conecte-se conosco


Mulher

Para controlar acne cística, blogueira muda rotina e usa apenas 4 produtos

Publicados

em

A australiana Nicola Inger Scruby  começou a ter espinhas
aos 20 anos, logo depois de mudar a pílula anticoncepcional que costumava usar. Não demorou muito para que as marcas que apareciam em seu queixo, bochechas e testa se tornassem acne cística – inflamação com pus que ficam bastante doloridas.


Por muitos anos, Nicola sofreu com acne cística até decidir procurar por tratamentos além dos medicamentos
Arquivo pessoal

Por muitos anos, Nicola sofreu com acne cística até decidir procurar por tratamentos além dos medicamentos

Hoje, ela tem 28 anos e começou um projeto para compartilhar informações sobre acne cística
e ajudar outras mulheres a se sentirem bem sobre suas peles. É pelo Instagram que ela compartilha fotos de “antes e depois” e fala da própria experiência, incluindo a época em que ela mesma não se sentia muito confortável sobre as espinhas
.

“Havia dias em que eu não queria sair de casa ou socializar. Eu sentava de frente para o espelho e ficava espremendo a acne até ficar ainda mais vermelha e inflamada. Fiquei obcecada sobre ‘curar’ minha acne e gastava centenas de dólares em cosméticos, remédios e tratamentos. Costumava usar maquiagem até para dormir e achava que todos estavam olhando para as minhas espinhas”, escreveu.

Veja Também:  Com fotos engraçadas, comediante imita ensaios sensuais de celebridades

Sem conseguir encontrar tratamentos eficientes, ela procurou outro caminho e decidiu encontrar o motivo pelos quais a acne surgia em consultas com especialistas. “Comecei a seguir um protocolo específico de dieta para acne criado por um nutricionista por 28 dias, falei com um psicólogo sobre como  reduzir o estresse e ansiedade
e segui uma rotina de cuidados com a pele
super simples.”

Depois disso, ela mudou completamente os cuidados com a pele e passou a usar apenas quatro produtos: um sabonete facial, um óleo facial para aplicar antes de dormir, um hidratante e um sabonete facial que contém ácido lático. Em seis semanas, Nicola percebeu a melhora em seu rosto. 

“Minha acne cística não tem um motivo, mas vários”, diz Nicola


No Instagram, Nicola compartilhou as diferentes fases da acne cística e explicou os motivos de cada uma delas
Arquivo pessoal

No Instagram, Nicola compartilhou as diferentes fases da acne cística e explicou os motivos de cada uma delas

Na publicação, a australiana também mostra as diferentes fases da acne e como diferentes tratamentos podem mudar a pele. “Na primeira foto eu estava tomando antidepressivos, o anticoncepcional, antibióticos e usando um creme antibiótico e foi a pior fase da minha pele. Fui à um naturopata e, com ajuda dele, consegui parar os medicamentos e já vi melhora.”

Veja Também:  Maternidade real: foto mostra mãe cuidando de quatro filhos ao mesmotempo

“Na segunda foto eu não estava mais tomando remédios, mas estava preocupada com a minha carreira, meu relacionamento e a vida, no geral. Estava usando quase nada de produtos para a pele porque pensava que era tão ruim quanto as outras coisas. Fiz um teste hormonal e comecei a testar algumas ervas.”

“Depois de uma série de ervas temos a foto três, com um cisto enorme no meu queixo. Percebi que talvez a mistura de ervas não seja ideal para mim e parei de tomá-las. A foto quatro é a última espinha que surgiu em mim, eu estava me sentindo inchada. Fiz uma limpeza no intestino e mudou minha pele.”

Nicola afirma que a mudança de hábitos fez com que ela percebesse que os cuidados com a pele
vão além dos produtos que usa ou da limpeza diária. “A diferença entre antes e agora? Eu estou preparada. Minha acne cística aparece por várias razões. O que você precisa lembrar? Saber é poder. Encontrar os sinais do seu corpo é o primeiro passo para conseguir controlar as espinhas”, finaliza.

Comentários Facebook
Propaganda

Mato Grosso

Feminicídios aumentam 68% nos primeiros seis meses de 2020 em MT

Publicados

em

Foram registrados 32 casos do crime até junho; somado aos homicídios dolosos foram 46 mortes envolvendo mulheres

Julia Oviedo | Sesp-MT – Combate à violência contra a mulher – Foto por: Sesp-MT

Combate à violência contra a mulher

O número de feminicídios ocorridos nos seis primeiros meses de 2020 em Mato Grosso aumentou 68% em relação ao mesmo período do ano passado. Neste ano 32 mulheres foram vítimas de feminicídio, enquanto que em 2019 houve 19 vítimas. Os dados são da Superintendência do Observatório de Violência da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT).

No entanto, estes são dados preliminares já que durante a investigação dos crimes pode haver mudanças na autoria e motivação, podendo ser classificados como homicídios dolosos. Inclusive, o número de homicídios dolosos contra mulheres entre 18 e 59 anos apresentou redução significativa de 46%.

Neste ano, 14 casos de homicídios dolosos foram registrados, enquanto que no ano passado este número chegou a 26 crimes. No total de mortes envolvendo vítimas femininas somando todas as motivações, 46 crimes foram registrados este ano, enquanto que 45 ocorreram no mesmo período do ano passado, ou seja: um crescimento de 2%.

Veja Também:  Maternidade real: foto mostra mãe cuidando de quatro filhos ao mesmotempo

Já o número de homicídios dolosos tentados diminuiu 23%, sendo registrados 108 tentativas de homicídio contra 140 no mesmo período do ano passado.

Outros crimes

A maior parte dos outros crimes contra a mulher apresentou redução nos índices. O crime que mais apresentou registros foi o de ameaça (8.644 registros), que teve redução de 15% em relação ao mesmo período do ano passado. Já lesão corporal somou 4.506 denúncias, totalizando redução de 11% em relação a 2019.

Na sequência estão injúria (2.436 casos e redução de 17%), difamação (1.242 casos e redução de 29%), calúnia (750 casos e redução de 20%), perturbação de tranquilidade (417 casos e redução de 29%) e violação de domicílio (420 casos e redução de 7%).

Seguindo a mesma tendência, o número de estupros diminuiu 5%. No primeiro semestre de 2019 ocorreram 188 estupros, já neste ano foram 179. Já o estupro de vulnerável apresentou aumento de 30%, passando de 20 casos no ano passado para 26 ocorrências neste ano.

Denúncias

Veja Também:  Mulher descobre gravidez 30 minutos antes do parto acontecer

Para registrar qualquer denúncia basta ligar para o 190, 197, 180 e 181. Vale lembrar que todas as denúncias são sigilosas.
Além disso, as denúncias também podem ser registradas presencialmente nas delegacias (PJC-MT) de Mato Grosso. Em Cuiabá, a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher funciona na Rua Joaquim Murtinho, nº 789, Centro Sul.

Já em Várzea Grande, a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, da Criança e do Idoso funciona na Rua Almirante Barroso, 298, Centro Sul (próximo do Terminal André Maggi).

 

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Os desafios da mulher no ambiente corporativo

Publicados

em

Apesar do dia 8 de março ser lembrado como o Dia Internacional da Mulher, há pouco para se comemorar. Por exemplo, mesmo no século 21 e diante da Economia 4.0, o machismo ainda é forte no ambiente corporativo, tornando o mundo dos negócios ainda um desafio para as mulheres que buscam seu lugar ao sol.

Muitas pesquisas mostram as dificuldades do sexo feminino em diferentes frentes do mercado de trabalho. Estudo realizado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) aponta que as mulheres estão no topo da taxa de desemprego. Além disso, trabalham mais horas que os homens e somente 48% delas possuem trabalhos formais. Os homens são 72%.

Segundo o estudo realizado pelo Instituto Ethos, a quantidade de mulheres ocupando a presidência de alguma companhia ainda é baixo, somente 7%. Já a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aponta que apenas 11% das empresas com capital aberto inscritas possuem mulheres em cargos do conselho de administração. 

Esses dados são reflexo da realidade que muitas mulheres enfrentam. Mas para brilhar no ambiente corporativo, é preciso não desanimar. Foi o que fez a Danielle Cohen, Engenheira de Produção, desenvolvedora e Head de tecnologia e cofundadora da startup Pingui. 

Para ela, ainda é difícil algumas pessoas a encararem com profissionalismo como mulher e líder técnica. Danielle conta que, na maioria das vezes, quando vai em alguma reunião, sempre é vista como alguém que atua no setor comercial, comunicação ou no RH. “Tudo, menos da parte técnica”.

– Por exemplo, num hackathon que participei, sendo uma das 50 escolhidas, ouvi comentários do tipo: ‘mas, você? Sério mesmo?’. Não só fui escolhida, como também fui a ganhadora da competição – relembra.

Cohen disse que já passou por momentos, em reuniões de negócios, que quando estão falando de tecnologia, nem é olhada. Às vezes, nem ouvida. “Começo a ganhar mais notoriedade quando falo sobre programação, discuto uma parte mais técnica”. 

Para superar o machismo, Danielle conta que gosta sempre de se olhar como igual a todo mundo. Diz que não fica se rebaixando ou achando que os outros são melhores. Em caso de reuniões com pessoas mais velhas, ela tenta falar bastante da parte técnica e mostrar que conhece bem o assunto. “Assim vou ganhando autoridade”. 

Segundo a profissional, é importante que as mulheres se ajudem, por isso, Danielle tenta fazer a parte dela. Como organizadora do GBG (Google Business Group) junto de outras duas mulheres, ela comenta que tem conseguido levar a tecnologia e a inovação para o universo feminino. “Já houve casos de pessoas me agradecerem pela ajuda e dizer que foi essencial na carreira. Isso é muito gratificante”.  

– As mulheres não devem ter vergonha de mostrar o que sabem fazer, muito menos se diminuir. Em relação ao machismo, a melhor coisa é não levar em consideração frases preconceituosas ou olhares de inferioridade. Sempre mostrem que vocês sabem e conseguem fazer tudo tão bem quanto qualquer um. Aliás, hoje em dia, há muitas coisas que são exclusivas para mulheres. Então, podemos aproveitar essas oportunidades para melhorarmos cada vez mais – ressalta. 

Outra pessoa que enfrentou situações difíceis, mas que não se deixou desanimar foi a administradora Amanda Eloi. Para ela, uma das maiores dificuldades não foi realizar o trabalho em si, mas lidar com pessoas preconceituosas e arrogantes.

Atualmente, Amanda é coordenadora adjunta da comissão Especial de Empreendedorismo do Conselho Regional de Administração (CRA-RJ), consultora de Projetos da WAAH!, Fundadora e Coordenadora do Ciclo Empreendedor Universitário.

Para Eloi, o preconceito existente em alguns homens são fruto da falta de compreensão de que capacidade não depende de gênero e/ou classe social. Para a profissional, essa forma de pensar vem do fato da sociedade ainda ter uma visão limitada do quanto a mulher pode ser bem-sucedida no mundo dos negócios. “Isso impede que muitas alcancem determinados cargos dentro de suas empresas, por não terem a oportunidade de desenvolver determinadas habilidades”.

Ela conta que, apesar dos problemas, foi vencendo esses obstáculos a partir das experiências que adquiriu no trabalho. “Depois de ganhar autoconfiança, também busquei orientações de amigos e profissionais do mercado para lidar com determinadas situações”.

Para Amanda, a melhor maneira de lidar com o machismo foi acreditar no próprio potencial, continuar desenvolvendo projetos e ajudar pessoas a evoluir profissionalmente. “Dessa forma, fico focada no reflexo do meu trabalho, que envolve alavancar negócios e impactar mais vidas”. 

– Por isso, sempre digo para que as mulheres confiem no seu potencial, busquem mais conhecimento e estejam ao lado de pessoas brilhantes, que, além de acreditar em você, possam valorizá-las como Mulher e Ser Humano – conclui.

Joyce Nogueira
Assessora de Imprensa

Veja Também:  Mulher descobre gravidez 30 minutos antes do parto acontecer

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

"2021" QUAIS SÃO AS SUAS EXPECTATIVAS PARA ESTE ANO QUE SE INICIA

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana