidas pelo programa. No início do ano, três milhões de famílias foram incluídas no Auxílio Brasil.

NIS jun jul ago set out nov dez
1 17/06 18/07 18/08 19/09 18/10 17/11 12/12
2 20/06 19/07 19/08 20/09 19/10 18/11 13/12
3 21/06 20/07 22/08 21/09 20/10 21/11 14/12
4 22/06 21/07 23/08 22/09 21/10 22/11 15/12
5 23/06 22/07 24/08 23/09 24/10 23/11 16/12
6 24/06 25/07 25/08 26/09 25/10 24/11 19/12
7 27/06 26/07 26/08 27/09 26/10 25/11 20/12
8 28/06 27/07 29/08 28/09 27/10 28/11 21/12
9 29/06 28/07 30/08 29/09 28/10 29/11 22/12
30/06 29/07 31/08 30/09 31/10 30/11 23/12
Veja Também:  Cerveja Mito, homenagem ao presidente, foi criada a pedido de Flávio Bolsonaro

Auxílio Gás

O Auxílio Gás também é pago hoje às famílias cadastradas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), com NIS final 4. Com valor de R$ 53 em junho, o benefício segue o calendário regular de pagamentos do Auxílio Brasil.

Com duração prevista de cinco anos, o programa beneficiará 5,5 milhões de famílias, até o fim de 2026, com o pagamento de 50% do preço médio do botijão de 13 quilos, conforme valor calculado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) nos últimos seis meses.

Pago a cada dois meses, o Auxílio Gás tem orçamento de R$ 1,9 bilhão para este ano. Só pode fazer parte do programa quem está incluído no CadÚnico e tenha pelo menos um membro da família que receba o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

A lei que criou o programa definiu que a mulher responsável pela família terá preferência, assim como mulheres vítimas de violência doméstica.

Benefícios básicos

O Auxílio Brasil tem três benefícios básicos e seis suplementares, que podem ser adicionados caso o beneficiário consiga um emprego ou tenha um filho que se destaque em competições esportivas ou científicas e acadêmicas.

Veja Também:  Potencial econômico da costa do país será mapeado até 2030

Podem receber o benefício as famílias com renda per capita [por cabeça] de até R$ 100, consideradas em situação de extrema pobreza, e aquelas com renda per capita de até R$ 200, consideradas em condição de pobreza.

A Agência Brasil elaborou um guia de perguntas e respostas sobre o Auxílio Brasil. Entre as dúvidas que o beneficiário pode tirar estão os critérios para integrar o programa social e o detalhamento dos nove tipos diferentes de benefícios.

O Auxílio Brasil é coordenado pelo Ministério da Cidadania, responsável por gerenciar os benefícios do programa e pelo envio dos recursos para pagamento da Caixa.

* Matéria alterada às 7h11 para acréscimo de informações.

Edição: Kleber Sampaio

Comentários Facebook
Propaganda

Economia

Preço da cesta básica paulistana aumenta 1,36%, diz Procon-SP

Publicados

em

Por

O preço médio da cesta básica na capital paulista superou o valor do salário mínimo no mês de maio, segundo levantamento feito pelo Núcleo de Inteligência e Pesquisas do Procon-SP, em convênio com o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

A cesta chegou a R$ 1.226,12, em 31 de maio, aumento de 1,36% em relação a 29 de abril (R$ 1.209,71). O valor do salário mínimo é R$ 1.212.

Os grupos alimentação e limpeza tiveram alta de 1,7% e 0,36%, respectivamente. Já higiene pessoal teve queda de 1,83%. Dos 39 produtos pesquisados, na variação mensal, 27 registraram alta, nove diminuíram de preço e três permaneceram estáveis.

Os produtos que mais subiram, segundo o levantamento, foram cebola (31,7%), desodorante spray (6,8%), salsicha avulsa (6,33%), queijo muçarela fatiado (5,55%) e farinha de mandioca torrada (4,91%).

Já as maiores quedas foram papel higiênico fino branco (8,85%), biscoito recheado (5,91%), absorvente aderente (4,27%), sabão em barra (1,65%) e frango resfriado inteiro (1,6%).

De acordo com o Procon-SP, os motivos que justificam as oscilações nos preços dos produtos da cesta básica são diversos e incluem problemas climáticos, questões sazonais, excesso ou escassez de oferta ou demanda pelos produtos, preços das commodities, variações cambiais, formação de estoques e desonerações de tributos.

Veja Também:  Guedes: governo avalia redução moderada de imposto sobre combustíveis

A alta no preço tanto da salsicha como do queijo muçarela, por exemplo, tiveram influência do aumento nas exportações de seus insumos – carne suína e leite. A alta das carnes de primeira e de segunda, que são itens relevantes na alimentação no país e registraram aumento de 0,74% e 1,29% no mês, respectivamente, também foi relacionado às exportações pela entidade.

O aquecimento da demanda internacional pela carne bovina brasileira acarretou a diminuição na oferta interna e o aumento das cotações no varejo, conforme divulgou o Procon-SP.

Na variação anual, a pesquisa apontou ainda que o aumento no preço da cesta na cidade foi de 18,07%, ante maio de 2021, quando o valor era de R$ 1.038,45. No período, os três produtos que tiveram maior alta foram café em pó, com aumento de 95,6%; batata, 70,04%, e biscoito água e sal, 48,84%.

Edição: Kelly Oliveira

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Dólar sobe para R$ 5,25 e tem quarta semana seguida de alta

Publicados

em

Por

Apesar do alívio no exterior, as incertezas domésticas prevaleceram e fizeram o dólar voltar a subir. A bolsa de valores fechou com ganhos após três quedas consecutivas, mas fechou a semana em baixa.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (24) vendido a R$ 5,253, com alta de R$ 0,023 (+0,44%). A cotação chegou a operar em queda durante a manhã. À tarde ficou estável, mas passou a subir nas duas horas finais de negociação.

A moeda norte-americana está no nível mais alto desde 8 de fevereiro, cerca de duas semanas antes do início da guerra entre Rússia e Ucrânia. O dólar subiu pela quarta semana consecutiva, acumulando alta de 10,52% apenas em junho. Em 2022, a divisa caiu 5,77%.

O mercado de ações teve um dia menos tenso. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 98.672 pontos, com alta de 0,6%, influenciado pela alta nas bolsas norte-americanas e pela recuperação do preço de diversas commodities (bens primários com cotação internacional). Mesmo com a recuperação de hoje, o Ibovespa acumula a quarta semana de queda.

Desde o início de abril, quando chegou a R$ 4,60, o dólar subiu 14%, motivado principalmente pelos temores de que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) aumente os juros básicos dos Estados Unidos além do previsto para segurar a inflação, que está no maior nível desde 1981 na maior economia do planeta.

Veja Também:  Potencial econômico da costa do país será mapeado até 2030

No entanto, nesta sexta-feira, os investidores reagiram às negociações para ampliar o Auxílio Brasil para R$ 600, para ajudar caminhoneiros e para aumentar o Auxílio Gás. Hoje, o senador Fernando Bezerra (MDB-PE), relator da proposta de emenda à Constituição (PEC) dos Combustíveis, estimou em R$ 21,6 bilhões fora do teto de gastos até o fim do ano o impacto da elevação do Auxílio Brasil. O mercado teme o impacto da medida sobre as contas públicas.

* Com informações da Reuters

Edição: Claudia Felczak

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana