conecte-se conosco


Saúde

Hospital de diagnóstico de câncer ganha espaço humanizado no Rio

Publicados

em

O Hospital Municipal Jesus (HMJ), especializado em atendimentos pediátricos e referência para o diagnóstico de câncer infantil na rede pública do Rio de Janeiro, inaugurou hoje (22) duas novas salas de exames humanizadas. Com elas, é concluído o projeto de humanização do setor de radiologia daquela unidade, que faz cerca de 50 mil consultas por ano.

O projeto tem a assinatura do artista e arquiteto brasileiro Gringo Cardia e foi viabilizado pelo Instituto Desiderata, organização da sociedade civil de interesse público (Oscip), em parceria com a Chevron Brasil. Os atendimentos no novo espaço serão iniciados ainda este mês.

O secretário municipal de Saúde, Rodrigo Prado, destacou, em entrevista à Agência Brasil, que o ambiente humanizado ajuda a tranquilizar as crianças na hora dos exames. “E até reduz a necessidade de alguns exames das crianças”, disse. Ele considerou fundamental a realização de exames o mais cedo possível “para ter o diagnóstico mais precoce”.

Acrescentou que, ao entrar em um ambiente humanizado e lúdico, “com certeza as crianças vão se sentir bem fazendo exames e aceitando melhor o tratamento”.

O arquiteto Gringo Cardia transformou o setor de exames do HMJ em um ambiente lúdico e agradável, inspirado no fundo do mar. Esse ambiente humanizado permite que exames demorados e que, muitas vezes, exigem procedimentos invasivos, sejam feitos de maneira mais tranquila para acalmar os pacientes.

O setor recebeu também um aparelho telecomandado, doado ao hospital pelo Instituto Fernandes Figueira (IFF) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O equipamento permite a realização de estudos contrastados de maneira dinâmica, em tempo real, possibilitando a aquisição da imagem da escopia, muitas vezes submetendo a criança a uma exposição à radiação menor que a de uma radiografia convencional.

Veja Também:  Covid-19: servidores da saúde com 30 anos recebem 2º reforço no Rio

O HMJ é o único hospital da rede pública municipal a realizar exames contrastados e é referência no atendimento pediátrico, atendendo pacientes de zero a 18 anos.

Águas Vivas e Robôs

Por realizar procedimentos mais demorados e complexos que as demais salas, a nova Sala do Telecomando foi transformada em um universo carregado de luz e movimento, chamado Jardim das Águas Vivas.

Já a Sala de Raios X virou a Sala dos Robôs Abissais. Ali, os equipamentos são representados por robôs subaquáticos, seguindo uma proposta estética similar à da Sala dos Robôs Submarinos, inaugurada em 2020, no mesmo setor. Os equipamentos do hospital fazem um trabalho similar ao dos robôs subaquáticos, que é explorar e diagnosticar o paciente.

A diretora executiva do Instituto Desiderata, Renata Couto, informou que o projeto de humanização de espaço oncológico, tanto de diagnóstico como de tratamento, começou em 2012, no HMJ. Mas, desde 2007, já foram entregues espaços humanizados em mais quatro hospitais públicos do Rio de Janeiro. O 1º Aquário Carioca, sala de quimioterapia pediátrica, por exemplo, foi inaugurado no Hospital Federal dos Servidores do Estado, em 2007.

“A gente faz esse projeto porque tem muita confiança nessa metodologia, porque é um momento muito delicado para as crianças, as famílias e os cuidadores, pela descoberta de um câncer em fase infantil”, explicou.

Para ela, o câncer infanto juvenil tem 80% de chance de cura, embora seja mais agressivo do que o câncer em adultos porque evolui muito rapidamente. “Todo o trabalho do Desiderata é para garantir o diagnóstico precoce. O instituto é uma articulação em rede de vários serviços especializados, gestores de saúde e outras organizações civis para garantir o diagnóstico e o tratamento intenso. Porque o câncer infantil não pode esperar”, especificou.

Veja Também:  Brasil tem 35% mais mortes maternas que as divulgadas oficialmente

Ansiedade

Nos outros espaços que o instituto já tem humanizado, a situação de ansiedade é minimizada. “As crianças se sentem menos ansiosas, com menos medo, têm menos dor. Já há registro, inclusive, do uso de menos anestésicos nesses locais porque, às vezes, só o diagnóstico pode ser um pouco invasivo, tem que colocar um cateter. Essas situações são necessárias, mas elas podem ser amenizadas”, disse Renata.

Segundo a diretora executiva do instituto, os pais e cuidadores relatam também que o espaço humanizado facilita o engajamento das crianças no tratamento, porque elas se sentem mais estimuladas a ir e a frequentar os locais. Do mesmo modo, os profissionais de saúde ficam mais motivados nesses ambientes de trabalho. “A gente só vê resultados positivos e acredita que a saúde deve ser mais acolhedora. Com o público infantil, a gente tem que ter mais cuidado”, observou.

A humanização realizada no HMJ teve aporte de cerca de R$ 400 mil do Instituto Desiderata e Chevron Brasil. Inaugurado em 1935 e localizado em Vila Isabel, zona norte do Rio, o Hospital Municipal Jesus faz parte da estratégia de diagnóstico precoce do câncer infantil “Unidos pela Cura”.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Rio vai paralisar imunização de crianças de 3 e 4 anos contra covid-19

Publicados

em

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro informou hoje (8) que, a partir desta terça-feira (9), a vacinação de crianças de 3 a 4 anos com a primeira dose (D1) contra a covid-19 será paralisada. A interrupção ocorre devido ao Ministério da Saúde não ter enviado doses de CoronaVac solicitadas desde o mês passado pela prefeitura do Rio. Já a aplicação da segunda dose (D2) para este público, prevista para iniciar em 13 de agosto, está garantida com a vacina reservada especificamente para esse fim.

De 15 de julho a 8 de agosto, as unidades da secretaria vacinaram 39.319 crianças de 3 e 4 anos com a primeira dose (D1) da CoronaVac, único imunizante autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso neste público. Quando a imunização desta faixa etária foi aprovada pela agência federal, o município do Rio tinha doses da vacina em estoque, o que permitiu o início imediato da aplicação. Apesar das solicitações de novas doses, neste momento, não há previsão de quando nova remessa será enviada pelo Ministério da Saúde.

Veja Também:  Estudo alerta para urgência de novos tratamentos contra verminoses

Ministério da Saúde

Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que está em tratativas para aquisição do imunizante com maior celeridade, de acordo com a disponibilidade de entrega das doses pelos fornecedores.

Para o estado do Rio de Janeiro, “foram entregues mais de 44,9 milhões de doses de vacina para a campanha contra a covid-19. Destas, mais de 10 milhões de doses são CoronaVac. A pasta reitera a disponibilidade de outras vacinas para o público acima de 5 anos e reforça a necessidade de estados e municípios cumprirem as orientações pactuadas para garantir a imunização da população brasileira”, esclareceu o ministério.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Covid-19: Brasil registra 170 óbitos e 17,4 mil casos em 24 horas

Publicados

em

As secretarias estaduais e municipais de Saúde registraram 17.409 novos casos de covid-19 em 24 horas e confirmaram 170 mortes por complicações associadas à doença em todo o país. Os dados estão na atualização divulgada nesta segunda-feira (8) pelo Ministério da Saúde. Com as novas informações, o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus durante a pandemia já soma 34.035.780.

O número de casos de covid-19 em acompanhamento está em 565.320. A expressão em acompanhamento é usada para designar casos notificados nos últimos 14 dias que não resultaram em alta, nem evoluíram para óbito.

Com os números de hoje, o total de óbitos chegou a 680.166 desde o início da pandemia. Ainda há 3.246 mortes em investigação. As ocorrências envolvem casos em que o paciente faleceu, mas a investigação sobre a causa do óbito ainda demanda exames e procedimentos complementares.

Até agora, 32.790.294 pessoas se recuperaram da covid-19 no Brasil. O número corresponde a 96% dos infectados desde o início da pandemia.

Aos sábados e domingos e nas segundas-feiras, o número diário de casos e mortes registrado tende a ser menor pela dificuldade de alimentação dos bancos de dados pelas secretarias municipais e estaduais de Saúde. Às terças-feiras, o quantitativo, em geral, é maior pela atualização dos casos acumulados nos fins de semana.

Boletim epidemiológico da covid-19 Boletim epidemiológico da covid-19

Boletim epidemiológico da covid-19 – Ministério da Saúde

Veja Também:  Covid-19: Ômicron responde por 96% de amostras analisadas, diz Fiocruz

Estados

Segundo o balanço do Ministério da Saúde, o estado que registra mais mortes por covid-19, até o momento, é São Paulo, com 173.346 óbitos. Em seguida, aparecem Rio de Janeiro, com 75.013; Minas Gerais, com 63.137; Paraná, com 44.645; e Rio Grande do Sul, com 40.549.

O estado com menor número de mortes em consequência da doença é o Acre, que registra 2.021 óbitos, seguido pelo Amapá, com 2.153; por Roraima, com 2.161; pelo Tocantins, com 4.189; e por Sergipe, com 6.419.

Vacinação

Até esta segunda-feira, o vacinômetro do Ministério da Saúde indicava que 469.551.995 doses de vacinas contra covid-19 tinham sido aplicadas no país, desde o início da campanha de imunização.
Destas, 178,5 milhões como primeira dose, 159,6 milhões como segunda e 4,9 milhões como dose única. A dose de reforço já foi aplicada em mais de 103,5 milhões de pessoas e a segunda dose extra, ou quarta dose, em 18 milhões.

O painel registra ainda 4,7 milhões de doses como “adicionais”, que são aquelas aplicadas em quem tinha recebido o imunizante da Janssen, de do

Veja Também:  Covid-19: Estado do Rio tem tendência de queda nos indicadores 

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana