conecte-se conosco


Agronegócio

MILHO/CEPEA: Preços voltam a subir

Publicados

em

Cepea, 1º/08/2022 – As cotações do milho voltaram a subir em muitas regiões, como no estado de São Paulo, segundo dados do Cepea. O aumento está atrelado às recentes altas do mercado internacional, à maior demanda externa pelo cereal brasileiro e aos baixos estoques de compradores domésticos. Diante disso, os produtores se retraíram das vendas envolvendo grandes lotes, na expectativa de obter maior receita nos próximos períodos. Na região de Campinas (SP), o Indicador ESALQ/BM&FBovespa subiu 3,58% entre 22 e 29 de julho, a R$ 82,93/sc nessa sexta-feira, 29. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Veja Também:  Câmara dos Deputados retira PL da taxação do milho
Propaganda

Agronegócio

Com demanda superior à oferta, preços da laranja seguem em alta

Publicados

em

Mesmo com as mudanças de temperatura durante esta semana, que poderiam ter influenciado o consumo, a demanda por laranjas permaneceu superior à oferta. Diante disso, os preços da fruta seguem em alta.

De segunda a quinta-feira (15-18), a laranja pera teve preço médio de R$ 37,15/cx de 40,8 kg, na árvore, com aumento de 0,67% em comparação com o da semana passada. Para a lima ácida tahiti, os valores também seguem em elevação. Nesta semana, a tahiti tem média de R$ 45,55/cx de 27 kg, colhida, aumento de 9,74% frente à do período anterior.

Além da baixa oferta devido ao próprio calendário da colheita da fruta, alguns compradores ainda têm relatado dificuldades para encontrar lotes de boa qualidade.

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Veja Também:  Exportação de carne suína começa março em ritmo acelerado
Continue lendo

Agronegócio

Custos de produção da suinocultura aumentaram em julho

Publicados

em

Conforme a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, em Santa Catarina, principal estado produtor, no mês passado o custo de produção da suinocultura aumentou em 2,8% em comparação com o mês de junho, passando para  R$ 7,55 por quilo do animal criado em sistema completo. 

Essa alta tem como base a alteração do cálculo, que passou a contabilizar os gastos com transporte de alimentação animal, além da correção de valores dos investimentos imobilizados em edificações e equipamentos, que pesou sobre os custos fixos.

Com o ajuste nos valores dos investimentos somada  à redução de 1,68% nas despesas com alimentação, o indicador de custos da avicultura de corte no Paraná fechou o mês com baixa de 0,36%, a R$ 5,45 por quilo do frango produzido em aviário climatizado em pressão positiva.Porém, em 12 meses, o índice ainda acumula alta, de 5,3%.

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Veja Também:  Câmara dos Deputados retira PL da taxação do milho
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana