conecte-se conosco


Geral

O “tiro no pé” do jornalismo não foi a política

Publicados

em

O jornalismo vive a era do meme. O grande problema é que tal conduta está levando a categoria ao declínio, observa o PhD, neurocientista e jornalista Fabiano de Abreu.

 

O jornalismo está vivendo a era do meme e “dando moral” aos influenciadores e YouTubers, e pode estar “cavando a própria sepultura” por causa disso. A falta de verba para os jornais, dá-se, em primeiro lugar, pela preferência do patrocinador ao influenciador digital, por ter um público direcionado e fiel.

 

Mas, quem constrói o influenciador senão a própria Imprensa que se rendeu a eles? Inclusive as emissoras de televisões estão visando mais ao número de seguidores do que o talento. Dado o momento de crise que a sociedade brasileira e o mundo estão passando, hoje em dia há menos profissionais nas redações. E a tendência, infelizmente, não traz nada de animador a este cenário, como bem destaca o PhD, neurocientista e jornalista Fabiano de Abreu.

 

Como assessor, ele lançou mais de mil personagens na Imprensa nos últimos 10 anos, e observa que a questão não é política, mas sim o avanço da mídia social, que revela nova forma de os patrocinadores investirem em comunicação: “As marcas preferem investir em um usuário de uma rede social que seja mais direcionado ao seu público, pois é algo mais palpável e atinge mais facilmente aquele nicho desejado, além de ser mais barato”, explica.

 

E qual é a relação disso com a imprensa? Para Fabiano, a questão é que essa tendência carrega uma responsabilidade grande dos próprios jornalistas: “A própria Imprensa passou a divulgar esses personagens, dando espaço aos YouTubers e influenciadores digitais de diversas idades, estilos e conteúdos diferentes”. Com essa conduta, Abreu acredita que a Imprensa esteja cometendo um grande equívoco: “Ao aumentar a visibilidade dessas pessoas, mais os patrocinadores vão tomar conhecimento deles, além de dar mais importância ao personagem, atraindo mais seguidores.

 

Assim, eles se tornarão cada vez mais conhecidos e serão procurados por esses investidores para receber propostas de patrocínio. Esta autonomia dará um poder a eles, que não criam vínculos com emissoras nem jornais, e, caso aconteça, é temporário e a empresa de comunicação torna-se refém. O dinheiro que iria para os veículos de comunicação vai cair na mão deles. E o jornalismo ficará sem este aporte financeiro, o que trará mais problemas para as redações, que tanto enfatizaram esses personagens”, completa.

 

Fabiano comenta sobre a falta de criatividade nas redações, repetindo temas como se fossem “memes de destaque”, copiando a mídia social. “A Imprensa cria seus próprios memes ao reportar a mesma coisa, mas satura e todos os veículos fazem a mesma coisa, afugentando assim o leitor que acaba avaliando a Imprensa como conteúdo banal.

 

Psicologicamente, a repetição cria rejeição, e o novo faz parte do instinto humano pela liberação da dopamina. Tudo é descartável. Música, notícia, meme, tudo passa rápido e exige cada vez mais tempo do jornalista, que acaba produzindo um conteúdo sem qualidade. Eu acredito que o jornalismo deva construir conteúdos.”

 

E qual seria a solução, pergunto ao Fabiano, que também é CEO da MF Press Global. “Hoje em dia o jornal precisa ser um 360, ter texto, áudio-vídeo e mídia social. Tem de estar em todas as plataformas e criar seus próprios memes e matérias interessantes de acordo com o tipo de público que quer atingir. Tem de utilizar de regras de engajamento e uma ótima empresa de marketing digital especializada pode trazer um bom resultado. Vejo muitas emissoras que não fazem um terço do que muitos YouTubers fazem.

 

Para finalizar, Fabiano diz que o problema da Imprensa não é o momento político que vivemos, que já existia muito antes: “A questão política só acentuou e fracionou. A Imprensa já sofria com as redes sociais e as emissoras com o YouTube e Netflix. Mas falta união das emissoras e falta também estratégia dos sites de notícias para não apenas visar à audiência do momento, mas ter uma visão de futuro.”

 

 

 

 

 

Créditos de: Divulgação / MF Press Global 

Comentários Facebook
Veja Também:  Aposta única leva prêmio principal do concurso 2.267 da Mega-Sena
Propaganda

Barra do Bugres e Região

Unemat divulga edital do Seletivo com 2.570 vagas para 62 cursos em 12 cidades

Publicados

em

Poderão participar deste Seletivo todos os interessados que tenham realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) nas edições 2016, 2017, 2018, 2019 ou 2020

Nataniel Zanferrari | Unemat

A Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) divulgou nesta quarta-feira (21) o edital do Processo Seletivo 2021/2, para ingresso no segundo semestre deste ano. Esta edição oferta 2.570 vagas em 62 cursos, distribuídos em 12 municípios do Estado.

As inscrições são gratuitas e deverão ser feitas de 26 de julho a 8 de agosto.

O edital pode ser acessado clicando aqui.

ENEM ANTERIORES

Poderão participar deste Seletivo todos os interessados que tenham realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) nas edições 2016, 2017, 2018, 2019 ou 2020, e que tenham obtido nota mínima de 200 pontos na Redação da edição apresentada pelo candidato.

No ato da inscrição, o candidato deverá marcar qual opção do curso, câmpus e categoria de cotas ao qual pretende concorrer, além de anexar fotografia e o boletim de desempenho no Enem.

O boletim poderá ser obtido clicando aqui.

Basta informar o número do Cadastro de Pessoa Física (CPF) e a senha do candidato.

O processo seletivo terá duas fases: a primeira será o desempenho no Enem, e a segunda será a análise da documentação e o procedimento de verificação.

Cursos e Câmpus

Esta edição apresenta três turmas únicas de oferta especial em Cuiabá: uma turma de bacharelado em Engenharia de Produção Agroindustrial, uma turma de Tecnologia em Gestão Pública e uma turma de Tecnologia em Gestão de Negócios e Inovação.

O curso de Engenharia terá aulas no período noturno de segunda a sexta-feira e no período diurno aos sábados. Já os cursos de Tecnologia serão no período noturno.

Também será ofertado o curso de bacharelado em Agronomia no município de Querência. O curso é em período integral.

Além dos cursos em Cuiabá e Querência, esta edição também oferta cursos em Alta Floresta, Barra do Bugres, Cáceres, Diamantino, Juara, Nova Mutum, Nova Xavantina, Pontes e Lacerda, Rondonópolis, Sinop e Tangará da Serra.

Cotas

Além das cotas para alunos oriundos de escolas públicas, dentro das quais estão inseridas cotas para indígenas e para estudantes pretos ou pardos, a Unemat também passou a incluir reserva de vagas para pessoas com deficiência (PCD) a partir do ano passado.

Resultado

As inscrições deferidas serão publicadas no dia 9 de agosto, com a divulgação do desempenho preliminar da primeira fase no dia 12 e a divulgação do resultado preliminar da segunda fase no dia 27.

O resultado final será publicado no dia 1º de setembro, com matrículas de 2 a 9 de setembro.

Todas as informações sobre as etapas do Vestibular e seus editais podem ser acessadas em: www.unemat.br/vestibular.

Confira os cursos e locais

– Administração: Diamantino, Juara, Nova Mutum, Sinop e Tangará da Serra

– Agronomia: Alta Floresta, Cáceres, Nova Mutum, Nova Xavantina, Querência e Tangará da Serra

– Arquitetura e Urbanismo: Barra do Bugres

– Ciência da Computação: Barra do Bugres e Cáceres

– Ciências Biológicas: Alta Floresta, Cáceres, Nova Xavantina e Tangará da Serra

– Ciências Contábeis: Cáceres, Nova Mutum, Sinop e Tangará da Serra

– Ciências Econômicas: Sinop

– Direito: Alta Floresta, Barra do Bugres, Cáceres, Diamantino e Pontes e Lacerda

– Educação Física: Cáceres e Diamantino

– Enfermagem: Cáceres, Diamantino e Tangará da Serra

– Engenharia Civil: Nova Xavantina, Sinop e Tangará da Serra

– Engenharia de Alimentos: Barra do Bugres

– Engenharia de Produção Agroindustrial: Barra do Bugres e Cuiabá

– Engenharia Elétrica: Sinop

– Engenharia Florestal: Alta Floresta

– Geografia: Cáceres e Sinop

– História: Cáceres

– Jornalismo: Tangará da Serra

– Letras: Cáceres, Pontes e Lacerda, Sinop e Tangará da Serra

– Matemática: Barra do Bugres, Cáceres e Sinop

– Medicina: Cáceres

– Pedagogia: Cáceres, Juara e Sinop

– Sistemas de Informação: Sinop

– Tecnologia em Gestão Pública: Cuiabá

– Tecnologia em Gestão de Negócios e Inovação: Cuiabá

– Turismo: Nova Xavantina

– Zootecnia: Pontes e Lacerda

Comentários Facebook
Veja Também:  O poder do evangelho em tempos difíceis
Continue lendo

Geral

Contador Claúdio Lasso lista os 3 motivos que mais causam o desenquadramento do MEI

Publicados

em

O especialista também explica por que é necessário mudar a categoria da empresa caso não se encaixe como micro.

Segundo dados do Mapa de Empresas, do Ministério da Economia, em 2020, o número de Microempreendedores Individuais (MEI) teve um crescimento de 8,4% em relação a 2019. Apesar de ter pouco mais de 10 anos, é o porte de empresa mais comum no país. 

Segundo Cláudio Lasso, contador e CEO da Sapri Consultoria, que atua no mercado de consultoria e auditoria Contábil e Tributária há 17 anos, o Microempreendedor Individual (MEI) é o empresário que trabalha por conta própria e resolve se legalizar como microempresário.

“Esse é o mais recente modelo de empresa brasileira, mais barato e mais fácil de configurar e tem como alvo os profissionais com renda bruta mensal de até R$ 6.750,00”.

De acordo com o profissional, para ser Microempreendedor Individual é necessário:

  • Possuir uma renda bruta de até 81 mil reais por ano, ou seja, R$ 6.750,00 reais de renda bruta mensal.

  • Possuir somente um empregado registrado.

  • Não ter participação em nenhuma outra empresa, seja como sócio, seja como titular.

No entanto, existe uma rigorosa legislação sobre essa categoria de empresa. Muitas empresas que não se encaixam nessa legislação devem fazer optar pela mudança do regime tributário.

“Aconselho fazer um desenquadramento da MEI, para não sofrer penalidades tributárias e efetuar um planejamento contábil, financeiro e tributário”, recomenda Lasso, que listou os 3 motivos que mais causam o desenquadramento do MEI:

  1. O empreendedor pode ser desenquadrado caso ultrapasse o limite de faturamento, R$ 81 mil, anual. A legislação permite que o empreendedor tenha uma margem de 20% para ultrapassar o saldo de faturamento, levando o faturamento até R$ 97,2 mil.

  1. Outra regrinha exigida para se enquadrar no MEI é ter apenas um funcionário com registro em carteira.A partir do momento que o microempreendedor precisar contratar mais de um funcionário, será desenquadrado, tendo que buscar outro regime tributário.

  1. Atualmente, existem mais de 450 atividades enquadradas do MEI. Caso o microempreendedor mude de atividade – sendo que está na lista de atividades permitidas – também precisará mudar de regime.Vale lembrar que todo ano a Receita inclui e exclui diversas atividades da lista. É preciso acompanhar e atualizar o registro para que o Órgão não desenquadre o negócio.

Cláudio ensina o passo a passo para solicitar o desenquadramento:

Para solicitar o desenquadramento, o MEI deve entrar no Portal do empreendedor e seguir os seguintes passos:

– Clicar na aba serviços.

– Quero crescer (desenquadramento);

– Realizar desenquadramento;

– Em Comunicação de desenquadramento do Simei, clique em código de acesso;

– Preencha os dados de CNPJ, CPF e código de acesso;

– Explique o motivo do desenquadramento (faturamento, funcionário, sociedade ou filial).

“Vale lembrar que além de comunicar à Receita Federal, o microempreendedor deve procurar uma Junta Comercial para atualizar o cadastro da empresa”, pontua.

Quem não regulariza a partir do mês de janeiro, passa a recolher o imposto Simples Nacional como microempresa, com percentuais iniciais de 4%, 4,5% ou 6% sobre o faturamento do mês, conforme as atividades econômicas exercidas – Comércio, Indústria e/ou Serviços – (item, 1, alínea “a”, do Inciso II, do §º2º, do artigo 105 da Resolução do CGSN nº 94/2011).

“Esta modalidade é bem utilizada para profissionais autônomos, prestadores de serviço que estão iniciando e também profissionais que querem iniciar uma jornada empreendedora. Na minha opinião, é uma boa forma de testar se o seu produto, ou, serviços será aceito no mercado”, finaliza.

Comentários Facebook
Veja Também:  Projeto de lei: quem produzir fake news em MT poderá pagar multa de até R$ 10,4 mil
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

"2021" QUAIS SÃO AS SUAS EXPECTATIVAS PARA ESTE ANO QUE SE INICIA

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana