conecte-se conosco


Mulher

Paulo Lessa, de ‘Cara e coragem’, fala do sucesso de seus dreadlocks

Publicados

em

source
Paulo Lessa, de 'Cara e coragem', fala do sucesso de seus dreadlocksPaulo Lessa, de 'Cara e coragem', fala do sucesso de seus dreadlocks
Reprodução/Extra

Paulo Lessa, de ‘Cara e coragem’, fala do sucesso de seus dreadlocksPaulo Lessa, de ‘Cara e coragem’, fala do sucesso de seus dreadlocks

O instrutor de parkour Ítalo, de “Cara e coragem”, representa um grande salto na carreira do ator Paulo Lessa, de 40 anos. Seu primeiro protagonista em novelas enche seu coração não apenas pela conquista profissional, mas também pela representatividade negra na TV. Ele mergulhou de cabeça nessa empreitada e, aliás, com um belo dread. Logo nos primeiros dias da trama, se emocionou por ver um fã decidindo mudar o penteado por conta do personagem. Paulo conta que chegou a dar palpites na caracterização de Ítalo.

— A equipe pegou fotos minhas antigas de dread e colocou como possibilidade. Sugeri de fazê-lo de novo, para eles verem pessoalmente. É algo incomum para um chefe de segurança (outra atividade do personagem além do parkour) como ele. A novela vem com essa proposta de quebra de estereótipos, isso chama atenção de modo positivo — enfatiza o ator, que recentemente foi visto na TV com a cabeça raspada como o general Bakari, de “Gênesis”, da Record.

E o cabelo tem mesmo um lugar especial na história de Paulo. Sua mãe, Dai Bastos, foi uma cabeleireira famosa no Rio e atendia diversas celebridades negras em seu salão. No último dia 6, foi instituído o Dia da Pessoa Trancista, projeto da vereadora Thais Ferreira (Psol). A data era justamente o aniversário de sua mãe, que morreu em 2012. Na sua clientela estavam Zezé Motta, Antonio Pitanga e… Taís Araujo, seu atual par romântico na trama das sete. Paulo participou dos testes virtuais para o personagem até ficar entre os três finalistas que fariam cenas presenciais com a atriz. Na ocasião, ele relembrou essa história e conseguiu “quebrar o gelo” para a cena que teriam que fazer.

Veja Também:  Como começar sua obra sem dor de cabeça?

— Esses cinco minutinhos que antecederam a cena foram fundamentais para a gente estabelecer o casal. Depois do resultado, Taís foi a primeira a me mandar mensagem. Ela arrumou meu número e me enviou um áudio lindo, se colocando à disposição, dizendo que iria me ajudar no que fosse preciso. Uma vez, ela disse: “Pega na minha mão que eu pego na sua, e não vou largar até o final da novela” — recorda ele, agradecendo: — A receptividade dela, do Marcelo Serrado e da Paolla Oliveira (os outros protagonistas) me deixou muito à vontade, fiquei me sentindo parte da turma.


paulo lessa
Reprodução/Extra

Paulo Lessa, de ‘Cara e coragem’, fala do sucesso de seus dreadlocks

Apesar de conviver com grandes artistas desde a infância, o flamenguista tentou primeiro ser jogador de futebol, trabalhou como modelo e cursou fisioterapia quando percebeu que teria que convencer a mãe de que queria ser ator, algo que só conseguiu quando passou para a Oficina de Atores da Globo, em 2008.

Veja Também:  Ela tem 44 anos – mas parece ter 20 – e detalha a rotina de cuidados com a pele

— Ela tinha muito medo de eu embarcar em uma outra incerteza. Eu queria o futebol e não aconteceu. Naquela época, a Globo contratava os atores para estudar. Eu recebia um salário, tinha um plano de saúde, carteira assinada. Foi o trunfo que usei para sair da faculdade — conta Paulo, que hoje é pai da pequena Jade, de 1 ano, do seu casamento com a dentista cabo-verdiana Cindy Cruz, com quem está desde 2007.

A oficina trouxe amigos e aproximou o galã de “Cara e coragem’’ de um dos galãs de “Pantanal’’, Leandro Lima, intérprete do Levi:

— Estamos vibrando muito um com o momento do outro. Já nos visitamos nos estúdios. Sempre que dá, almoçamos juntos. É uma festa

Ator busca seguir com o legado da mãe

Cabeleireira desde os anos 70, a mãe de Paulo vendeu o que tinha para comprar o sobrado na Rua Joaquim Silva, na Lapa, no início dos anos 90. Ali montou um salão e uma ONG, onde formou meninas carentes também para a especialidade em cabelo afro. O projeto dela foi reconhecido até pela ONU. Depois da morte de Dai (na foto ao lado), Paulo alugou o imóvel para um inquilino até o ano passado, mas, em julho, retomou a Casa Afrodai, em parceria com o diretor e ex-BBB Rodrigo França e o irmão, Fábio. O bar Seu França também funciona no local:

— Montamos uma loja com afroempreendedores. Não temos o projeto social, por falta de apoio, estamos nos organizando para retomá-lo. Quero aproveitar a visibilidade para conseguir parceiros.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Propaganda

Mulher

Entrega voluntária para adoção é direito da mulher

Publicados

em

Por

source
Adoção: mulher tem direito a realizar o procedimento de maneira sigilosa
Getty Images

Adoção: mulher tem direito a realizar o procedimento de maneira sigilosa

A atriz Klara Castanho, de 21 anos, relatou em suas redes sociais que buscou o processo de entrega voluntária de um bebê à adoção após descobrir uma gravidez em estágio avançado, fruto de um estupro. A prática de entregar a criança aos cuidados de outra família, diante de um processo comandado por uma Vara da Infância e Juventude, é uma prática prevista e assegurada pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A mãe que opta por esse procedimento tem direito, inclusive, ao sigilo do caso garantido.

O juiz da Vara da Infância e Juventude, Iberê Dias, explicou que não há qualquer penalização direcionada a essa mãe.

— É um direito da mulher. Pode acontecer de maneira sigilosa se a mulher desejar e a entrega deve ocorrer sem constrangimentos para ela, tudo isso está no ECA. — diz Iberê Dias. — Pode acontecer de diversas formas, a mulher pode ir à maternidade e, ao relatar o desejo de entregar a criança, ela deve ser respaldada pelo sistema de saúde. Neste processo, ela deve ser ouvida por uma psicóloga para compreender se essa vontade ocorre em estado consciente, ou se ela não está passando, por exemplo, por uma depressão após o parto.

O juiz explica que após essa escuta junto ao psicólogo, o caso é encaminhado à Vara da Infância e juventude onde a mãe biológica passará por uma audiência, para que sua vontade de encaminhar a criança à adoção seja reiterada e seus direitos ouvidos.

— Não raro, em casos que a mulher inicia o processo ainda na gestação, a criança já é encaminhada para outra família assim que nasce. O recém-nascido sai da maternidade direto para a casa da família adotante — afirma Iberê.

Apesar de ser possível pedir uma recomendação de algum advogado para o procedimento, a presença desse especialista não é um pré-requisito. A mulher, inclusive, pode manifestar sua vontade de entregar a criança à adoção em diversos equipamentos públicos de atendimento, caso das Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou ao Centro de Referência da Assistência Social (CRAS).

Veja Também:  Horóscopo do dia: previsões para 24 de março de 2022

Não é preciso, é importante dizer, que a gravidez seja fruto de um episódio de violência, como no caso de Klara. Qualquer mulher sob as mais diversas circunstâncias poderá entregar o filho à adoção.

O sigilo é imposto desde que haja a vontade da mãe. Uma vez sigiloso, o processo, porém, poderá ser acessado por essa criança adotada no futuro. Isso porque o direito à busca das heranças biológicas é permitido a qualquer tempo de vida, mesmo antes da maioridade. Caso não exista esse desejo de sigilo manifestado, é possível que alguém da família do menino ou menina seja contactada para que se saiba se há interesse e condições de assumir os cuidados da criança.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

O que a ciência diz sobre os homens alfa?

Publicados

em

Por

source
Personagens peaky blinders são as grandes inspirações para o movimento
Reprodução/ Pinterest

Personagens peaky blinders são as grandes inspirações para o movimento

Você já ouviu falar dos homens alfa? A nomenclatura tem ganhado cada vez mais força na internet durante última década, especialmente em plataformas digitais como o YouTube e o TikTok, onde homens aparecem dando dicas sobre masculinidade e relacionamentos, muitas vezes até mesmo vendendo cursos sobre esses assuntos. O que não seria um problema, se não fosse pela constante presença de discursos machistas, gordofóbicos e de ódio às mulheres. 

Declarações como a do influencer Gabriel Breier, que já falou abertamente que “Eu não treino de segunda a segunda, me cuido, faço dieta para ficar pegando mina com circunferência abdominal larga” e “Outra coisa também é a mina não querer tomar o seu leite. Isso é falta de respeito, mano”, não são incomuns. 

Outro ponto constantemente abordado pelos criadores de conteúdo “alfa”, são as dicas de como seduzir mulheres, que por muitas vezes usam generalizações depreciativas ao gênero feminino. Obviamente que nem todo o canal que se propõe a falar sobre masculinidade e relações amorosas são negativos, mas a crescente presença de grupos de ódio às mulheres na internet tem preocupado especialistas.

Segundo o psicanalista Leandro dos Santos, esta é uma questão de saúde pública, especialmente por esse discurso atrair garotos jovens, que possuem muitas vezes problemas emocionais e de socialização, que deveriam ser tratados com terapia e não na internet. 

“Qualquer canal que se propõe a falar de coisas relacionadas à saúde mental, eu acredito que deveria ter um amparo ou uma consultoria profissional especializada. Porque de fato, o que eu percebo, é que os jovens vão procurar informação e aconselhamentos em questões às vezes muito complexas, que precisariam  de um profissional”, diz o especialista. 

Mas será que o homem alfa existe cientificamente? 

Apesar de os produtores de conteúdo usarem argumentos que podem parecer à primeira vista como “científicos”, como dos homens das cavernas, instinto masculino ou afirmarem que um comportamento “dominante” masculino é algo biológico. A ciência de fato afirma que, para os humanos, não existe algo como homens alfa. Leandro dos Santos fala, inclusive, que isto não passa de um mito contemporâneo, não muito diferente do ideal do “príncipe encantado”. 

Veja Também:  Ela tem 44 anos – mas parece ter 20 – e detalha a rotina de cuidados com a pele

“Essa é uma invenção contemporânea. Eu até ousaria dizer que é um sinal dos nossos tempos, poderia até ser considerado inclusive uma variação do príncipe encantado. Esse homem alfa, seria poderoso, acima da média, que satisfaz todas as mulheres, um parâmetro para os outros homens. Entretanto, isto não existe, é apenas o imaginário das pessoas”, explica Santos.

O psicanalista também alerta sobre como a construção desses ideiais e expectativas de masculinidade pode ser prejudiciais para os próprios homens, especialmente para os mais jovens, que podem acabar sendo capturados por grupos extremistas, como os Incel, grupo de homens celibatários involuntários que colocam a culpa de suas frustrações sexuais nas mulheres. 

“Esse é um sintoma de uma doença social, esse novo lugar para a masculinidade me preocupa como psicanalista, em como pode ser tóxico para os mais jovens. Um menino não pode ficar preso nesses ideais de grupo dos homens. Ele precisa criar uma masculinidade própria”, alerta o profissional. 

Discurso de ódio na internet

O machismo não é algo novo na sociedade, esse problema social vem se perpetuando durante séculos e está muito longe de acabar. Contudo, com a internet ele vem ganhando um novo espaço e novas características. De acordo com a socióloga e pesquisadora, especializada no estudo sobre gênero, Rosane Oliveira, a internet traz consigo algumas novidades, como o poder de difundir ideologias em grande escala e a sensação de impunidade. 

“A internet traz o pensamento de que ela é terra sem lei, onde você pode colocar tudo o que você pensa e que tudo é opinião. Nessa lógica, os discursos de ódio ganham um ambiente adequado para existir, se tornando esses espaços digitais, lugares de perpetuação do machismo em grande escala”,  fala a socióloga. 

A confusão entre liberdade de expressão e discurso de ódio são uns dos principais problemas na internet. Por ser possível usar a frase “esta é a minha opinião”  em qualquer situação, mesmo quando a pessoa compartilhe conteúdos ofensivos e até mesmo criminosos. Juntamente com a cultura do “mimimi”, em que qualquer violência é deslegitimada e tratada como exagero. 

“Se tudo é mimimi e opinião, não existem culpados e nem vítimas. Então qual é o problema em cometer bullyng? Por exemplo, a internet vai descortinar o ódio das pessoas, especialmente depois da posse do Presidente Bolsonaro, naquele momento as pessoas sentiram que receberam carta-branca para o ódio”, afirma a pesquisadora. 

Veja Também:  Horóscopo do dia: previsões para 24 de março de 2022

Outro fator que colabora para a disseminação desses discursos é a busca por visualizações e curtidas. É perceptível que na sociedade do espetáculo, pessoas apareçam dispostas a escandalizar e ofender quem está a sua volta em troca de conseguir visibilidade. 

“A nossa principal hipótese é que esta é uma tentativa brutal por visualizações, revelando quem de fato essa pessoa é. A misoginia mostrada no ambiente digital é muito bem articulada, a pessoa quando fala coisas preconceituosas ela sabe o que esta falando e quando alguém a crítica, ela diz que esta é apenas a opinião dela”, conclui Oliveira. 

Amor e ódio pelas as mulheres 

Embora as mulheres sejam o objeto de desejo dos homens alfa, ao ponto de eles estarem buscando estratégias e técnicas de atraí-las, é contraditório que as mesmas também sejam alvo de ódio e repulsa. O psicanalista Leandro dos Santos explica que essa relação contraditória já foi estudada por Freud.  

“O homem no campo amoroso, muitas vezes precisa degradar a mulher, ou seja, ele precisa de alguma maneira rebaixar a mulher para ele sentir desejo por ela.  É  um fenômeno muito comum na mente masculina. Então, na verdade, eu acredito que quando a mulher representa uma ameaça, até em termos inconscientes, ele reage tentando se ‘defender’, uma defesa contra o próprio desejo. Os homens precisam entender que eles têm que amar as mulheres, que elas merecem ser amadas. Você até pode brincar de  amor e ódio na cama, mas isso é diferente de uma relação abusiva. Questões como essa precisam ser tratadas na análise”, diz o profissional. 

Além da relação de amor e ódio do subconsciente masculino, o especialista também pontua sobre como os traumas e históricos da infância refletem nas relações mesmo depois  da vida adulta. 

“A história e o passado  da pessoa têm ligação com o presente, a ideia de uma boa análise é ressignificar esse passado para não ficar só preso nessa chave do ódio com as mulheres”, esclarece Leandro.

Agora você pode acompanhar todos os conteúdos do iG Delas pelo nosso canal no Telegram. Clique no link para entrar no grupo. Siga também  o perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana