conecte-se conosco


Tecnologia

Meta é processada nos EUA por rastrear dados de saúde de pacientes

Publicados

em

Meta é processada nos EUA
Unsplash/Dima Solomin

Meta é processada nos EUA

A Meta, controladora do Facebook, Instagram e WhatsApp, está sendo processada junto a diversos hospitais nos Estados Unidos por compartilharem dados sensíveis de saúde dos pacientes. De acordo com o The Verge, duas ações coletivas foram movidas contra a gigante de tecnologia.

Os processos são referentes à ferramenta de rastreamento Meta Pixel da empresa. O recurso pode ser instalado em sites para fornecer análises de anúncios do Facebook e do Instagram. Uma vez instalada, a ferramenta coleta informações das pessoas que visitam os sites.

Em junho, uma investigação do The Markup revelou que 33 dos 100 maiores hospitais dos Estados Unidos utilizam Meta Pixel em seus sites, permitindo a coleta de dados dos pacientes. Dentre as informações rastreadas, estão consultas médicas, alergias a medicamentos e outros dados sensíveis relacionados à saúde.

Em um dos processos contra a Meta, uma paciente afirma ter tido suas informações médicas coletadas. Depois, ela começou a receber anúncios direcionados às suas condições cardíacas e do joelho.

De acordo com uma lei estadunidense de privacidade médica, dados relacionados à saúde só podem ser compartilhados por oganizações de saúde com o consentimento dos titulares dos dados. Os hospitais, porém, não cumpriram essa lei antes de enviar as informações para a Meta.

A empresa afirma que exige que os sites que usam o Meta Pixel tenham o direito de compartilhar os dados, mas os processos alegam que a Meta não aplica essas políticas na prática.


Fonte: IG TECNOLOGIA

Comentários Facebook
Propaganda

Tecnologia

Facebook e Instagram rastreiam usuários quando eles clicam em links

Publicados

em

Meta rastreia usuários
Unsplash/Dima Solomin

Meta rastreia usuários

O navegador próprio do Instagram e do Facebook consegue rastrear dados completos dos usuários, de acordo com uma análise do pesquisador Felix Krause.

Quando um usuário clica em qualquer link no aplicativo do Instagram ou do Facebook, ele não é redirecionado para outros navegadores, como o Safari ou o Google Chrome, mas permanece em um navegador interno à rede social em questão. É justamente nessa página que a Meta consegue rastrear dados dos usuários.

“O aplicativo do Instagram injeta seu código de rastreamento em todos os sites exibidos, inclusive ao clicar em anúncios, permitindo que eles monitorem todas as interações do usuário, como todos os botões e links tocados, seleções de texto, capturas de tela, bem como quaisquer entradas de formulário, como senhas , endereços e números de cartão de crédito”, afirma Krause. Sua análise foi feita nos aplicativos para iOS.

Ao The Guardian, a Meta admitiu que usa o código para rastrear usuários, mas disse que não viola as regras da App Store de segurança dos usuários e que dados como senhas e números de cartão só são salvos se o usuário optar pelo preenchimento automático.

Krause defende que a Meta não conseguiria ter esse nível de rastreamento dos usuários se os sites fossem acessados em outros navegadores. Segundo ele, em outros navegadores, a empresa não conseguiria adicionar o rastreador em qualquer site seguro. Já na própria plataforma, a ferramenta “funciona para qualquer site, independentemente de estar criptografado ou não”.

O pesquisador sugere que Instagram e Facebook ofereçam aos usuários a opção de abrir links nos navegadores de sua preferência.

Fonte: IG TECNOLOGIA

Comentários Facebook
Continue lendo

Tecnologia

CEO do Telegram culpa Apple por demora em atualização ‘revolucionária’

Publicados

em

Telegram ficou com atualização
Unsplash/Christian Wiediger

Telegram ficou com atualização “presa” na App Store, diz CEO

Não é novidade que a App Store tem um processo de revisão de aplicativos rigoroso. Mas, para Pavel Durov, fundador e CEO do Telegram, esse processo é rigoroso demais. Ele reclama que a próxima versão do app, que irá “revolucionar a forma como as pessoas se expressam em mensagens”, só não foi liberada ainda por ter ficado “presa” na Apple por duas semanas.

Durov não explica o que a nova versão tem de revolucionária. Na verdade, o texto que o empresário publicou nesta semana, usando o próprio Telegram, serve para criticar abertamente o que ele chama de “monopólios da tecnologia”.

O fundador do Telegram afirma que a próxima atualização do aplicativo ficou presa por duas semanas no processo de revisão da App Store, sem que alguém da empresa fornecesse uma explicação para tamanha demora. Em seu entendimento, essa falta de comunicação não só é revoltante, como causa prejuízo.

“Se o Telegram, um dos 10 aplicativos mais populares do mundo, está recebendo esse tratamento, só podemos imaginar as dificuldades experimentadas por desenvolvedores de aplicativos menores. Não é apenas desmoralizante: isso causa perdas financeiras diretas a centenas de milhares de aplicativos móveis em escala global”, escreveu Durov.

Veja Também:  Procon-SP notifica Google sobre proteção de celular em caso de roubo

O executivo também afirma que esse prejuízo se soma à taxa de 30% que Apple e Google cobram em compras realizadas dentro de aplicativos distribuídos em suas lojas.

Na mesma mensagem, Durov reconhece que a União Europeia e outros países estão investigando essas lojas, mas afirma que “os danos econômicos infligidos pela Apple na indústria de tecnologia não serão recuperados”.

Não é a primeira crítica de Durov à Apple

O CEO do Telegram tem um histórico de atritos com a Apple. Em maio de 2018, por exemplo, Durov reclamou que a companhia deixou de atualizar o aplicativo após o governo da Rússia determinar o bloqueio do Telegram.

Na ocasião, o governo russo pediu ajuda da Apple para bloquear o app, mas a companhia foi além: em vez de restringir o acesso ao Telegram somente no Rússia, o fez no mundo todo. O aplicativo não chegou a ser removido da loja, mas ficou algumas semanas sem ser atualizado. O problema foi resolvido alguns dias depois da crítica.

Veja Também:  Anatel abre consulta pública para padronizar carregadores de celular

Em meados de 2020, Durov voltou a reclamar da Apple. Ele criticou a famigerada taxa de 30% da App Store e as políticas da loja que, naquela época, fizeram o aplicativo do Telegram ficar dias sem atualização. A novela se repete agora. Apple e Telegram foram procuradas pelo The Verge para comentar o caso mais recente, mas não deram retorno.

Fonte: IG TECNOLOGIA

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana