conecte-se conosco


Agronegócio

MILHO/RETRO 2018: Clima prejudica produção em 2018, preço interno sobe e exportação cai

Publicados

em

Clique aqui e baixe release completo em word.

Cepea, 10/01/2019 – O mercado de milho em 2018 foi marcado pela forte queda na produção nacional, resultado da menor produtividade no campo, que, por sua vez, foi prejudicada pelo clima, de acordo com dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. A menor oferta sustentou os preços domésticos na maior parte do ano, reduzindo a competitividade do cereal no mercado externo, contexto que limitou as exportações do milho. Em termos globais, também houve redução na oferta.

 

Em janeiro/18, o estoque inicial da safra 2017/18 era o maior da história, de 17,2 milhões de toneladas. Essa previsão de maior disponibilidade pressionou as cotações no final da temporada passada, o que acabou influenciando na decisão do produtor de reduzir a área com o milho de verão. Segundo dados da Conab, a área da temporada de verão 2017/18 caiu 7,3% e a produtividade, 5,1%, resultando em produção de 26,81 milhões de toneladas, volume 12% inferior ao da safra anterior.

 

Após o semeio de milho da segunda safra ter sido concluído de forma satisfatória no primeiro trimestre, a estiagem de abril a maio em praças de Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo prejudicou o desenvolvimento das lavouras, contexto que deixou agentes incertos quanto à produção. De acordo com a Conab, a produção nacional de segunda safra se consolidou em 53,97 milhões de toneladas, redução de mais de 19% em relação à temporada anterior, devido às quedas de 15,2% na produtividade e de 4,6% na área. Com isso, a produção total foi de 80,78 milhões de toneladas, 17% abaixo à temporada anterior, segundo a Conab.

 

Nesse mesmo período – especificamente em maio –, a greve dos caminhoneiros trouxe incertezas quanto aos valores dos fretes. Todo esse cenário limitou as negociações envolvendo milho e elevou os preços. Assim, no balanço do primeiro semestre, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP) subiu 9,5%, com média de R$ 38,65/saca de 60 kg no período, 23% acima da observada na primeira metade de 2017, em termos nominais.

Veja Também:  Brasil é a aposta do mundo para garantir segurança alimentar

 

No segundo semestre, produtores/vendedores, atentos à menor produção, postergaram ao máximo as negociações do cereal, à espera de preços maiores. Esse fato somado às valorizações do dólar frente ao Real, em decorrência do cenário político, impulsionaram com força os valores do milho em agosto. Já em setembro e outubro, no entanto, o avanço da colheita e a consequente maior disponibilidade pressionaram as cotações do cereal. 

 

No último bimestre do ano, os preços retomaram o movimento de alta, principalmente nas regiões consumidoras, influenciados pela maior demanda para reposição de estoques e pela posição retraída de vendedores. No segundo semestre de 2018, a média do Indicador foi apenas 1,1% inferior à do primeiro semestre, mas 30% superior à observada na segunda metade de 2017, em termos nominais.

 

No acumulado do ano, o Indicador subiu 15,3%, a R$ 38,93 no dia 28 de dezembro. Na média das regiões acompanhas pelo Cepea, houve aumento de 23,7% no mercado de balcão e de 19,5% no de lotes.

 

Na média do ano, os preços brasileiros estiveram cerca de 20% superiores aos norte-americanos e 4% acima dos argentinos. Essa menor competitividade do milho brasileiro no mercado internacional influenciou na queda das exportações na safra 2017/18.

 

Além dos preços elevados no mercado interno, disputas internacionais entre os Estados Unidos e a China elevaram a atratividade da soja brasileira, fazendo com que tradings optassem por exportar a oleaginosa – e isso deslocou o volume armazenado de milho para o mercado interno. 

Veja Também:  Corredor estratégico da Região Leste, MT-158 não recebe investimentos necessários

 

No início da safra, a Conab estimava que as exportações na temporada 2017/18 (de fevereiro/18 a janeiro/19) atingissem 30 milhões de toneladas. Porém, ao longo da safra, as estimativas foram reajustadas, passando para 23 milhões de toneladas atualmente. Segundo dados da Secex, de fevereiro/18 a dezembro/18, as exportações brasileiras somam 20,89 milhões de toneladas, 24,99% abaixo do volume do mesmo período de 2017.

 

Caso as atuais estimativas da Conab se concretizem, o estoque final da safra 2017/18 (final de janeiro/19) devem atingir 15,9 milhões de toneladas. Apesar de ser 8% menor em relação à temporada anterior, ainda é considerado um estoque confortável em termo de abastecimento interno para o período de entressafra.

 

Em termos mundiais, a produção na safra 2017/18 é estimada em 1,07 bilhão de toneladas, quantidade 4,1% inferior à anterior, segundo o USDA. Nos Estados Unidos, principal produtor mundial do cereal, a produção foi de 370,96 milhões de toneladas, queda de 3,6% em relação ao ano anterior.

 

O consumo da temporada foi estimado pelo USDA em 1,08 bilhão de toneladas, aumento de 0,2% em relação à safra anterior. As transações internacionais são estimadas em 151 milhões de toneladas, incremento de 6,6% em relação à temporada passada. Os Estados Unidos seguem como principal exportador mundial do cereal, seguido pelo Brasil, Argentina e Ucrânia. Assim, o estoque mundial atingiu 340,2 milhões de toneladas, quantidade 2,9% inferior à da temporada passada. 

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações podem ser obtidas por meio da Comunicação do Cepea: (19) 3429 8836 / 8837 e [email protected]

Comentários Facebook
Propaganda

Agronegócio

Agricultores iniciam colheita de pluma de algodão em Mato Grosso

Publicados

em

Por

Os agricultores começaram a colher algodão em pluma, uma das culturas cultivadas em Mato Grosso. Nesta safra, a área plantada aumentou para 1,18 milhão de hectares e, em 2021, foram plantados 960 mil hectares.

A produção deve ser de 278 arrobas de algodão em caroço por hectare, apenas um arroba a mais em relação à temporada do último ano.

No entanto, como a área é grande, o volume de algodão colhido deve crescer e ficar próximo de 5 milhões de toneladas, cerca de um milhão a mais que no ano passado.

Na primeira safra, plantada em dezembro, os resultados são bons, enquanto a segunda safra, plantada em janeiro logo após a colheita da soja, não teve o mesmo efeito. O algodão foi cultivado durante o que foi considerado uma boa estação, mas o clima não colaborou com os produtores.

Em uma fazenda em Novo São Joaquim, a 487 quilômetros de Cuiabá, o resultado foi diferente nesta temporada. Segundo o gerente local, Jackson Ferreira, o algodão colhido ocupa 3.000 hectares, 15% a mais que na safra passada.

Veja Também:  Aprosoja-MT apresenta propostas para desburocratização e melhorias de processos fiscais e tributários da SEFAZ

No início do ciclo, o clima afetou o crescimento da safra e a taxa média de produção foi de 5% em relação ao ano anterior.

“No ano passado choveu muito durante a janela de plantio e não executamos dentro do ideal. Já neste ano a chuva foi muito boa e conseguimos plantar dentro da janela. Durante o ciclo da cultura a chuva foi bem distribuída, mas a safrinha recebeu bem menos volume. Isso vai afetar um pouco na produtividade do algodão. Esperávamos colher 250 arrobas, mas vai chegar no máximo 230 arrobas”, disse Jackson.

Em uma fazenda em Campo Verde, a 139 quilômetros de Cuiabá, a colheita já começou. Segundo o agricultor Rodolfo Bertani Lopes da Costa, foram plantados mais de 1.500 hectares, sendo 580 em dezembro e o restante no mês seguinte.

“Esse ano choveu antes. Eu terminei o plantio do algodão safrinha em 20 de janeiro. Então foi dentro da janela e, com o preço do algodão, resolvemos aumentar as áreas de sarfinha. Só que tivemos um corte de chuva antecipado e isso ocasionou perda e a perspectiva de produção foi reduzida. A gente esperava produzir 120 arrobas de pluma e agora a produção vai ser por volta de 80 arrobas de pluma por hectare. Este ano estamos trabalhando com 40% de algodão safra e 60% de safrinha”, concluiu.

Veja Também:  Corredor estratégico da Região Leste, MT-158 não recebe investimentos necessários

Fonte: Agroplus.tv  

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Exportações de grãos da Ucrânia caem 40% em maio

Publicados

em

Por

As exportações de grãos da Ucrânia tiveram uma queda de 40% na primeira quinzena de junho, se comparada ao mesmo período de 2021, com 613 mil toneladas.

O país embarcava até 6 milhões de toneladas de grãos por mês, antes da invasão russa, que teve início no final do mês de fevereiro, desde então, os volumes diminuíram para cerca de 1 milhão de toneladas.

Isso porque a Ucrânia costumava exportar a maior parte dos seus produtores por portos marítimos e agora foi forçada a fazer o transporte de grãos por meio de trens pela fronteira ocidental.

Fonte: Agroplus.tv

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Veja Também:  O Boletim do Suíno de março está disponível no site!
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana