conecte-se conosco


Tecnologia

HBO Max melhora bugs, mas usuários ainda reclamam de legendas tortas

Publicados

em


source
HBO Max enfrenta críticas
Reprodução

HBO Max enfrenta críticas

O HBO Max chegou ao Brasil há pouco mais de duas semanas e, além do sucesso por conta do catálogo bastante atraente, a estreia da plataforma de streaming no país tem sido marcada por problemas técnicos. 

Na semana do lançamento,  o site do HBO Max ficou instável , impedindo que muitas pessoas conseguissem assinar a plataforma. Depois disso, usuários passaram a relatar diversas queixas a respeito dos aplicativos .

Travamento do aplicativo, incompatibilidade com PlayStation 4 e Fire TV Stick , falha na reprodução automática e idioma que não fica salvo por padrão eram algumas das reclamações mais constantes. A principal delas, porém, dizia respeito às legendas , que ficam desalinhadas.

Atualmente, muitos usuários ainda reclamam dos ‘bugs’ nos aplicativos do HBO Max. No Twitter oficial do serviço, é possível encontrar diversas reclamações. As legendas continuam sendo o maior alvo de críticas.

Você viu?

HBO Max corrigiu alguns erros, mas outros continuam

À reportagem, o HBO Max confirmou, por meio de nota, que corrigiu o erro das legendas nos dispositivos Android . Um teste feito pela reportagem revelou que as legendas estão, de fato, centralizadas.

Veja Também:  Facebook libera perfil de Eduardo Bolsonaro e diz que houve engano

Em outros dispositivos, porém, as legendas continuam desalinhadas e do lado esquerdo da tela. Confira abaixo como elas aparecem em um teste feito usando uma smart TV da Samsung :

Legenda do HBO Max em smart TV da Samsung
Dimítria Coutinho/iG Tecnologia

Legenda do HBO Max em smart TV da Samsung

Além de corrigir o erro das legendas no Android , o HBO Max afirma que trabalha “para solucionar todos os problemas relatados pelos consumidores o mais rápido possível”. De acordo com a plataforma de streaming , outras melhorias poderão ser notadas ainda “nos próximos dias”.

“Queremos que os usuários possam aproveitar o conteúdo ao máximo. Por isso, trabalhamos incansavelmente para resolver os inconvenientes que alguns usuários tiveram em determinados dispositivos, além de atualizar o aplicativo para que o acesso à plataforma seja mais fácil”, afirma o HBO Max .

Veja Também:  Netflix aumenta preço da assinatura no Brasil em até 22%; veja novos valores

Comentários Facebook
Propaganda

Tecnologia

‘Tinder dos antivacina’ é banido da App Store por divulgar fake news

Publicados

em


source
Aplicativo de relacionamento une pessoas antivacina
Unsplash/Alexander Sinn

Aplicativo de relacionamento une pessoas antivacina

O aplicativo de relacionamento Unjected, voltado para pessoas antivacina, foi removida da App Store, a loja oficial do iOS. Além de conectar negacionistas, o aplicativo ainda divulgava conteúdo falso, dizendo que vacinas modificam genes, conectam humanos ao 5G e são “armas biológicas”. “Conecte negócios, encontre amizades ou amor em sua comunidade não vacinada” é o lema do aplicativo.

A Apple afirmou, em comunicado enviado ao site Engadget, que o aplicativo foi banido por violar as regras relacionadas à Covid-19, que exige que as informações divulgadas por aplicativos tenham embasamento em agências de saúde ou instituições médicas.

Além de funcionar como uma espécie de Tinder, o Unjected foi ganhando novas funções com o tempo, como a possibilidade de fazer postagens em um feed. Foi nesse espaço que começaram a surgir informações falsas sobre a vacinação.

Na Google Play Store, a loja oficial do Android, o aplicativo ainda está disponível. Em 16 de julho, porém, o Google deu um ultimato ao Unjected, solicitando que as postagens enganosas fossem removidas em duas semanas, ou o app seria removido. O feed chegou a ser excluído, mas Shelby Thompson, uma das co-fundadoras do app, disse que vai restaurá-lo.

O Unjected foi criado por duas mulheres do Havaí, de acordo com a Bloomberg. Ele só está disponível em inglês e, segundo levantamento da AppTopia, foi baixado menos de 20 mil vezes.

Comentários Facebook
Continue lendo

Tecnologia

LGPD: empresas já podem levar multas milionárias se não protegerem seus dados

Publicados

em


source
Vazamentos de dados poderão gerar multas
Unsplash/Markus Spiske

Vazamentos de dados poderão gerar multas



A partir deste domingo (1º)  multas e demais punições referentes a possíveis infrações da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) começam a ser aplicadas. A legislação atual prevê multas diárias que podem chegar a 2% do faturamento líquido de empresas com base no balanço do ano anterior, algo que, na prática, pode chegar até R$ 50 milhões – valor máximo previsto pela legislação atual.

Além disso, as empresas que passarem por essa sanção podem sofrer também advertências que culminem no bloqueio de banco de dados pelo período de até seis meses.

Essa última punição, em especial, pode ser ainda mais prejudicial do que a multa em si, visto que basicamente todas as companhias hoje funcionam por meio de dados e ter um banco bloqueado pode causar a interrupção da operação do negócio – e, dessa forma e a depender da extensão do caso, o prejuízo pode ser ainda maior do que apenas o montante referente à multa.

A expectativa, no entanto, é de que no início as multas com altos valores ou penalidades mais graves não sejam implementadas de bate-pronto, explica Luiza Sato, sócia da área de proteção de dados, direito digital e propriedade intelectual do ASBZ Advogados.

Na visão da especialista, primeiramente espera-se que haja “aumento da conscientização de empresas e titulares de dados quanto às regras da LGPD”, o que deve resultar principalmente na aceleração das atividades de conformidade à Lei para o segundo semestre deste ano, ainda segundo Luiza.

Veja Também:  Anime Akira, de 1988, "previu" Olimpíadas de Tóquio sem público

Evolução e punição

A LGPD é responsável por regulamentar a maneira como os dados de pessoas físicas são coletados, utilizados e protegidos no Brasil e entrou em vigor oficialmente em setembro do ano passado .

Às empresas, coube a responsabilidade de se adequarem e garantirem que as diretrizes necessárias fossem postas em prática internamente.

Você viu?

Na era da transformação digital, a computação em nuvem surgiu como resposta para muitas empresas que precisavam encontrar maneiras de lidar com seus dados. Nesse cenário, adotar um serviço de nuvem, seja ela pública ou privada, se tornou premissa básica para muitas organizações.

Para esses dados, também há de ter o mesmo cuidado aplicado em informações internas. Henrique Vaz, CEO da CleanCloud, especializada em segurança da nuvem, explica que a LGPD engloba tanto o uso de infraestruturas internas quanto de serviços terceiros.

“A LGPD engloba a parte legal, como contratos, NDAs e termos de uso, mapeamento de dados, com processos e treinamentos, e a tecnologia, subdividida entre softwares de terceiros e infraestrutura da empresa”, explica ele, em entrevista ao Olhar Digital.

No caso de um vazamento de dados, por exemplo, a empresa que fez a coleta tem sua parcela de responsabilidade no manejo dessas informações, mesmo que quem tenha sofrido o vazamento tenha sido um serviço externo. “Se houver um vazamento de dados da nuvem pública que contenha informações pessoais ou sensíveis conforme definidas pela lei, a empresa estará sujeita às sanções da LGPD”, aponta.

Veja Também:  Facebook libera perfil de Eduardo Bolsonaro e diz que houve engano

Ou seja, para mitigar o risco, empresas que utilizam infraestruturas de nuvem pública ou privada para armazenamento de dados devem ter também o cuidado de garantir que essas informações que não estão ‘dentro de casa’ estejam em consonância com as diretrizes de proteção previstas pela Lei.

“O foco deve ser em assegurar que a configuração da nuvem pública, que estão ligadas com as regras de negócio de cada empresa, estão de acordo com os princípios de proteção de dados estabelecidos pela LGPD”, aponta.

Nesse sentido, é papel das companhias estabelecer uma política de acesso aos dados adequada, bem como a encriptação das informações sensíveis, sugere o executivo.

Eber de Meira Ferreira, advogado especializado em direito civil da Peluso, Stupp e Guaritá Advogados, também com atuação em projetos para a área de Proteção de Dados e Privacidade, destaca que as sanções podem ser aplicadas mesmo nos casos em que não há vazamentos.

“As sanções poderão ser aplicadas pela mera desconformidade ao que disciplina a Lei na forma de tratar os dados pessoais, ainda que não haja a ocorrência de um incidente de vazamento de dados”, comenta, complementando que a chegada das punições decorrentes da LGPD “marca a plena vigência da Lei Geral de Proteção de Dados e deve ser vista como mais um alerta àqueles que ainda não buscaram se adequar às suas exigências”.

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

"2021" QUAIS SÃO AS SUAS EXPECTATIVAS PARA ESTE ANO QUE SE INICIA

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana