conecte-se conosco


Mato Grosso

Inspirações femininas no esporte mato-grossense

Publicados

em

Rotuladas muitas vezes como ‘sexo frágil’, as mulheres ainda enfrentam adversidades nos dias atuais para adentrar áreas consideradas masculinas, entre elas, o esporte. Uma pesquisa realizada entre 2017 e 2018 pela ONG britânica Women in Sport apontou, por exemplo, que cerca de 40% das atletas femininas entrevistadas sofreram algum tipo de discriminação de gênero.

O estudo ‘Beyond 30 per cent: Workplace Culture in Sport’ (Além dos 30%: A cultura do local de trabalho no esporte, em tradução livre) apenas mostra o que é comum nas quadras de vôlei, basquete, nos tatames e pistas de atletismo de todo o mundo: que as mulheres são exemplos de luta e superação. 

Neste mês em alusão ao Dia Internacional da Mulher, a Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT) buscará histórias que marcaram o esporte mato-grossense e são sinônimo de orgulho para a população. Na avalição do secretário da pasta, o deputado estadual Allan Kardec, o incentivo ao esporte, principalmente entre as mulheres, é sem dúvida um projeto importante de governo. “Esporte é saúde, qualidade de vida, também traz oportunidades a jovens de vários níveis sociais, temos que incentivar sim”.

 Karine Gomes, basquetebol 

O esporte está na vida de Karine Gomes desde a infância. Já aos 13 anos participava de seu primeiro campeonato brasileiro de basquetebol e na sequência foi selecionada para a equipe da Ponte Preta na categoria infanto-juvenil. Foi campeã mato-grossense, representando Cuiabá por 11 anos. Também já representou as equipes de Miracema (RJ), Flamengo (RJ) e Unimed Araçatuba (SP).

Em 2012 assumiu a presidência da Federação Mato Grossense de Basketbal e atualmente ocupa a função de conselheira da Confederação Brasileira de Basketball (CBB). Mãe do Luiz Guilherme e do Cauã, é advogada e assessora jurídica. A atleta e advogada já treinou com grandes nomes do basquetebol feminino, como Paula, Hortência, Helen e Ruth, essa última de Guiratinga. Mais do que inspiração, a oportunidade de treinar com essas renomadas esportistas trouxe um estímulo a mais em sua carreira no basquete.

Quando foi presidente da Federação Mato-grossense, Karine era a única mulher presidente de federação de basquete no país. Segundo ela, essa baixa inserção feminina no comando de entidades representativas poderia ser mudada caso houvesse mais incentivos, tanto na melhor divisão de tarefas dentro de casa quanto por meios de iniciativas das próprias instituições. “Ainda há poucos estímulos e muitas cobranças quando a mulher prioriza qualquer coisa que não seja a casa e os filhos”. 

Karine vê poucas mulheres inseridas no contexto macro do esporte –  especialmente como lideranças – acredita que isso não seja uma peculiaridade do basquete, mas um fator cultural. “Sempre que eu chegava em uma Assembleia Nacional, as recepcionistas perguntavam quem da Federação eu estava representando”, exemplifica. 

Mas ela alcançou o ‘empoderamento’ encarando as barreiras que se apresentaram em sua vida e aproveitando as oportunidades. “Tive resistir muito mais que os jogadores homens, mas sempre quis fazer as escolhas com equilíbrio e a enfrentar as cobranças, porque sei que sou exemplo a muitas outras mulheres que buscam aliar a prática do esporte ao papel de mãe e profissional.”

Veja Também:  Isolamento obrigatório: quase 100% dos empresários de MT relatam prejuízos

 Luzia Fernandes, jiu jitsu 

Luzia Fernandes, atleta de jiu Jitsu e professora de luta olímpica na Escola Arena Pantanal, ostenta uma coleção de medalhas que dá orgulho a todos os mato-grossenses, homem ou mulher. No Jiu Jitsu, foi quatro vezes campeã mundial e 17 vezes campeã brasileira. E no judô, Luzia conquistou duas vezes o ouro na competição pan-americana, uma vez na sul-americana de judô e cinco vezes na competição nacional. 

Suas vitórias mais recentes foram no Campeonato Sul-Brasileiro de Jiu-Jitsu, realizado em fevereiro deste ano, sendo campeã nas provas com Kimono e sem Kimono.

Por ser um esporte em que há predominância masculina, Luzia conta que as mulheres que praticam jiu-jitsu sofrem um pouco pelo preconceito, principalmente com as brincadeiras que costumam ouvir. “São alguns embaraços desnecessários. Mas acho que estamos conseguindo conquistar nosso espaço”, comenta a esportista.

Comparado a outros Estados, em Mato Grosso a presença de mulheres praticando Jiu Jitsu ainda é pequena. Mas a atleta ressalta que houve um crescimento do interesse das mulheres pelo jiu-jitsu. “Percebo que cresceu a participação feminina. Na academia que faço parte, por exemplo, há mulheres que praticam para serem competidoras e outras que fazem por hobby”.

Na Escola Estadual Governador José Fragelli, a escola na Arena Pantanal, em que Luzia dá aulas de wrestling (luta olímpica) há uma boa participação na modalidade e até algumas conquistas. “No ano passado,  conseguimos classificar alguns alunos para o brasileiro estudantil, sendo que maioria é formada por meninas e voltamos de lá com duas medalhas de segundo e uma de terceiro lugar”, comemora.

Independentemente do gênero, Luzia constuma passar a seus alunos que para alcançar resultados tudo deve ser feito sempre com muito amor e dedicação. Como muitos alunos, inclusive as mulheres, se inspiram em seu trabalho, Luzia faz o possível para dar bons exemplos dentro e fora do tatame.

Maria Aparecida Lima, atletismo 

Única mato-grossense a competir nas Olimpíadas na modalidade atletismo feminino, Maria Aparecida Souza De Lima participou dos Jogos Olímpicos de Atlanta 96 na prova de salto triplo. Natural de São José dos Quatro Marcos, interior de Mato Grosso, Cida, como é conhecida, é recordista brasileira no salto em distância e recordista brasileira e sul-americana em salto triplo.

Para a atleta, as conquistas femininas em competições nacionais e internacionais têm ajudado a aumentar a participação de mulheres no atletismo. “O atletismo é uma modalidade individual, em que sua performance só depende de você e da sua força de vontade. Quando mulheres do esporte se destacam,  outras se inspiram e acreditam mais em suas potencialidades”.

Veja Também:  Prefeitura de Denise é alertada para prazo mínimo em editais

Esposa do atleta também renomado Vicente Lenilson e mãe de dois meninos, Pedro e Davi, Cida fala da importância de incentivar a prática de esportes desde a infância. Ela, que recebeu o apoio quando criança, destaca que isso ajuda a fazer do esporte uma vivência, mesmo que haja barreiras no cotidiano.  “Fui atleta dos nove anos aos 33 anos. Hoje com 47 anos se eu parar o corpo sente, pois o esporte sempre fez parte da minha vida”. 

Suas referências no atletismo são as também mato-grossenses Lissandra Maysa e Renatha Neves. “Queremos, juntas,  construir uma história e garantir a representatividade feminina no esporte em Mato Grosso, Brasil e no mundo”.

 Melissa de Arruda, voleibol 

Melissa Prudêncio de Arruda começou a praticar voleibol aos 13 anos. Aos 15 chegou a ser pré-convocada para a seleção brasileira de vôlei de quadra, na categoria infantil, mas sua pouca estatura impediu que o chamamento se concretizasse.

Nem por isso a atleta abandonou o esporte. Melissa fez parte da seleção mato-grossense nas categorias infantil e juvenil. Nesse período alcançou, inclusive, o título de campeã brasileira junto com a equipe.

Uma outra mulher, a sua irmã Maira, foi sua inspiração para começar a jogar voleibol. “Minha irmã iniciou no esporte quatro anos antes de mim. Eu era muito nova, acompanhava ela nos jogos e ficava maravilhada com tudo, ela me inspirou”.

Alguns anos depois, de inspiradora a irmã passou a ser sua parceira. “Conseguimos jogar juntas, formar a parceria e alcançar alguns títulos pro Estado”, conta Melissa. Elas formaram dupla de vôlei de praia e foram, durante 13 anos consecutivos, campeãs do circuito mato-grossense. Melissa e Maira foram também a única dupla feminina a representar Mato Grosso no Circuito Banco do Brasil de Vôlei de Praia ou em outras competições nacionais.

Na opinião de Melissa, nos últimos anos houve um grande evolução na participação das mulheres no voleibol, mas se for comparar com a participação masculina ainda há muito que avançar. “No vôlei e também nas demais modalidades esportivas ainda somos minoria”, enfatiza.

As conquistas da seleção brasileira feminina de voleibol foram essenciais para incentivar outras meninas na prática do esporte, segundo Melissa. Ela acredita que isso ajudou a aumentar a participação feminina no esporte em Mato Grosso e em todo o país. 

O incentivo da família e bolsas de estudo ajudaram Melissa a superar as dificuldades e continuar a praticar o esporte. Hoje, mãe de Gabriel e Maria – que é portadora síndrome de down, a esportista enfrenta com gratidão as complexidades que a fazem ficar afastada do voleibol por alguns períodos. Mas segue vencendo as barreiras, lutando como uma mulher, e sendo exemplo de vida para muitas outras.

Comentários Facebook
Propaganda

Mato Grosso

100 dias de trabalho, trabalho e muito trabalho

Publicados

em

Nos primeiros 100 dias de gestão da Mesa Diretora (biênio 2021/2022) conseguimos dar o pontapé inicial na nossa missão: garantir o direito de cada vereador de legislar e fiscalizar e a execução de trabalhos que possibilitam aproximação da Casa com a população cuiabana.
Logo que começamos as atividades analisamos o que estava em andamento, recebemos as demandas e traçamos uma linha de trabalho que pudéssemos efetivar nosso planejamento.
Primeiro, pensamos em dar continuidade a algumas ações que já estavam engatilhadas da última gestão, como a realização do concurso público para suprir a vacância de vagas no quadro de servidores do Legislativo. A medida atende a uma recomendação do Tribunal de Contas do Estado e do Ministério Público Estadual. Vale ressaltar que o concurso não trará gastos ao Legislativo.
Nos próximos dias, vamos disponibilizar à população o novo sistema que vai permitir que o cidadão acompanhe em tempo real todo o processo legislativo e ainda sugerir indicações aos vereadores, o No Paper. Ao adotar esta ferramenta tecnológica, a Câmara de Cuiabá vai ser referência neste quesito no Centro Oeste, pois este processo eletrônico vai aumentar o controle dos atos parlamentares e vai incentivar a participação popular, resultando em maior visibilidade e credibilidade ao trabalho parlamentar.
Além disso, estamos dialogando com instituições para firmar parcerias para melhorar as atividades parlamentares. Por exemplo, com a Federação do Comércio de Bens Serviços e Turismo de Mato Grosso (Fecomércio), para implantação do sistema Renalegis (Rede Nacional de Assessorias Legislativas). A ferramenta vai monitorar a tramitação de projetos de interesse das categorias do setor produtivo da Capital, a medida vai contribuir no debate com o segmento e nas proposituras que tramitam nesta Casa.
Na última semana, assinei o termo de adesão ao Programa de Desenvolvimento Institucional Integrado, o PDI, do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso. O projeto irá colaborar na transparência e na entrega de serviço de mais qualidade para sociedade cuiabana.
Recebemos nos últimos meses representantes das Câmaras Municipais do Estado para troca de experiências. Costumo dizer, que vereador é igual em todos os municípios do Brasil, as dificuldades e as intenções são as mesmas.
Também durante esse período defendi a participação do legislativo cuiabano no processo de troca de modal. Eu defendo a conclusão do VLT. As obras já iniciaram na Capital, mais de R$ 1 bilhão já foram investidos e não vejo motivos para não concluir o modal. O sistema é moderno, Cuiabá não pode ficar de fora dessa modernidade. A decisão que trocou o modal não teve a participação do Legislativo cuiabano, isso é muito ruim. Queremos estar  nas discussões também, os vereadores estão mais próximos do povo e precisa ter acesso às informações e colaborar na escolha.
Pandemia – Quando fui eleito presidente sabia do desafio que estava por vir, principalmente pela situação delicada que vivemos por conta da pandemia do coronavírus. A cidade ainda enfrenta os reflexos desse momento sombrio.
A Câmara Municipal de Cuiabá tem trabalho para colaborar no enfrentamento à pandemia. Uma das primeiras medidas adotadas foi a criação de uma comissão especial para acompanhar o processo de vacinação contra covid-19 na capital. O grupo tem feito um trabalho colaborando no aprimoramento da campanha municipal de imunização.
Além disso, aprovamos, em regime de urgência especial, importantes projetos para o enfrentamento à doença como o Projeto de Lei que dispõe sobre penalidades para quem descumprir as medidas contra a covid-19, a proposta que autoriza Cuiabá a participar do Consórcio de municípios para compra da vacina e a matéria que nasceu nesta Casa que pune quem furar a fila prioritária de imunização.
Na Câmara, nos últimos três meses, adotamos medidas importantes para proteger os vereadores, servidores e população que frequenta esta Casa. Revogamos os pontos facultativos do Carnaval e suspendemos as atividades presenciais como forma de enfrentamento ao contágio do vírus.
Temos trabalhado insensatamente, sou o primeiro a chegar e o último sair da Câmara. A nossa meta é fazer o melhor por Cuiabá e para nossa população. A intenção é aproximar o Legislativo do povo para que Câmara de Cuiabá seja conhecida como a “Casa do Povo Cuiabano”. A população cuiabana pode esperar desta gestão muito mais dedicação e trabalho, trabalho e muito trabalho.
Juca do Guaraná Filho é presidente da Câmara Municipal de Cuiabá
Fonte: Assessoria

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Veja Também:  Investimentos em trechos sob concessão ultrapassam os R$ 160 milhões em 2019
Continue lendo

Mato Grosso

Sistema Penitenciário adquire 20 mil testes para detectar casos de Covid-19

Publicados

em

São testes rápidos de sangue (IGG e IGM) e o SWAB (RT-PCR), adquiridos em parceria com o GMF e o Concep, para aplicar nos servidores e reeducandos, conforme demanda

Juliano Patrick | Sesp-MT – Foto por: Asessoria/Sesp-MT

A Adjunta de Administração Penitenciária (SAAP) da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), adquiriu 20 mil novos testes rápidos de sangue (IGG e IGM), além do antígeno por SWAB (RT-PCR). A aquisição foi feita por meio de parceria com o Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário de Mato Grosso (GMF) e o Conselho de Execuções Penais de Cuiabá e Várzea Grande (CONCEP).

Os testes possuem rapidez e eficiência no diagnóstico clínico do coronavírus (Covid-19), e poderão ser realizados nos servidores das unidades penais, assim como nos reeducandos. Dessa forma, medidas de isolamento e tratamento poderão ser iniciadas imediatamente, a fim de evitar a propagação do vírus, contribuindo com as medidas de controle da pandemia dentro do Sistema Penitenciário.

Os trabalhos de testagens entre os servidores penitenciários que apresentam suspeitas de contaminação ou sintomas são realizados diariamente por uma equipe de saúde da SAAP, junto ao setor de Gestão de Pessoas da Sesp-MT. Além disso, os testes são aplicados nos trabalhadores que circulam pelas unidades penais, ou em atividades de saída e retorno para unidades de origem.

Já entre os reeducandos, os testes serão utilizados nas situações de acolhimentos dos novos ingressos no Sistema Penitenciário do Estado, e também em casos suspeitos nas unidades. 

Em Cuiabá, desde o momento em que estão no Fórum, as pessoas que são atendidas pela Audiência de Custódia e têm a decisão de privação de liberdade já são recebidas por uma equipe de profissionais que fazem o acolhimento psicossocial e de saúde, observando os sinais vitais e testagem rápida. Logo após esse atendimento, a pessoa privada de liberdade é encaminhada ao Centro de Ressocialização de Várzea Grande (CRVG), onde passa a ser monitorada por 14 dias, antes de ser encaminhada para a respectiva unidade que cumprirá a pena.

Já em Várzea Grande, a audiência de custódia ocorre na modalidade virtual, mediada pela unidade prisional, na qual o recém-chegado também é testado, atendido e monitorado por 14 dias por uma equipe de saúde.

Segundo a coordenadora de Saúde do Sistema Penitenciário, Lenil Figueiredo, os testes são aliados importantes na prevenção e contenção dos efeitos do vírus. “É uma medida que visa detectar possível contaminação de servidores e recuperandos, possibilitando ações rápidas para controlar a disseminação do vírus e tratar imediatamente a doença”.

Testagens e casos confirmados

Desde o início da pandemia até o dia 07 de abril de 2021, Mato Grosso apresenta 752 casos de Covid-19 confirmados entre os servidores, 1.287 testados negativos, 35 aguardam o resultado do exame, 671 curados e 13 óbitos.

Já entre os reeducandos, são 2.482 casos confirmados, 2.402 curados, 6.026 testados negativos, 48 aguardam o resultado do exame e quatro óbitos.

(Sob supervisão da jornalista Nara Assis)

 

Veja Também:  Vacina contra a covid-19 será distribuída para MT em janeiro, confirma governador

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

"2021" QUAIS SÃO AS SUAS EXPECTATIVAS PARA ESTE ANO QUE SE INICIA

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana