conecte-se conosco


Mulher

Não é só a Kate Middleton: especialista ensina a lidar com birra

Publicados

em

source
Príncipe Louis fazendo birra no jubilei da Rainha
REPRODUÇÃO/RECORD NEWS

Príncipe Louis fazendo birra no jubilei da Rainha

Durante o jubileu da Rainha Elizabeth, um vídeo da Duquesa de Cambridge Kate Middleton sofrendo com a birra do filho mais novo Louis ganhou o mundo. E a solidariedade dos pais, afinal, qual pai e mãe nunca enfrentou uma situação assim?

De acordo com a especialista em desenvolvimento infantil integrativo Aline de Rosa, o comportamento é comum, não importa se você é da realeza ou não. “Todo pai e mãe vai ter diante de si uma criança que se comporta mal, que tem explosões emocionais, que bate, que morde, que rouba o baldinho da outra criança no parquinho, que fura fila e que conta mentirinhas”, diz. Segundo Aline, isso tudo faz parte do desenvolvimento infantil, aquilo que é visto como um terror, a birra – um processo muitas vezes visto como humilhação e vergonha para os pais – é na verdade um sinal de que a criança está se desenvolvendo de forma saudável.

A especialista explica que a primeira coisa para encarar a situação é, ao invés de ter medo e raiva da birra, encarar esse momento como uma oportunidade tanto para os pais desenvolverem suas capacidades de educação, quanto para as crianças aprenderem novas ferramentas de autocontrole e autoconhecimento, aprenderem a identificar seus sentimentos, a responder a eles de uma forma positiva e respeitosa.

Segundo Aline de Rosa, um mito que existe em torno da birra é que se os pais souberem educar direito, a criança vai ser obediente e comportada. “A famosa criança boazinha que não faz birra, e isso não existe. Esse conceito é irreal e impossível de ser alcançado. Encarar a birra dessa forma prática, objetiva e realista, traz muita leveza para todos os pais que estão diante de crianças enfrentando desafios com o sentimento e comportamento”, explica.

O que está por trás desse comportamento

Mas afinal, se ela é comum, o que significa essa explosão emocional, essa raiva exacerbada e descontrole comportamental? De acordo com a especialista, significa que a criança está experimentando situações e sentimentos pela primeira vez. “As crianças ainda não têm todos os seus processos cognitivos e neurológicos amadurecidos, então ela ainda tem dificuldades físicas e até mesmo biológicas de exercer autocontrole sobre aquilo que ela sente”, diz.

Aline explica que, basta outra criança empurrar ela mais forte no parquinho para ela sentir uma raiva imensa e esse sentimento transbordar num empurrão, numa mordida ou num grito. Ela não tem o filtro que nós adultos já temos desenvolvido ‘Nossa ele me empurrou, me machucou, vou respirar e vou ver o que eu faço, se foi sem querer, se foi de propósito, que resposta eu dou?’. A criança não tem essa pausa, ela não tem esse processo neurológico plenamente desenvolvido, isso ela só alterará em torno dos 21 a 25 anos.

Veja Também:  Horóscopo do dia: previsões para 29 de abril de 2022

Ainda há um longo caminho para que ela percorra por esse processo de amadurecimento neurológico até conseguir entender seus sentimentos e pensar em respostas positivas. Apesar do amadurecimento só chegar ali em torno dos 21 a 25 anos, a gente precisa ensinar habilidades para elas terem repertório. Esse repertório precisa ser aprendido pelos pais, para que, então, possa ser ensinado para as crianças.

Principe Louis
Reprodução/Instagram

Birra do príncipe Louis virou meme


Para ajudar os pais no dia a dia, a especialista listou  7 orientações práticas para usar nessas situações.

Nunca eduque na hora da crise : A primeira orientação prática para você mudar o seu comportamento na hora da birra é nunca eduque a criança na hora da crise. Na hora da raiva, na hora do medo, que ela está gritando e se jogando no chão, esperneando, essa não é a hora de usar o seu raciocínio lógico de querer explicar para ela o que está acontecendo. Nesse primeiro momento, ela precisa ser acalmada, então nesse primeiro passo acalme a criança.

 Acolha o sentimento : O segundo passo é acolher o sentimento. É importante separar o que é sentimento do que é a atitude, a criança tem todo o direito como qualquer ser humano de sentir raiva, medo, ciúme, alegria e entusiasmo. Todos os sentimentos fazem parte da vida humana e ela sentir medo é absolutamente natural, porém, ela bater no amigo porque ela sentiu medo, é desrespeitoso. Na educação da criança, é fundamental que o adulto faça essa distinção do sentimento e atitude, porque, primeiro a gente acolhe o sentimento e depois a gente educa a atitude. Para acolher o sentimento, você vai abraçar, vai perguntar se ela quer contar até 10, se ela quer tomar um copo de água, o que quer que seja que a acalme e a faça respirar mais profundo, é a hora de fazer!

Escute ativamente : O terceiro passo não é você falar sobre regras e limites, a gente ainda está na etapa inicial da birra, a da conexão com a criança. Você vai escutar ativamente como a criança se sente, o porquê dela ter feito o que fez e o que a motivou a se comportar dessa forma. Escute ativamente, sem julgamentos, não importa o que você pense, deixe a criança desabafar e falar.

Veja Também:  Mulheres inspiradoras: coreógrafa ensina sobre autocuidado através da dança

Repita o que a criança falou : Ainda na etapa de conexão, você vai repetir o que a criança falou em outras palavras. Essa é uma forma maravilhosa de fazer a criança se acalmar e perceber que você está entendendo o que ela está narrando, ‘Você ficou chateado porque o seu amigo esbarrou em você, derrubou o seu caderno no chão e ele não pediu desculpas? Ah, entendi’. Então você faz o que a gente chama de parafrasear a criança, isso faz com que ela se sinta aberta para te ouvir e ela vai pensar ‘Nossa, meu pai e minha mãe estão entendendo exatamente o que aconteceu’, e quando você se sente acolhido e conectado a criança, aí ela estará aberta para ouvir a parte dos limites, das regras.

Lembre a regra, nunca dê sermão : Agora sim, é a hora de trabalhar os limites. Você vai relembrar a regra dizendo algo do tipo ‘Eu entendi que você sentiu raiva e é absolutamente normal, a mamãe também sente raiva, mas quando isso acontece, bater no seu amigo e empurrar ele não é a forma que você vai resolver isso, esse é um comportamento desrespeitoso’ agora sim, você relembra os valores e as regras. O mais importante é, nada de ser mão, não é para ficar horas falando sobre limites, pois a criança só vai fingir que está te ouvindo. A criança não é educada com sermão, então seja objetivo. Foque em solução : O sexto passo é focar numa solução. Foque no que a gente pode fazer, tire a mente da criança do problema, se não, ela não consegue sair do problema, sem a sua ajuda. O objetivo é no que, na prática, você pode fazer para resolver o problema gerado.

Nunca compare : A sétima orientação é, nunca compare uma criança com a outra. Isso não é respeitoso e cada criança é uma, você desrespeita a individualidade dela, e ao invés de a encorajar, na verdade você gerará mais raiva, ciúme e sensação de insuficiência na criança. Então ao falar sobre a criança, compare ela com ela mesma e nunca com outro.

Agora você pode acompanhar todos os conteúdos do iG Delas pelo nosso canal no Telegram. Clique no link para entrar no grupo . Siga também o perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Propaganda

Mulher

CUFA distribui alimentos para Mães da Favela

Publicados

em

Por

Nas etapas anteriores, foram mobilizados mais de R$ 870 milhões, impactando na vida de 16 milhões de brasileiros.
Redação EdiCase

Nas etapas anteriores, foram mobilizados mais de R$ 870 milhões, impactando na vida de 16 milhões de brasileiros.

A Central Única das Favelas lançou a terceira fase do programa Mãe da Favela, projeto que irá distribuir cestas básicas às famílias chefiadas por mães solos, moradoras de favelas. O projeto foi criado durante a pandemia, como forma de combater as desigualdades sociais acentuadas pela Covid19. 

“Nenhum ato é mais solidário do que impedir que um irmão ou irmã passe fome. Precisamos quebrar de vez esse ciclo de violência chamado fome. Muitas dessas pessoas são mulheres que chefiam sozinhas seus lares. Por isso, além das empresas, contamos muito com as pessoas da sociedade civil que podem doar nesse momento. As doações delas também foi muito importante nas outras fases”, explicou a presidente nacional da CUFA, Kalyne Lima.

Segundo dados do IBGE, o número de desempregados ultrapassou os 15,2 milhões de brasileiros no primeiro trimestre de 2021. Além disso, no mesmo ano, o Brasil também retornou ao mapa da fome. São 116,8 milhões de pessoas vivendo em situação de insegurança alimentar, de acordo com a Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional.

Nesta nova fase, a CUFA também pretende distribuir gratuitamente botijões de gás aos moradores de favelas. Essa ação é uma parceria com a Petrobras. A distribuição de itens de higiene e kits de utensílios do lar para as pessoas afetadas pelas fortes chuvas, que já atingiram várias cidades do país, neste ano também será uma prioridade para a organização. 

“A vacinação avançou, a economia está sendo retomada aos poucos, mas pandemia deixou sequelas graves nas favelas. São 33 milhões brasileiros passando fome. Precisamos reverter esse quadro, e esperamos contar com as mais de 150 empresas que nos apoiaram nesta luta nos outros anos, e com a sociedade civil, que também foi muito importante”, disse o presidente nacional da CUFA, Preto Zezé.

Veja Também:  Veja como escolher os móveis para a sala de estar

Agora você pode acompanhar todos os conteúdos do iG Delas pelo nosso canal no Telegram.  Clique no link para entrar no grupo. Siga também  o perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Empreendedoras criam espaço de beleza especial para mulheres negras

Publicados

em

Por

Espaço foca em tranças e penteados afros
Foto: Divulgação

Espaço foca em tranças e penteados afros


Carolina Pinto passou anos em busca de salões de trança que tivessem um espaço sofisticado, com atendimento qualificado e em local de fácil acesso, porém, nunca conseguiu encontrar um local com esses três pilares. Após uma experiência ruim, decidiu que iria abrir o próprio salão, com objetivo de trazer uma nova experiência de serviço e atendimento em um espaço sofisticado para as mulheres, especialmente negras. Tudo sem esquecer de suas raízes. Junto com sua sócia, Taynara Alves, a empreendedora inaugurou o RAS, um salão de luxo especializado em tranças e penteados afros.

Lançado em dezembro de 2021, o salão tem um espaço sofisticado e inovador no mundo das tranças, que vai muito além de ser apenas um espaço bonito. Com cadeiras confortáveis e estrutura para home office, o salão é funcional e ideal para receber clientes durante seus dias de folga, como em dias de trabalho.

“Mulheres negras têm o direito de serviços de luxo pensados para elas, com os melhores ambientes, tratamentos e produtos. Queria desmitificar a ideia de o que é direcionado para esse público, deve ser de baixa qualidade, ou pouco sofisticado. Tranças e penteados afros são sinônimo de respeito e luxo”, ressalta Carolina.


As empreendedoras pensaram em conjunto em padronizar todos os processos do salão, para que pudessem oferecer um serviço de qualidade a todos os clientes. As empreendedoras tinham como ideia mostrar que esse é um nicho que deve ser valorizado, não só pelo contexto histórico, mas também, por ser um mercado rentável que ainda pode ser muito explorado.

“Quero normalizar o luxo na vida das pessoas negras! Nós somos descendentes de reis e rainhas, o luxo está presente na nossa vida desde o começo do mundo. Está na hora de fazermos esse resgate do espaço ao qual sempre pertencemos”, explica Taynara.

Agora você pode acompanhar todos os conteúdos do iG Delas pelo nosso canal no Telegram. Clique no link para entrar no grupo . Siga também o perfil geral do Portal iG .

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana