conecte-se conosco


Policial

Investigação da Polícia Civil apura que explosivos estavam clandestinamente em garimpo 

Publicados

em


Raquel Teixeira/Polícia Civil-MT 

A Polícia Civil em Guarantã do Norte já realizou diversas oitivas que possam esclarecer as circunstâncias da explosão que ocasionou a morte de duas pessoas e ferimentos graves em outras três, em um garimpo do município, no dia 20 de agosto. Foram ouvidos trabalhadores que estavam no local e apurada a informação de que os explosivos apreendidos tinham outro destino e estavam no garimpo clandestinamente. 

O delegado que preside o inquérito, Victor Hugo Caetano Freitas, está reunindo informações e laudos técnicos para esclarecimento da explosão e as responsabilidades sobre o incidente e o material explosivo encontrado no local. Foram apreendidos pela Polícia Civil 300 quilos de emulsão de dinamite e mais de mil metros de cordel detonante no garimpo. 

Conforme a apuração realizada até o momento, as pessoas que estavam no garimpo no momento da explosão manuseavam um solvente inflamável (Thinner) para apagar os códigos de rastreio que constam nas emulsões e nos cordéis detonantes. Os códigos são obrigatórios em todo material explosivo e servem para rastrear a carga desde a origem até o destino final do material  que tem o uso controlado pelo Exército Brasileiro.

Veja Também:  Polícia Civil cumpre buscas contra suspeito de perseguir ex-esposa através de software espião

A investigação apurou que a supressão dos códigos foi feita para evitar que o material fosse rastreado e pudesse, assim, ser vendido no mercado clandestino. “As cargas de dinamite não deveriam estar em Guarantã, foram movimentadas clandestinamente. O rastreio desse tipo de carga tem uma rota  traçada, não pode ser desviada”, explicou o delegado Victor Hugo. 

Explosão 

O atrito entre o solvente e o cordel ocasionou a explosão, contudo, estas informações serão confirmadas com o laudo da Perícia Oficial do Estado. Duas ou três bananas de dinamite também explodiram e as pessoas que estavam mais próximas do material sofreram os danos fatais. O cordel é flexível, com um núcleo de material explosivo, e pode ser utilizado para iniciar explosivos como reforçadores, encartuchados e bombeados e como linha mestra para iniciar detonadores não elétricos. 

Morreram na explosão a empresária Daniella Trajano Dalffe, de 28 anos, e presidente de uma cooperativa de garimpeiros, Mário Lucier Caldeira, de 49 anos. Outras três pessoas sofreram lesões graves e queimaduras. 

O delegado Victor Hugo ressalta que se houvesse a explosão das emulsões de dinamite, a tragédia poderia ser de maiores proporções. “O cordel é um material mais sensível e no atrito com o solvente químico houve a reação. Ocorreu a explosão de duas ou três dinamites, mas se houvesse explodido mais, teria ocorrido uma hecatombe”, afirmou. 

Veja Também:  Três delegadas são homenageadas em amostra que celebra a presença feminina nos 300 anos de Cuiabá

Relatórios do Exército Brasileiro sobre o rastreio do material explosivo e o da Gerência de Operações Especiais (GOE), da Polícia Civil, sobre a detonação da dinamite e dos cordéis, serão anexados ao inquérito policial e vão subsidiar a investigação. 

Na próxima semana, o delegado vai ouvir o proprietário da empresa que comercializou o material explosivo e uma das pessoas que estava presente no local no momento da explosão.  

Detonação 

Uma equipe da Divisão Antibombas, da GOE, foi a Guarantã do Norte no dia seguinte, após a explosão no garimpo, para fazer a detonação do material apreendido pelas equipes policiais. 

Após levantamento criterioso do material e de procedimentos de segurança para que as equipes policiais pudessem dar continuidade às diligências investigativas no garimpo, a equipe da GOE fez a  detonação, com segurança, dos 300 quilos das emulsões de dinamite e dos cordéis, em uma área na região rural de Guarantã do Norte.

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
Propaganda

Policial

PMMT faz visita técnica na Brigada Militar do Rio Grande do Sul para modernizar atendimento da Corregedoria

Publicados

em


O corregedor-adjunto da Polícia Militar de Mato Grosso, tenente-coronel Dionys Almeida de Lavor, juntamente com o major Everaldo Silva Filho e equipe da Coordenadoria de Tecnologia da Informação, realizaram uma visita técnica à unidade da Corregedoria-Geral da Brigada Militar do Estado do Rio Grande do Sul, na última quarta-feira (15.09), em Porto Alegre. 

Na oportunidade, a comitiva da Corregedoria-Geral da PMMT pode conhecer práticas inovadoras realizadas pela Brigada Militar, como a integração entre sistemas gerenciais da corporação com a Justiça Militar Estadual. A comitiva da PMMT foi recepcionada pelo Corregedor-Geral da Brigada Militar, coronel Robinson Vargas de Henrique e sua equipe de oficiais, que destacou a importância da troca de conhecimentos e experiências entre as duas instituições militares.  

O corregedor-adjunto da PMMT, tenente-coronel Lavor, destaca que o objetivo principal é o conhecimento do sistema eletrônico de instrução de processos e procedimentos utilizado pela Brigada Militar, que possibilitará a substituição do processo físico online, o que otimizará a condução dos feitos. 

“Essa visita é enriquecedora, o objetivo da PMMT é modernizar todos os procedimentos ‘zero papel’, como bem frisou nosso comandante-geral, coronel Jonildo José Assis, quando nos designou para essa missão. Ganharemos em agilidade em todos os sentidos, pois a ideia é desenvolver um sistema gerencial de processos e procedimentos, integrado com os sistemas da PMMT e do Poder Judiciário Estadual, como já ocorre na Corregedoria-Geral da Brigada no Rio Grande do Sul”, ressalta o tenente-coronel.  

Veja Também:  Operação cumpre 13 buscas e prende 10 pessoas em Barra do Bugres

Além de conhecer os sistemas gerenciais da Brigada Militar, os policiais militares de Mato Grosso puderam trocar experiências com o Departamento Administrativo e Departamento de Informática da Brigada. 

 

Fonte: PM MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

PM flagra suspeitos com 5 kg de maconha em Querência

Publicados

em


Nesta sexta-feira (17), policiais da 19ª Companhia Independente de Polícia Militar prenderam um homem de 18 anos e apreenderam um adolescente de 15 anos por tráfico de entorpecentes, em Querência. Na ação, foram apreendidos cinco quilos de maconha.  

Após denúncia anônima via 190, de acordo com o boletim, dois adolescentes estariam transportando drogas em uma motocicleta na Rodovia MT-242, entre os municípios de Querência e Canarana. Em averiguação pelo local, os policiais se depararam com uma motocicleta estacionada com as mesmas características e os dois indivíduos sentados em um bar. 

Na abordagem aos suspeitos, a PM encontrou em uma bolsa vermelha foram encontrados cinco tabletes de maconha e uma porção de maconha. Os suspeitos, relataram à PM que estavam transportando a droga para a cidade de Canarana. 

Diante do fato, o menor foi apreendido, e foi dada voz de prisão ao outro suspeito. A ocorrência foi entregue para a Polícia Judiciária Civil.

Fonte: PM MT

Comentários Facebook
Veja Também:  Dois autores de violência doméstica tem prisões cumpridas pela Polícia Civil em Poconé
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA ATÉ O MOMENTO A GESTÃO DR. DIVINO PREFEITO DE BARRA DO BUGRES ESTÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana