conecte-se conosco


Mulher

O que a ciência diz sobre os homens alfa?

Publicados

em

source
Personagens peaky blinders são as grandes inspirações para o movimento
Reprodução/ Pinterest

Personagens peaky blinders são as grandes inspirações para o movimento

Você já ouviu falar dos homens alfa? A nomenclatura tem ganhado cada vez mais força na internet durante última década, especialmente em plataformas digitais como o YouTube e o TikTok, onde homens aparecem dando dicas sobre masculinidade e relacionamentos, muitas vezes até mesmo vendendo cursos sobre esses assuntos. O que não seria um problema, se não fosse pela constante presença de discursos machistas, gordofóbicos e de ódio às mulheres. 

Declarações como a do influencer Gabriel Breier, que já falou abertamente que “Eu não treino de segunda a segunda, me cuido, faço dieta para ficar pegando mina com circunferência abdominal larga” e “Outra coisa também é a mina não querer tomar o seu leite. Isso é falta de respeito, mano”, não são incomuns. 

Outro ponto constantemente abordado pelos criadores de conteúdo “alfa”, são as dicas de como seduzir mulheres, que por muitas vezes usam generalizações depreciativas ao gênero feminino. Obviamente que nem todo o canal que se propõe a falar sobre masculinidade e relações amorosas são negativos, mas a crescente presença de grupos de ódio às mulheres na internet tem preocupado especialistas.

Segundo o psicanalista Leandro dos Santos, esta é uma questão de saúde pública, especialmente por esse discurso atrair garotos jovens, que possuem muitas vezes problemas emocionais e de socialização, que deveriam ser tratados com terapia e não na internet. 

“Qualquer canal que se propõe a falar de coisas relacionadas à saúde mental, eu acredito que deveria ter um amparo ou uma consultoria profissional especializada. Porque de fato, o que eu percebo, é que os jovens vão procurar informação e aconselhamentos em questões às vezes muito complexas, que precisariam  de um profissional”, diz o especialista. 

Mas será que o homem alfa existe cientificamente? 

Apesar de os produtores de conteúdo usarem argumentos que podem parecer à primeira vista como “científicos”, como dos homens das cavernas, instinto masculino ou afirmarem que um comportamento “dominante” masculino é algo biológico. A ciência de fato afirma que, para os humanos, não existe algo como homens alfa. Leandro dos Santos fala, inclusive, que isto não passa de um mito contemporâneo, não muito diferente do ideal do “príncipe encantado”. 

Veja Também:  Cristina Kirchner apoia nova presidente de Honduras, Xiomara Castro

“Essa é uma invenção contemporânea. Eu até ousaria dizer que é um sinal dos nossos tempos, poderia até ser considerado inclusive uma variação do príncipe encantado. Esse homem alfa, seria poderoso, acima da média, que satisfaz todas as mulheres, um parâmetro para os outros homens. Entretanto, isto não existe, é apenas o imaginário das pessoas”, explica Santos.

O psicanalista também alerta sobre como a construção desses ideiais e expectativas de masculinidade pode ser prejudiciais para os próprios homens, especialmente para os mais jovens, que podem acabar sendo capturados por grupos extremistas, como os Incel, grupo de homens celibatários involuntários que colocam a culpa de suas frustrações sexuais nas mulheres. 

“Esse é um sintoma de uma doença social, esse novo lugar para a masculinidade me preocupa como psicanalista, em como pode ser tóxico para os mais jovens. Um menino não pode ficar preso nesses ideais de grupo dos homens. Ele precisa criar uma masculinidade própria”, alerta o profissional. 

Discurso de ódio na internet

O machismo não é algo novo na sociedade, esse problema social vem se perpetuando durante séculos e está muito longe de acabar. Contudo, com a internet ele vem ganhando um novo espaço e novas características. De acordo com a socióloga e pesquisadora, especializada no estudo sobre gênero, Rosane Oliveira, a internet traz consigo algumas novidades, como o poder de difundir ideologias em grande escala e a sensação de impunidade. 

“A internet traz o pensamento de que ela é terra sem lei, onde você pode colocar tudo o que você pensa e que tudo é opinião. Nessa lógica, os discursos de ódio ganham um ambiente adequado para existir, se tornando esses espaços digitais, lugares de perpetuação do machismo em grande escala”,  fala a socióloga. 

A confusão entre liberdade de expressão e discurso de ódio são uns dos principais problemas na internet. Por ser possível usar a frase “esta é a minha opinião”  em qualquer situação, mesmo quando a pessoa compartilhe conteúdos ofensivos e até mesmo criminosos. Juntamente com a cultura do “mimimi”, em que qualquer violência é deslegitimada e tratada como exagero. 

“Se tudo é mimimi e opinião, não existem culpados e nem vítimas. Então qual é o problema em cometer bullyng? Por exemplo, a internet vai descortinar o ódio das pessoas, especialmente depois da posse do Presidente Bolsonaro, naquele momento as pessoas sentiram que receberam carta-branca para o ódio”, afirma a pesquisadora. 

Veja Também:  Conheça os famosos do signo de Gêmeos

Outro fator que colabora para a disseminação desses discursos é a busca por visualizações e curtidas. É perceptível que na sociedade do espetáculo, pessoas apareçam dispostas a escandalizar e ofender quem está a sua volta em troca de conseguir visibilidade. 

“A nossa principal hipótese é que esta é uma tentativa brutal por visualizações, revelando quem de fato essa pessoa é. A misoginia mostrada no ambiente digital é muito bem articulada, a pessoa quando fala coisas preconceituosas ela sabe o que esta falando e quando alguém a crítica, ela diz que esta é apenas a opinião dela”, conclui Oliveira. 

Amor e ódio pelas as mulheres 

Embora as mulheres sejam o objeto de desejo dos homens alfa, ao ponto de eles estarem buscando estratégias e técnicas de atraí-las, é contraditório que as mesmas também sejam alvo de ódio e repulsa. O psicanalista Leandro dos Santos explica que essa relação contraditória já foi estudada por Freud.  

“O homem no campo amoroso, muitas vezes precisa degradar a mulher, ou seja, ele precisa de alguma maneira rebaixar a mulher para ele sentir desejo por ela.  É  um fenômeno muito comum na mente masculina. Então, na verdade, eu acredito que quando a mulher representa uma ameaça, até em termos inconscientes, ele reage tentando se ‘defender’, uma defesa contra o próprio desejo. Os homens precisam entender que eles têm que amar as mulheres, que elas merecem ser amadas. Você até pode brincar de  amor e ódio na cama, mas isso é diferente de uma relação abusiva. Questões como essa precisam ser tratadas na análise”, diz o profissional. 

Além da relação de amor e ódio do subconsciente masculino, o especialista também pontua sobre como os traumas e históricos da infância refletem nas relações mesmo depois  da vida adulta. 

“A história e o passado  da pessoa têm ligação com o presente, a ideia de uma boa análise é ressignificar esse passado para não ficar só preso nessa chave do ódio com as mulheres”, esclarece Leandro.

Agora você pode acompanhar todos os conteúdos do iG Delas pelo nosso canal no Telegram. Clique no link para entrar no grupo. Siga também  o perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Propaganda

Mulher

‘Parece que passei do prazo’, diz Luciana Gimenez sobre etarismo

Publicados

em

Por

Luciana Gimenez posta fotos de calcinha e adesivo nos seios
Reprodução/Instagram

Luciana Gimenez posta fotos de calcinha e adesivo nos seios

“Eu odeio falar sobre a minha idade”, desabafa Luciana Gimenez. Até poderia ser apenas um número, o 52, no caso dela. Ou algo a ser colocado em perspectiva na carreira da apresentadora que há 20 anos comanda o programa “Superpop”, da RedeTV. Mas o que incomoda mesmo a escorpiana (do dia 3 de novembro) é quando abordam as mulheres nesse quesito como se parecesse que elas possuem data de validade menor que a dos homens.

— Me perguntaram quando fiz 30, depois “e agora aos 40”… Também ouço: “nossa, como você está linda aos 50”. Ué, não posso estar linda? Não somos lindas em qualquer idade? Tenho que embarangar quando? Não perguntam isso para um homem. E machuca porque depois que passei a ouvir várias vezes sobre idade fiquei me questionando. “Meu Deus, estou me preparando para o fim”. Parece que passei do prazo.

E perder tempo não é com ela. Tanto é que a mãe de Lucas, de 23 anos, fruto da relação com Mick Jagger, e de Lorenzo, de 11, com o ex-marido Marcelo de Carvalho, tem buscado sempre novos desafios. Este ano ganhou um game show de namoros, o “Operação cupido”, nos sábados da emissora que a consagrou. A artista também tem ido atrás de streamings sondando novos formatos. E tem reforçado que adoraria exercer mais o seu lado atriz. 

— Eu sou atriz formada. Faz tempo que não atuo, é algo que a gente precisa sempre aprimorar. Mas adoraria fazer cinema, por exemplo — diz Luciana, que já fez “Xuxa e os duendes”, em 2001, e uma participação como ela mesma na série “Samantha!”, da Netflix.

Há algum motivo para querer mudar de ares?

— Não imaginava que ficaria tanto tempo na TV, tanto é que comecei com um contrato de três meses, apenas. Além disso, tem os dois lados, o de ser procurada e o de também ir atrás dos projetos. Na minha vida, sempre corro em busca do que eu quero. Gosto de novos aprendizados. E por que não mostrar a versatilidade artística?

Flutuação de autoestima

Luciana recebeu a equipe da Canal Extra na própria cobertura no bairro Cidade Jardim, na Zona Sul, de São Paulo. O conforto do lar a deixou ainda mais à vontade, tanto na hora de posar para as lentes do fotógrafo, como para se abrir na entrevista, feita dias depois. As lentes transmitem a desenvoltura, a simpatia e a confiança da apresentadora. Mas não é dessa mesma forma que ela costuma se ver sempre. É questão antiga de terapia.

— Sofro minha vida inteira com baixa autoestima. Queria me achar bonita, poderosa, “tudo isso” que as pessoas dizem sobre mim. Já até prometi a mim mesma que ficaria, pelo menos, três dias sem falar mal de mim. Fico sempre me colocando para baixo. É quase como um vício. Se fosse com uma amiga, eu jamais permitiria que ela fizesse isso consigo mesma. Por que aceito comigo então?

A paulistana reflete por mais alguns segundos quando o repórter comenta o relato com surpresa.

— Não sei explicar. Não é que me achei feia. Há momentos em que realmente me acho bonita. Mas acabo sempre encontrando algo que não gosto e fico focada naquilo, sabe? Por exemplo, estou aqui gripada, doente, dias sem malhar. Sei que provavelmente não mudei nada para todo mundo. Mas estou me achando o fim.

O assessor de imprensa de Luciana, que acompanhava a entrevista, creditou essa declaração dela ao fato de ter iniciado a carreira como modelo, aos 13 anos. E lembrou que quando a jovem aspirante desembarcou em Paris, três anos depois, ouviu logo que estava acima do peso. A apresentadora confirmou a história, mas minimizou o impacto.

— É, pode ser um resquício. Mas eu não critico a profissão de modelo. Em mim, bateu de uma forma. Em outra pessoa, foi de outro jeito.

Veja Também:  Conheça os famosos do signo de Gêmeos

Aos poucos, a apresentadora tem aprendido a ser mais paciente com o próprio corpo.

— Não sei se malho por pressão, porque gosto, ou se viciei. Bom, eu gosto da sensação após os exercícios. E, sem eles, eu fico brava. E aí estou doente. Tudo vai colaborando para momentos não favoráveis. Mas é algo que a gente tem que aprender também, a ouvir o nosso próprio corpo. Estou com sinusite, ok, acontece.

Mãe coruja e a síndrome do ninho vazio

Ficar doente não atrapalha só o humor de Luciana, como também o fluxo da casa. O filho caçula ainda mora com ela e os dois são muito grudados. Momentos antes da entrevista, Lorenzo queria jogar basquete com a mãe.

— Acho que o melhor que faço é ser mãe. Sempre quis, desde pequena colocava travesseiro na barriga para brincar que estava grávida. Os meus dois filhos são frutos de uma mãe calma, que respeita a vontade deles e que leva em consideração o que eles pensam. Eu também sinto culpa por não estar presente em tudo, mas tento ter um equilíbrio até para não deixar de viver também o que é importante para mim. Dizem que é importante para as crianças nos terem por perto. Também acho. Mas eu digo que é importante para nós tê-los por perto. Porque passa rápido, daqui a pouco eles não estão aqui. E eu tento aproveitar ao máximo essa janela. Com Lucas, já fiz muitas coisas. Com o Lorenzo, ainda quero fazer. Sou muito apegada.

A mãe coruja, que estava prestes a viajar 12 dias sem o filho, brincou até que já estava sofrendo por antecipação. Poderia ser um teste da temida síndrome do ninho vazio, que ela garante ter experimentado uma palhinha quando o filho mais velho foi para a faculdade em Nova York, nos Estados Unidos.

— Incentivei muito o Lucas a ir para a faculdade, claro. Mas, no dia em que ele foi de fato, eu chorei de uivar. Aquelas lágrimas que duraram mais de duas horas. Senti uma falta absurda dele. Depois que chorei tudo que tinha para chorar, melhorei (risos). Já vi que, quando o Lorenzo for, vou fazer as malas para ir junto — diverte-se.

O caçula, ela diz, puxou mais seu lado latino, emotivo. Já o mais velho, pegou o ar britânico, reservado. Ao mesmo tempo, em suas aparições na mídia, Lucas sempre chamou a atenção por ter um estilo próprio, não convencional. Fruto da criação.

 — Lucas é muito reservado. Brinco que, como o pai dele e eu somos muito liberais, ele saiu mais conservador que nós dois. Nunca me deu trabalho. Mas ele odeia que eu fale dele (risos).

Por ser fruto de uma relação com Mick Jagger, o vocalista dos Rolling Stones, a primeira gravidez de Luciana ganhou os holofotes da mídia nacional e internacional. Não foi fácil, ela garante. Inicialmente, o cantor não quis assumir a paternidade, mas um teste de DNA comprovou tudo. Mais do que pagar uma pensão, com o passar dos anos, o astro se aproximou do filho e são vistos fazendo programas juntos. No aniversário de 79 anos do roqueiro, no mês passado, os três posaram juntos numa foto.

— É engraçado quando me perguntam “como é falar com o Mick Jagger” (risos). Não é como se falasse com um mito. É o pai do meu filho. Assim como também não perguntam a ele: “como é falar com a Luciana apresentadora?” É a mesma coisa da sua mãe conversando com seu pai. Por ele ser quem é, acham que existe alguma parcimônia. Não tem. Falamos coisa do dia a dia sobre o nosso filho.

Veja Também:  Fotógrafo e designer faz sucesso com novas criações de biquíni de fita

A vida depois do divórcio

Separada desde março de 2018, quando pôs um fim ao casamento de 14 anos com Marcelo de Carvalho, de 61 anos, pai de Lorenzo, Luciana sofreu um baque. Principalmente porque continuou vivendo na mesma casa que o ex por um período (mais de um ano) até partir para um recomeço. Hoje, vivem uma relação cordial. No aniversário do apresentador na última semana, ela prestou uma homenagem com direito a lembrança de um apelido carinhoso: gordo.

— O fim de um casamento é difícil porque antes se tem um amparo e depois, com o divórcio, não mais. Mas sou daquelas que tenta olhar o “copo meio cheio”. Tive uma situação difícil, morei com o meu ex por um tempo. Olhando agora, percebo que essa situação me preparou para as mudanças. Saí do meu apartamento em meio à pandemia, toco uma empresa sozinha, tenho dois filhos que dependem de mim… A gente vai se virando, não tenho a vida ganha. Mesmo chateada, limpo as lágrimas e vou trabalhar. E foi importante nesse recomeço me enxergar como uma mulher forte. Aliás, sempre fui, mas mesmo tendo mais maturidade para lidar com as coisas hoje, ter mais paciência, ainda vivo aprendizados diários.

No inicio deste ano, a comandante do “Superpop” assumiu o namoro com o empresário Renato Breia, de 34 anos. E, para ela, foi estranho ver a cobertura midiática de uma nova relação. 

— Eu nunca tinha sido solteira famosa no Brasil, porque me mudei muito cedo. Quando voltei, já estava grávida, depois conheci o Marcelo… Então, foi como se tivesse aberto uma janela do mundo para mim.

O novo casal tem curtido fazer viagens românticas. Não são do tipo que trocam declarações enormes publicamente. Mas, na vida íntima, a coisa muda de figura.

— Eu sou muito carinhosa no relacionamento. Não sei se sou tão romântica. Mas sou daquelas que fica pendurada. Beijo, abraço e agarro mesmo.

É até cedo para perguntar, porém um novo casamento não está entre os planos da apresentadora.

— Não digo nunca, mas já fui casada. Estou conhecendo agora uma outra Luciana, mais focada na minha própria vida, nas minhas coisas. Isso tem feito parte de outro amadurecimento.

Exposição

Ciente da fama que tem, Luciana não vê problema em falar da vida pessoal. Mas reforça que há um limite. Há dois meses, ela se chateou ao ver que informações do inventário do pai foram divulgadas por um colunista, que disse que uma “mulher desconhecida da família” receberia uma quantia maior de dinheiro.

— Eu sou uma pessoa acessível. Respondo a tudo que me perguntam. Não ligo que falem, ou peçam que eu comente algum deslize que cometi ou bobagem que falei. Faz parte do jogo. Ao mesmo tempo, não gosto de lavar roupa suja na internet nem quero fazer render esse assunto, mas não é porque sou famosa que tenho que abrir mão de tudo e toda minha vida se torna domínio público. Achei pura maldade falar de alguém que já morreu.

A apresentadora chegou a gravar um vídeo chorando. Por não ser vista nessa posição com frequência, o relato sensibilizou aos mais próximos.

 — Por muitos anos, eu sofri calada. Nunca fui de responder até mesmo as mentiras ditas sobre mim. O sentimento que tive nesse dia foi o mesmo que experimentei na minha primeira gravidez. Eu chorei todos os dias, sozinha, por nove meses. Espero que isso não aconteça nunca mais. Eu tenho uma estrutura, mas, no dia do vídeo, também estava em um momento ruim. Tinha que fazer um programa ao vivo depois… Sou resiliente, em geral, mas uma pessoa pública também tem sentimentos.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Paolla Oliveira questiona pressão pela maternidade: Por que me cobram?

Publicados

em

Por

paolla oliveira
Reprodução/Fe Pinheiro/Divulgação

Paolla Oliveira refuta pressão pela maternidade

Aos 40 anos, Paolla Oliveira garante que acha uma balela a cobrança social pela maternidade. Em entrevista para a colunista Mônica Bergamo, a atriz conta que já ouviu que era menos feminina, menos amorosa e que não representava a família apenas por não incluir filhos entre suas prioridades.

Entre no  canal do iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais! 

“Isso já me deixou bastante chateada. Acho que um bom movimento para reagir a uma crítica é você se procurar. E eu achei tudo isso uma balela, a ponto de não me tocar mais.”

Na entrevista, Paolla toca em outro ponto polêmico. Há cinco anos, no mesmo espaço, ela foi bastante criticada ao declarar que preferia o termo ‘igualdade’ a ‘feminista’. Desta vez, a atriz assumiu um posicionamento mais acertivo. “De lá para cá, eu consigo entender: não somos iguais”. 

Veja Também:  Fotógrafo e designer faz sucesso com novas criações de biquíni de fita

Acompanhe também perfil geral do Portal iG no Telegram !

A atriz falou ainda sobre voto, democracia e da estreia de seu novo filme, “Papai É Pop”, de Caíto Ortiz, em que contracena com Lázaro Ramos.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana