conecte-se conosco


Saúde

Opas: América Latina avança devagar na vacinação contra covid-19

Publicados

em


Desigualdade nos números da vacinação contra a covid-19 marca os países da América Latina: enquanto o Chile já iniciou a aplicação da terceira dose da vacina contra a doença na população idosa, o Haiti completou a imunização de apenas 341 pessoas.

Este foi o número de vacinas da Jansen, de dose única, que chegaram ao país mais pobre das Américas, segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). Os dados da Opas indicam que o Haiti aplicou, até o momento, 14 mil doses, para uma população de 11,5 milhões de pessoas.

Entre os 20 países que integram a América Latina, os que mais vacinaram contra a covid-19 foram o Uruguai, com 143,3 doses a cada 100 pessoas; o Chile, com 139,08; a República Dominicana, com 97,54; e Cuba, com 97,13. Os dados são do Our World in Data, algo como Nosso Mundo em Dados, em português, um projeto do Global Change Data Lab, uma organização sem fins lucrativos com sede no Reino Unido.

A organização explica que a soma corresponde à sioma de doses de vacina aplicadas em cada país. Como a maioria das vacinas exige duas doses para completar a imunização contra o Sars-CoV-2, o total pode superar o número de habitantes. Nessa análise, o Brasil aparece em nono lugar na América Latina, com 75,3 doses aplicadas a cada 100 habitantes.

Veja Também:  Rio de Janeiro decide manter vacinação de adolescentes de 14 anos

Na ponta de baixo da vacinação na região aparecem, além do Haiti, a Nicarágua, com 13,88 doses a cada 100 habitantes, Honduras (28,33) e o Paraguai, que aplicou 31,04 doses para cada 100 habitantes.

Na análise do percentual da população que está completamente vacinada, o Uruguai também lidera, com 68,32%, seguido do Chile (67,44%) e da República Dominicana (40,83%). O Brasil vem em oitavo, com 22,66% da população com o esquema vacinal completo. O Haiti não conseguiu imunizar nem 0,1% da sua população, a Guatemala está em 2,26% e o Paraguai em 4,02%.

Quando se analisa em números absolutos, o Brasil, que tem a maior população da América Latina, lidera com 48,16 milhões de pessoas completamente imunizadas, seguido do México (28,38 milhões) e da Colômbia (13,4 milhões).

Fiocruz

O último informe quinzenal sobre Saúde Global e Diplomacia da Saúde do Centro de Relações Internacionais em Saúde (Cris), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), indica que a região completou o esquema vacinal em cerca de 15% da sua população, o que leva a um aumento no número de casos da doença.

“Na Costa Rica, onde quase uma em cada três pessoas está vacinada, o número de casos Covid-19 está em queda. Os países sul-americanos com as maiores taxas de vacinação – como Uruguai, Chile e Argentina – estão relatando quedas muito acentuadas no número de casos. O mesmo ocorre no Canadá e na maior parte dos Estados Unidos. Os estados dos Estados Unidos onde há aumento de casos apresentam as menores taxas de vacinação, demonstrando a importância das vacinas no controle da disseminação do vírus”, alerta o boletim.

Veja Também:  Covid-19: RJ prevê reforço para maiores de 60 com doses heterólogas

Só na América do Sul, o site Worldometers aponta um total de 36,17 milhões de casos e 1,1 milhão de mortes. O Brasil responde por mais da metade desses totais,tendo pouco menos da metade da população da região.

Na América Central, o boletim do Cris-Fiocruz aponta aumento no número de casos. “O aumento no número de casos de Covid-19 está acelerando na maioria dos países da América Central, e altos números de casos e hospitalizações estão sendo relatados na Guatemala. Na vizinha Honduras, há um aumento no número de casos de Covid-19 nos estados ao longo da fronteira”, diz o informe.

Os dados do Our World in Data mostram que, no México, 86% dos casos registrados nas últimas duas semanas. No Equador, chegam a 40%; no Brasil, a 36%; e no Chile, a 4%. O site não tem dados de vigilância genômica dos outros países da América Latina.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Campanha foca em conversa com família para aumentar doação de órgãos

Publicados

em


O Ministério da Saúde lançou hoje (27), Dia Nacional da Doação de Órgãos, uma nova campanha para incentivar o gesto. Neste ano, as peças publicitárias têm como foco estimular quem deseja doar a conversar com seus familiares a respeito.

Isso porque, pela legislação brasileira, não adianta deixar expresso em documento, ou mesmo registrado em cartório, o desejo de realizar a doação de órgãos, pois a palavra final caberá sempre aos parentes, destacou o ministro da Saúde substituto, Rodrigo Cruz. “É preciso conversar com a família para que esteja ciente da sua vontade e que doe”, enfatizou.

De acordo com dados da pasta, em 2020, o índice de recusa à doação de órgãos pela família ficou em 37,8% dos casos com morte encefálica identificada, que é quando cessa a atividade cerebral do paciente – momento que torna o quadro irreversível, mas que ainda permite a extração de órgãos e tecidos em bom estado.

O índice vem apresentando ligeira redução ano a ano, tendo ficado em 41,3% em 2018 e em 39,4% em 2019. Além da campanha, é necessário aprimorar ainda mais a capacitação dos profissionais de saúde responsáveis por abordar as famílias ainda dentro das unidades hospitalares, destacou a coordenadora do Sistema Nacional de Transplantes, Arlene Badoch.

Veja Também:  Covid-19: DF começa mutirão de vacinação a partir dos 37 anos

“Não podemos trabalhar com profissionais que não tenham treinamento. É um serviço muito técnico, que precisa de muita expertise”, ressaltou a coordenadora.  “É necessário que façamos um investimento massivo na educação continuada”, reforçou, pedindo o engajamento, nesse aspecto, das secretarias municipais e estaduais de Saúde.

Outro ponto a ser melhor trabalhado, destacou Arlene, é a identificação da morte encefálica. Estima-se que, no Brasil, ocorram mais de 9 mil mortes encefálicas que propiciem a doação de órgãos, mas que passam em branco pelos profissionais de saúde.

Um terceiro ponto destacado pela coordenadora é o trabalho a ser feito na redução das paradas cardiorrespiratórias do paciente durante o processo de doação, o que pode prejudicar a viabilidade dos órgãos. Hoje, o país registra um índice de ocorrências na casa de 14%.

“Nossa ideia é trabalharmos com índice de 5%”, disse Arlene. “Teremos no mínimo 500 doadores a mais, só mudando essa realidade, que depende diretamente das partes intra-hospitalares”, avaliou. 

Dados

O Brasil possui hoje 53.218 pacientes na fila por um transplante de órgãos. A grande maioria (31.125) aguarda para receber um novo rim. Em seguida, vem a fila por um fígado (1.905). No país, estão registradas ainda 365 pessoas à espera de um coração e 259 de pulmão.

Veja Também:  Fiocruz: mortes mantêm queda, mas Delta requer cautela

O número total engloba 19.115 pessoas que aguardam por um transplante de córnea, embora esta seja considerada um tecido, e não um órgão, e que o procedimento seja, muitas vezes, considerado não eletivo.

Até o momento em 2021, foram realizados 5.626 transplante no país, segundo dados do Sistema Nacional de Transplantes. O número representa uma recuperação em relação aos 3.937 procedimentos realizados no ano passado, quando houve uma queda brusca no número de doadores devido às restrições provocadas pela pandemia de covid-19. Em 2019, foram realizados 7.715 transplantes.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Arcebispo emérito de Brasília morre de covid-19

Publicados

em


O arcebispo emérito de Brasília, cardeal dom José Freire Falcão, morreu, na noite desse domingo (27), vítima de complicações da covid-19. O religioso tinha 95 anos e estava internado em um hospital particular da capital há dez dias.

“O cardeal foi internado no dia 17 de setembro, como medida preventiva, após testado positivo para a covid-19. Na madrugada do dia 24 de setembro, dom Falcão teve uma piora em seu quadro respiratório e renal, sendo necessária uma entubação para dar conforto maior à sua condição”, informou a Arquidiocese de Brasília em nota.

Pelo Twitter, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, lamentou a morte do sacerdote. “Brasília perde um de seus maiores guias religiosos”, afirmou.

Até o fechamento desta matéria ainda não havia informações sobre o velório do religioso.

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Veja Também:  Covid-19: RJ prevê reforço para maiores de 60 com doses heterólogas
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA ATÉ O MOMENTO A GESTÃO DR. DIVINO PREFEITO DE BARRA DO BUGRES ESTÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana