conecte-se conosco


Política Nacional

Lula deixa sede da PF em Curitiba e chega a SP para ir a velório de neto

Publicados

em


Lula deixa carceragem da PF em Curitiba para ir ao velório do neto em São Bernardo do Campo, em São Paulo
Reprodução/Globo News

Lula deixa carceragem da PF em Curitiba para ir ao velório do neto em São Bernardo do Campo, em São Paulo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deixou a sede da Polícia Federal em Curitiba, onde cumpre pena, às 7h deste sábado (2), para ir ao velório do neto, Arthur Lula da Silva, de 7 anos, em São Paulo. Arthur morreu nesta sexta-feira (1º) vítima de meningite meningocócica, e será velado em São Bernardo do Campo.

Leia também: Justiça autoriza ida de Lula ao velório do neto, mas deslocamento será em sigilo

Lula
 saiu da sede da Políica Federal em um helicóptero da Polícia Civil e seguiu para o Aeroporto do Bacacheri, também na capital paranaense, e embarcou em uma aeronave do governo do Paraná. O avião decolou do terminal aéreo perto das 7h20 e já chegou em São Paulo. O velório do corpo de Arthur acontece no Cemitério Jardim da Colina.

A juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal em Curitiba
, autorizou ontem o ex-presidente a deixar a carceragem para comparecer ao velório do neto. A decisão está em segredo de Justiça e não será divulgada por motivos de segurança. Cabe à PF escoltar o ex-presidente até o local do velório e do sepultamento.

Veja Também:  Líderes pedem a Bolsonaro para ser “garoto propaganda” da reforma da Previdência

Leia também: Neto de Lula morre de meningite meningocócica na Grande São Paulo

No pedido de autorização para o petista
deixar a prisão, feito no início da tarde, os advogados do ex-presidente argumentaram que a Lei de Execução Penal prevê que presos deixem a prisão para comparecer ao velório de parente próximos.

Ele está preso desde 7 de abril do ano passado por ter sua condenação confirmada pelo Tribunal Regional Federal (4ª Região), que impôs pena de 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP).

Em janeiro, o ex-presidente
 pediu autorização para sair da prisão e comparecer ao velório do irmão, Genival Inácio da Silva, conhecido como Vavá, que morreu em decorrência de câncer no pulmão. No entanto, o pedido foi negado pela juíza federal Carolina Lebbos. A decisão foi confirmada pelo desembargador federal Leandro Paulsen, do TRF-4.

Leia também: Defesa de Lula protocola perícia para tentar anular sentença do caso do sítio

Mais tarde, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, aceitou recurso da defesa e autorizou a saída de Lula
, mas o ex-presidente não concordou com as condições impostas na decisão, que determinava que o ex-presidente poderia se encontrar com os parentes, mas em um quartel das Forças Armadas. A decisão de Toffoli também foi tomada só após o velório de Vavá. 

Veja Também:  Rose de Freitas pede união do Plenário para a defesa da pauta das mulheres

* Com informações da Agência Brasil.

Comentários Facebook
Propaganda

Política Nacional

STF suspende lei que aumentava publicidade das três esferas de governo

Publicados

em

Por

Por maioria de 7 a 4, o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem (1º) suspender os efeitos de uma lei que flexibilizava as restrições legais sobre os gastos com publicidade institucional pela administração pública durante ano eleitoral.

Sancionada em maio deste ano, a lei questionada alterava a Lei das Eleições para mudar o critério de cálculo do limite de gastos com publicidade de órgãos públicos federais, estaduais e municipais durante o primeiro semestre dos anos eleitorais.

No julgamento, prevaleceu o entendimento do ministro Alexandre de Moraes, para quem a flexibilização dos limites de gastos com publicidade poderia desequilibrar a disputa eleitoral, favorecendo os candidatos à reeleição.

Seguindo esse entendimento, o plenário aprovou a concessão de uma liminar (decisão provisória) determinando que a nova legislação passe a ter efeito somente após as eleições de outubro deste ano, em obediência ao princípio constitucional da anualidade eleitoral.

A lei em questão foi questionada no Supremo em duas ações diretas de inconstitucionalidade (ADI´s). Além da anualidade eleitoral, as peças mencionam violação aos princípios constitucionais da moralidade pública e da isonomia e segurança jurídica.

Veja Também:  Frente parlamentar quer dar mais atenção à sustentabilidade e ao licenciamento ambiental

“A expansão do gasto público com publicidade institucional às vésperas do pleito eleitoral poderá configurar desvio de finalidade no exercício de poder político, com reais possibilidades de influência no pleito eleitoral”, afirmou Moraes em seu voto. Ele alegou ainda riscos à liberdade do voto ao pluralismo político, princípios também previstos na Constituição.  

Moraes seguiu parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR), segundo o qual “qualquer aumento do limite de gastos com publicidade institucional, ocorrido há menos de um ano das eleições, tem o potencial de alterar o equilíbrio preestabelecido entre os candidatos”.

Voto vencido

A divergência de Moraes foi acompanhada pelos ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Rosa Weber. Ficaram vencidos o relator, Dias Toffoli, e os ministros Luiz Fux, Nunes Marques e André Mendonça.

Em seu voto vencido, Toffoli havia considerado que as mudanças promovidas pela nova legislação não teriam impacto sobre as eleições, pois não permitiriam a “utilização da publicidade institucional em benefício de partidos e candidatos, limitando-se a alterar os critérios de aferição da média de gastos efetuados sob essa rubrica, além de prever índice de correção monetária e permitir a realização de propaganda direcionada à pandemia da COVID-19 sem prejudicar outras campanhas de interesse público”.

Veja Também:  Confira todos os pareceres aprovados na semana pelas comissões da Câmara

Pela redação antiga, tal limite seria de três vezes a média de gastos no primeiro semestre dos três anos anteriores. Na nova legislação, a limitação havia passado a ser a média mensal, multiplicada por seis, dos valores empenhados e não cancelados nos três anos que antecedem ao pleito, incluindo reajuste monetário pela inflação.

Além disso, a lei suspensa isentava os gastos com publicidade relacionada à pandemia de covid-19 dos limites impostos pela legislação eleitoral.

Edição: Claudia Felczak

Fonte: EBC Política Nacional

Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Eleições 2022: restrições para agentes públicos começam a valer hoje

Publicados

em

Por

Restrições para servidores públicos e pré-candidatos às eleições de outubro passam a valer a partir de hoje (2), três meses antes do primeiro turno. 

As medidas estão previstas na Lei nº 9.504/1997, conhecida como Lei das Eleições, e objetivam manter o equilíbrio entre os candidatos. 

Políticos estão proibidos de autorizar a veiculação de publicidade estatal sobre os atos de governo, realização de obras, campanhas de órgãos públicos federais, estaduais e municipais, exceto no caso de grave e urgente necessidade pública. Nesse caso, a veiculação deverá ser autorizada pela Justiça Eleitoral. 

Eles também não podem fazer pronunciamento oficial em cadeia de rádio de televisão, salvo em casos de questões urgentes e relevantes, cuja autorização também dependerá de autorização da Justiça Eleitoral.  

A participação em inaugurações de obras públicas também está vedada, além da contratação de shows artísticos com dinheiro público. 

Durante o período eleitoral, funcionários públicos não podem ser contratados, demitidos ou transferidos até a posse dos eleitos. 

No entanto, estão liberadas a exoneração e a nomeação de cargos em comissão e funções de confiança, além das nomeações de aprovados em concursos públicos homologados até 2 de julho de 2022. 

Veja Também:  Rose de Freitas pede união do Plenário para a defesa da pauta das mulheres

Em julho, o calendário eleitoral também prevê outras datas importantes para o pleito. 

De 20 de julho até 5 de agosto, os partidos deverão realizar suas convenções para escolher oficialmente os candidatos que vão disputar as eleições. 

A partir do dia 20, candidatos, partidos políticos, coligações e federações terão direito à solicitação de direito de resposta por afirmações consideradas caluniosas, difamatórias ou sabidamente inverídicas que forem publicadas por veículos de comunicação social. 

O primeiro turno será realizado no dia 2 de outubro, quando os eleitores vão às urnas para eleger o presidente da República, governadores, senadores, deputados federais, estaduais e distritais. Eventual segundo turno  para a disputa presidencial e aos governos estaduais será em 30 de outubro. 

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Política Nacional

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana