conecte-se conosco


Saúde

Museu da Vida lança websérie sobre importância da vacinação infantil

Publicados

em

A websérie Invasores, que conta a história de um campeonato de videogame no qual o inimigo é um vírus e, ao mesmo tempo, busca chamar a atenção das crianças para a importância da vacinação, foi lançada nesta terça-feira (19) no YouTube do Museu da Vida Fiocruz. As duas equipes que se enfrentam têm o desafio de salvar o planeta Terra de uma invasão mas, durante a disputa, precisam se unir para combater um inesperado vírus que entra no sistema e que existe também no mundo real. Trata-se de um morbillivírus, capaz de causar doenças em animais e seres humanos, entre as quais o sarampo.

A ideia da websérie Invasores surgiu em 2018, quando voltaram ser registrados casos de sarampo no Brasil. Naquele ano, a bióloga Priscila Born, que na época concluía doutorado em medicina tropical no Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), procurou a atriz e diretora teatral do Museu da Vida Fiocruz, Letícia Guimarães, e propôs a criação de uma peça sobre vacinação que acabou se transformando na websérie.

A redução do número de crianças vacinadas contra sarampo no Brasil levou o país a perder, em 2019, o certificado de país livre da doença.

Veja Também:  Ministério viabiliza reajuste de salário para agentes de saúde

Invasores tem sete episódios, nos quais aborda o tema com humor e muitos efeitos sonoros e visuais, além de divulgar informações validadas por consultores científicos da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A trama toca em pontos sensíveis associados à vacinação, como o movimento antivacina, as fake news (notícias falsas), a cobertura vacinal e o sistema imunológico.

Momento especial

O chefe do Museu da Vida Fiocruz, Héliton Barros, disse hoje à Agência Brasil que o lançamento da série marca um momento especial para os funcionários da unidade. “Nós temos aqui como missão despertar o interesse, promover o diálogo público entre ciência, tecnologia e saúde. Nossa missão é muito associada à missão da própria Fiocruz.”

Barros lembrou que o museu tem uma longa história de artes cênicas. “O teatro sempre esteve presente aqui no Museu da Vida. Então, associar ciência e arte está no nosso DNA. Está desde o início, até antes da fundação do museu, quanto ainda era um projeto”.

Ele disse que a série nasceu como uma peça de teatro, mas, por causa da pandemia de covid-19, não foi possível levá-la ao palco. “Então, a gente se aventurou por novas linguagens. Ela [websérie] marca a nossa primeira grande produção audiovisual. Estamos muito felizes. É um momento muito especial: vai ser a primeira de muitas, eu tenho certeza. Teremos muitas novidades pela frente”, prometeu Héliton Barros.

Veja Também:  Problemas no coração afetam 134 mil pessoas em Mato Grosso

Escolas

O Museu da Vida Fiocruz pretende levar a websérie Invasores, dirigida por Letícia Guimarães e com roteiro de Livs, às escolas brasileiras e de outros países de língua portuguesa, além de preparar material com conteúdo extra, ao qual os professores terão acesso e que poderá ajudá-los a explorar melhor os temas em sala de aula. A obra deverá ainda ganhar legendas em inglês e espanhol, o que permitirá ampliar ainda mais seu alcance.

Estão no elenco os atores Vanu Rodrigues, Ricardo Lopes, Luiz Paulo Barreto, Hugo Germano, Pablo Aguilar, Gustavo Ottoni e Gé Lisboa. Invasores tem como patrocinadores master Ternium, IBM e Janssen e recebeu apoio financeiro da TechnipFMC, da White Martins, do Rio Galeão, da Schott, da Fresenius, da Amil, da Bayer, da Abbott e da EDF Norte Fluminense, além de copatrocínio de Dataprev, Naval Group e Siemens, informou a Fiocruz.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Rio vai paralisar imunização de crianças de 3 e 4 anos contra covid-19

Publicados

em

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro informou hoje (8) que, a partir desta terça-feira (9), a vacinação de crianças de 3 a 4 anos com a primeira dose (D1) contra a covid-19 será paralisada. A interrupção ocorre devido ao Ministério da Saúde não ter enviado doses de CoronaVac solicitadas desde o mês passado pela prefeitura do Rio. Já a aplicação da segunda dose (D2) para este público, prevista para iniciar em 13 de agosto, está garantida com a vacina reservada especificamente para esse fim.

De 15 de julho a 8 de agosto, as unidades da secretaria vacinaram 39.319 crianças de 3 e 4 anos com a primeira dose (D1) da CoronaVac, único imunizante autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso neste público. Quando a imunização desta faixa etária foi aprovada pela agência federal, o município do Rio tinha doses da vacina em estoque, o que permitiu o início imediato da aplicação. Apesar das solicitações de novas doses, neste momento, não há previsão de quando nova remessa será enviada pelo Ministério da Saúde.

Veja Também:  Covid-19: SP começa a aplicar quarta dose de vacina em idosos

Ministério da Saúde

Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que está em tratativas para aquisição do imunizante com maior celeridade, de acordo com a disponibilidade de entrega das doses pelos fornecedores.

Para o estado do Rio de Janeiro, “foram entregues mais de 44,9 milhões de doses de vacina para a campanha contra a covid-19. Destas, mais de 10 milhões de doses são CoronaVac. A pasta reitera a disponibilidade de outras vacinas para o público acima de 5 anos e reforça a necessidade de estados e municípios cumprirem as orientações pactuadas para garantir a imunização da população brasileira”, esclareceu o ministério.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Covid-19: Brasil registra 170 óbitos e 17,4 mil casos em 24 horas

Publicados

em

As secretarias estaduais e municipais de Saúde registraram 17.409 novos casos de covid-19 em 24 horas e confirmaram 170 mortes por complicações associadas à doença em todo o país. Os dados estão na atualização divulgada nesta segunda-feira (8) pelo Ministério da Saúde. Com as novas informações, o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus durante a pandemia já soma 34.035.780.

O número de casos de covid-19 em acompanhamento está em 565.320. A expressão em acompanhamento é usada para designar casos notificados nos últimos 14 dias que não resultaram em alta, nem evoluíram para óbito.

Com os números de hoje, o total de óbitos chegou a 680.166 desde o início da pandemia. Ainda há 3.246 mortes em investigação. As ocorrências envolvem casos em que o paciente faleceu, mas a investigação sobre a causa do óbito ainda demanda exames e procedimentos complementares.

Até agora, 32.790.294 pessoas se recuperaram da covid-19 no Brasil. O número corresponde a 96% dos infectados desde o início da pandemia.

Aos sábados e domingos e nas segundas-feiras, o número diário de casos e mortes registrado tende a ser menor pela dificuldade de alimentação dos bancos de dados pelas secretarias municipais e estaduais de Saúde. Às terças-feiras, o quantitativo, em geral, é maior pela atualização dos casos acumulados nos fins de semana.

Boletim epidemiológico da covid-19 Boletim epidemiológico da covid-19

Boletim epidemiológico da covid-19 – Ministério da Saúde

Veja Também:  Problemas no coração afetam 134 mil pessoas em Mato Grosso

Estados

Segundo o balanço do Ministério da Saúde, o estado que registra mais mortes por covid-19, até o momento, é São Paulo, com 173.346 óbitos. Em seguida, aparecem Rio de Janeiro, com 75.013; Minas Gerais, com 63.137; Paraná, com 44.645; e Rio Grande do Sul, com 40.549.

O estado com menor número de mortes em consequência da doença é o Acre, que registra 2.021 óbitos, seguido pelo Amapá, com 2.153; por Roraima, com 2.161; pelo Tocantins, com 4.189; e por Sergipe, com 6.419.

Vacinação

Até esta segunda-feira, o vacinômetro do Ministério da Saúde indicava que 469.551.995 doses de vacinas contra covid-19 tinham sido aplicadas no país, desde o início da campanha de imunização.
Destas, 178,5 milhões como primeira dose, 159,6 milhões como segunda e 4,9 milhões como dose única. A dose de reforço já foi aplicada em mais de 103,5 milhões de pessoas e a segunda dose extra, ou quarta dose, em 18 milhões.

O painel registra ainda 4,7 milhões de doses como “adicionais”, que são aquelas aplicadas em quem tinha recebido o imunizante da Janssen, de do

Veja Também:  Brasil recebe mais 2,1 milhões de doses de vacinas da Pfizer

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana