conecte-se conosco


Carros e Motos

Hilux brilha e Toyota ultrapassa GM no mercado de picapes

Publicados

em


Toyota Hilux: cabine dupla ou simples, tração 4x2 ou 4x4, câmbio manual ou automático e motor flex ou a diesel
Divulgação

Toyota Hilux: cabine dupla ou simples, tração 4×2 ou 4×4, câmbio manual ou automático e motor flex ou a diesel

O crescimento da Toyota Hilux é uma das novidades do mercado neste começo de ano. Com um ótimo desempenho de vendas em janeiro e fevereiro, a Hilux não apenas aumentou a distância que a separa da Chevrolet S10 como também ultrapassou a picapinha Saveiro, da Volkswagen. No acumulado de 2019, a Hilux vendeu 6.139 unidades, contra 5.777 da Saveiro e 4.090 da S10.

LEIA MAIS: Toyota vence Honda na disputa de longo prazo

Ela só perde para a dupla Strada-Toro, da Fiat, que continua imbatível. O bom desempenho da Toyota Hilux
não é novidade, mas seu crescimento nos últimos meses virou o jogo na tradicional briga entre a Toyota e a GM. Em dezembro do ano passado, a Toyota ultrapassou a GM no mercado de picapes, mas foi por apenas 151 unidades.

Em janeiro, essa diferença subiu para 1.074 e em fevereiro fechou em 975 picapes. Num segmento em que os veículos são caríssimos, a margem de lucro também é maior – e isso amplia o significado da ultrapassagem da Toyota.


Toyota Hilux GR-S: a versão inspirada nas competições off-road é a mais cara da linha e custa quase R$ 207 mil
Caue Lira/iG

Toyota Hilux GR-S: a versão inspirada nas competições off-road é a mais cara da linha e custa quase R$ 207 mil

Há um ano (fevereiro de 2018), a GM ocupava seu tradicional terceiro lugar no segmento de comerciais leves
, com 13,7% do mercado (6.649 unidades), atrás apenas da Fiat e da Volks. A Toyota vinha em quarto, com 10,9% de participação (5.311 emplacamentos). Há um ano, as vendas acumuladas da Hilux eram de 5.085 unidades, contra 4.695 da S10 e 1.953 da Chevrolet Montana. A soma dessas duas é que garantia a posição da GM.

Veja Também:  Tem dúvida entre um Compass Flex e um Compass Diesel? Considere o Subaru XV AWD

Porém, o jogo virou. Agora é a Toyota que tem 13,9% (6.145 unidades), enquanto a GM recuou para 10,9% (10,9%). Enquanto a Toyota cresceu 13,5%, a GM caiu 11%. Isso foi fruto do recuo conjunto da S10 e da Montana.

Hilux é top 4 na América Latina


Hilux 2.8 a diesel: com câmbio manual, ela custa R$ 141 mil, mas com câmbio automático, o preço mínimo é de R$ 161 mil
Divulgação

Hilux 2.8 a diesel: com câmbio manual, ela custa R$ 141 mil, mas com câmbio automático, o preço mínimo é de R$ 161 mil

No Brasil as picapes médias ou grandes nunca obtêm boas posições no ranking geral de vendas. Somente a Fiat Strada (sexta colocada no ranking geral) consegue furar o bloqueio dos dez carros mais vendidos. A Toro também vende bem, mas é apenas a 17ª colocada na classificação. Mais discreta ainda é posição das picapes tradicionais, de porte-maior, com carroceria sobre chassi. Nem a Hilux nem a S10 conseguem ficar entre os 20 veículos mais vendidos. Porém, em outros países é diferente.

LEIA MAIS: Corolla dá uma surra no Civic e faz dobradinha com o RAV4 no ranking mundial

Segundo a empresa de consultoria Focus2Move, a Toyota Hilux é o quarto veículo mais vendido da América Latina. Em 2018, a picape japonesa emplacou 130.197 unidades na região, perdendo apenas para o Chevrolet Onix, o Nissan Versa e o Ford Ka, que são carros muito mais acessíveis. Na Argentina, onde é fabricada, a Hilux já foi líder do ranking de vendas em várias ocasiões.

No Brasil, o crescimento da Hilux coincide com a alta do mercado de comerciais leves, que foi de 12,1% nos dois primeiros meses, em comparação com janeiro e fevereiro do ano passado. Em números exatos, foram 54.179 emplacamentos este ano, contra 48.601 na temporada passada. Preço da Hilux pode chegar a R$ 207 mil

Veja Também:  Ford Corcel GT: o esportivo no estilo nacional

Hilux cabine simples: focada 100% no trabalho, essa picape custa R$ 126 mil e tem tração 4x4
Divulgação

Hilux cabine simples: focada 100% no trabalho, essa picape custa R$ 126 mil e tem tração 4×4

Apesar de seu sucesso de vendas, a Hilux não é nada barata. A Toyota oferece uma gama completa, com cabine simples e cabine dupla
, motor flex 2.7 ou diesel 2.8, tração 4×2 ou 4×4 e câmbio manual ou automático. Quem precisa de uma picape média para trabalho ou viagens, certamente encontra uma. Mas tem que desembolsar uma bela grana. A Hilux mais barata é a 2.7 flex 4×2 com câmbio manual, que custa R$ 111.990. Porém, se passar para a 4×4 automática, o preço dessa picape flex sobe para R$ 142.640.

Esse preço é só um pouco superior ao da versão a diesel mais em conta. Com motor 2.8 e câmbio manual, a Hilux 4×4 diesel custa R$ 141.340. Se quiser câmbio automático, o cliente terá que pagar no mínimo R$ 161.560. A Hilux mais cara é a GR-S, que tem motor 2.8 a diesel, tração 4×4 e transmissão automática de seis velocidades: R$ 206.990. Essa Hilux GR-S foi apresentada no último Salão de São Paulo e faz parte da estratégia da marca de investir em competições off-road na Argentina. Todas essas citadas são cabine dupla.

LEIA MAIS: VW T-Cross vai abalar a prova dos 9 SUVs

Para quem procura uma Toyota Hilux
cabine simples, só para trabalho mesmo, o preço é de R$ 126.320, com motor a diesel. Também existe uma versão só com cabine e chassi, por R$ 122.320. Independentemente do preço, as picapes da Toyota vendem bem também por causa do ciclo Toyota, um financiamento que garante a recompra pelo fabricante com 85% da Tabela Fipe. Agora vamos observar se ao longo do ano a GM vira o jogo com as picapes S10 e Montana ou se a Hilux conseguirá manter a Toyota entre as três marcas mais vendidas no segmento de comerciais leves.

Comentários Facebook
Propaganda

Carros e Motos

Usuários podem realizar diversos serviços do Detran-MT pela internet

Publicados

em

A opção de realizar serviços online é uma forma de evitar o deslocamento desnecessário do cidadão a qualquer unidade da autarquia, especialmente no atual momento de prevenção à propagação do novo coronavírus

Lidiana Cuiabano | Detran-MT

Serviços online no site do Detran-MT – Foto por: Lidiana Cuiabano

Serviços online no site do Detran-MT

Diversos serviços do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT) relacionados a Habilitação e a Veículos podem ser realizados através do site da autarquia (www.detran.mt.gov.br).

A opção de realizar serviços online é uma forma de evitar o deslocamento desnecessário do cidadão a qualquer unidade da autarquia, especialmente no atual momento de prevenção à propagação do novo coronavírus.

Ao entrar no site do Detran-MT, já na página principal, estão disponíveis dois menus: “Consulte Sua Habilitação” e “Consulte Seu Veículo” os quais os cidadãos têm acesso a informações sobre habilitação e o veículo consultado, como infrações em autuação, multa, débito em aberto, além da opção de emissão do licenciamento e Seguro DPVAT.

Ainda na página principal do site, também está disponível o menu “Consulte Sua Infração”, pelo qual é possível consultar a infração, o recurso de infração, recurso de defesa de autuação e demais informações sobre penalidades.

Outro menu disponível no site é o de “Serviços Online”. Ao clicar nele, o usuário consegue ter acesso rápido a serviços de Habilitação como: solicitação de segunda via de CNH, consulta de condutor e pontuação, validação de documento, consulta de turmas de exame teórico, solicitação de CNH definitiva, consulta de taxas de habilitação e recursos de infração, consulta da Permissão Internacional para Dirigir (PID).

Veja Também:  Ford Corcel GT: o esportivo no estilo nacional

Todos os serviços relacionados acima podem ser feitos 24 horas por dia.

Atendimento presencial

O atendimento presencial está sendo realizado exclusivamente para os serviços que não estão disponíveis online. Para tanto, é necessário que o usuário faça o agendamento do seu atendimento através do site do Detran-MT (www.detran.mt.gov.br). O horário para atendimento com agendamento é das 8h às 16h, de forma ininterrupta.

Para agendar, basta acessar o endereço eletrônico do Detran-MT e clicar na mensagem de tela (pop up), que irá direcionar à página de agendamento.

Ao entrar na página, deve preencher o formulário com os seus dados pessoais, escolher a unidade a qual deseja ser atendido e agendar a data e o horário para o atendimento presencial.

São realizados o atendimento presencial por agendamento dos seguintes serviços na área de Veículos: transferência de propriedade, emplacamento, emissão de CRV, segunda via de CRV, mudança de característica de veículo, vistoria, mudança de categoria do veículo, inclusão e baixa de financiamento, substituição, gravação e regravação de motor; gravação e regravação de chassi, comunicação de venda, baixa definitiva, troca de placa para Mercosul, serviços de controle veicular (recebimento e liberação de veículos no pátio), auditoria dos processos, serviços de infrações (recurso de defesa e Jari).

Veja Também:  Audi RS4 Avant: foguete para a família

Já na área de Habilitação podem ser agendados os serviços de: coleta de imagem, primeira habilitação, mudança e adição de categoria, renovação de CNH, alteração de dados, registro de estrangeiro, transferência de UF/Ciretran, retirada de CNH, indicação de real condutor, exames teóricos digitais (com agendamento próprio).

O Detran-MT reforça que, no atendimento presencial, é permitida a entrada somente do usuário com atendimento agendado, utilizando máscara, sendo vedada a entrada de acompanhantes.

Para garantir a segurança dos usuários e servidores, o Detran-MT disponibilizou kit contendo máscara, luva e álcool em gel para todos os servidores, bem como álcool 70% na entrada da unidade de atendimento para os usuários com atendimento agendado. Também está sendo respeitado o distanciamento mínimo para contato entre usuários e servidores.

Fonte Assessoria

 

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

Dicas sobre o compressor do sistema de ar-condicionado automotivo

Publicados

em

Categoria: Dicas/Auto

Um dos sistemas mais requisitados por clientes, quando vão adquirir um automóvel, é que este possua um sistema de climatização. Porém, são poucos motoristas que podem afirmar que possuem conhecimento sobre seu funcionamento. Quando compreendemos as etapas de funcionamento do sistema, temos habilidade para identificar quando este não está em seu melhor desempenho. Este sistema cuida da climatização do automóvel, tornando o ambiente agradável, em dias de muito calor. Mas atua também em outros dias, como em períodos de chuva intensa, pois impede que os vidros e painel fiquem embaçados, além de proibir que poeira e outros componentes presentes no ar.

O ar condicionado pode se apresentar de duas formas: manual ou analógico e digital. Em ambos é possível regular a temperatura em que o ar deve estar quando sair dos tubos de circulação. Os principais componentes deste sistema são: compressor, condensador, mangueiras e tubos. O compressor é responsável por comprimir o que foi retirado do evaporador e enviá-lo para o condensador. O condensador cuida de uma importante mudança, que é referente ao estado físico, pois o gás líquido do sistema se condensa, passando para o estado gasoso e elimina o calor do ar, através dos tubos. As mangueiras permitem que todo o sistema esteja interligado.

Veja Também:  Sedãvendido na China dá pistas de como ficará interior do novo Prisma

Como garantir maior tempo de vida útil para o sistema de climatização do automóvel?

Todos os componentes do sistema possuem uma vida útil, ou seja, a partir de um certo momento estes irão apresentar defeitos. Os carros que foram fabricados recentemente, não sofrem com o problema relacionado a idade. Para que se possa aumentar o tempo de vida útil, principalmente dos sistemas mais antigos, é necessário, em um primeiro momento, observar como está o funcionamento do ar condicionado e seu resfriamento.

1) Cheque todos os componentes, um a um. É comum que o automóvel apresente defeitos como: ventoinha do condensador, vazamento do gás refrigerante e fusíveis queimados, que impedem a circulação do ar. É importante conferir todas as peças pois, em muitos casos, pode-se descobrir fios em má conservação e outros itens que, com uma troca rápida, permitem que o sistema funcione com total eficiência.

2) Realizar manutenção periódica. Toda a tecnologia necessita de manutenção para que continue executando sua função corretamente e a deste sistema deve ser feita a cada seis meses ou a cada 30 mil quilômetros rodados.

3) Higienização. Por estar em constante troca de ar entre os meios, ou seja, do ambiente para o carro e vice-versa, o sistema tem filtros que purificam este ar, retendo poeira, ácaros, fungos e entre outros seres. É necessário higienizá-lo uma vez por ano, podendo trocar o filtro de retenção e realizar limpeza dos tubos.

Veja Também:  T-Cross, o primeiro SUV brasileiro da VW, finalmente chegou

4) Dar partida no automóvel com o sistema desligado. Discute-se que isto não é um problema, porém, carros mais novos possuem um sistema elétrico de proteção que automóveis com mais de dez anos de fabricação não possuem. Iniciando a partida com o sistema em funcionamento, induzirá uma pausa e após algum tempo, voltará a funcionar. Desta forma, exige que o compressor trabalhe mais, o que gera um desgaste em todo o sistema, diminuindo sua vida útil.

Caso apareça algum problema no sistema do ar-condicionado do seu veículo, procure um centro automotivo de confiança, com mecânicos capacitados para identificar qualquer problema que seu carro possa apresentar. Lá, o mecânico pode fazer a substituição do compressor do ar-condicionado com peças que podem ser adquiridas na Loja Online autopecas24.pt ou lojas físicas. Outro ponto importante: a não ser que você possua os conhecimentos necessários para realizar reparos e substituições, não mexa em nada do seu veículo por conta própria.

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

"2021" QUAIS SÃO AS SUAS EXPECTATIVAS PARA ESTE ANO QUE SE INICIA

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana