conecte-se conosco


Agronegócio

O arábica de Minas Gerais impulsionou as negociações de café em outubro

Publicados

em

O mercado de café no Brasil teve um bom desempenho em outubro, com um aumento significativo nas negociações do café arábica, em especial o de Minas Gerais, segundo pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

A crescente atividade de negociações foi motivada pelo aumento expressivo dos preços do café arábica, tanto no mercado interno quanto no mercado externo.

No início do mês, o café arábica estava sendo comercializado a valores ligeiramente superiores a R$ 800,00 por saca de 60 kg, um valor que os produtores consideravam relativamente baixo. Entretanto, nas semanas seguintes, os preços começaram a subir, impulsionados pelos movimentos no mercado global e pela menor oferta de café em países concorrentes.

Em um ponto alto, durante a quarta semana do mês, os valores alcançaram aproximadamente R$ 870,00 por saca. Em 24 de outubro, o Indicador CEPEA/ESALQ para o café arábica tipo 6, bebida dura para melhor, e posto na capital, fechou em R$ 875,97 por saca, marcando o maior valor nominal desde 22 de junho de 2023.

Veja Também:  TRIGO/CEPEA: Valor externo volta a subir; produção nacional deve ser recorde

Contudo, no final do mês, tanto os preços internos quanto os externos começaram a enfraquecer devido às chuvas em regiões produtoras relevantes. Essas chuvas têm o potencial de beneficiar a próxima safra nacional de café, particularmente em Minas Gerais, que desempenha um papel crucial na produção brasileira de café arábica.

O Sul de Minas, principalmente, é a maior região produtora de cafés Arábica do Brasil. Tem altitudes entre 850m e 1.250m e temperatura média anual entre 22 e 24°C. As variedades mais cultivadas são o Catuaí e o Mundo Novo, mas também há lavouras das variedades Icatu, Obatã e Catuaí Rubi.

Fonte: Pensar Agro

Comentários Facebook
Propaganda

Agronegócio

Problemas climáticos: Mapa pede R$ 3,5 bilhões para o seguro rural em 2024

Publicados

em

O Ministério da Agricultura pediu ao Ministério da Fazenda um adicional de 3,5 bilhões de reais para seu orçamento em 2024, visando enfrentar os desafios das intempéries climáticas que estão afetando as safras de milho e soja.

Essa solicitação ainda aguarda aprovação e tem como intuito, em parte, fortalecer o seguro rural, buscando ajudar os produtores a lidarem com as consequências das condições climáticas desfavoráveis.

Carlos Ernesto Augustin, assessor especial do Ministério da Agricultura, expressou preocupação com a perspectiva para as safras de milho e soja. Ele prevê uma redução na área plantada do milho na segunda safra e uma produção de soja inferior, devido a atrasos no plantio e dificuldades climáticas.

Augustin alerta sobre possíveis problemas financeiros para os agricultores se os preços não melhorarem, destacando atrasos no plantio e redução na produtividade como fatores desafiadores para o próximo ano.

O Ministério busca apoio dos parlamentares para incluir esses recursos no orçamento de 2024, tendo já solicitado uma suplementação de 500 milhões de reais para este ano.

Veja Também:  Estão disponíveis as agromensais de março/18

No entanto, as decisões sobre o assunto na Junta Orçamentária foram adiadas, comprometendo o seguro agrícola, que conta atualmente com um orçamento inicial de 1,06 bilhão de reais, podendo chegar a 1,5 bilhão de reais com a suplementação aprovada.

Como o Pensar Agro noticiou (veja aqui) a JO já havia recusado uma suplementação de R$ 500 milhões para o Programa ao Prêmio do Seguro Rural (PSR).

Fonte: Pensar Agro

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Cotação do suíno vivo atinge quase R$ 8 por quilo em Minas Gerais

Publicados

em

As cotações do suíno vivo, no mercado independente, registraram aumento em quase todas as praças acompanhadas pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq/USP de outubro para novembro.

Em Minas Gerais, o indicador Cepea/Esalq, para o suíno vivo aponta uma cotação média de R$ 6,97 por quilo, indicando um crescimento de 7,73% em 30 dias. Já no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, os preços estavam em R$ 6,29, com elevações mensais de 3,28% e 4,49%, respectivamente.

Essa valorização mensal do animal está relacionada ao aumento da procura por carne suína, principalmente para atender à demanda de final de ano. Pesquisadores do Cepea destacam que, especialmente nas praças mineiras, além da demanda aquecida, a escassez de suínos no peso ideal para abate reforçou o movimento de alta nos preços.

No mercado atacadista da carne, o pernil com osso foi o corte mais procurado para as festas de final de ano e apresentou a valorização mais significativa de outubro para novembro. Para as próximas semanas, os especialistas consultados pelo Cepea estão otimistas, esperando um contínuo aumento nas vendas, considerando a entrada de salários e do décimo terceiro salário.

Veja Também:  Período de seca em MT serve de alerta para produtores buscarem suplementação alimentar para os animais

Fonte: Pensar Agro

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana