conecte-se conosco


Geral

Pesquisa avalia dados de Covid-19 na região de Cáceres

Publicados

em

Pesquisadores da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e do Escritório Regional de Saúde de Cáceres divulgam nota técnica conjunta, em que avaliam dados de Covid-19 na região de Cáceres, considerando os parâmetros propostos pela Fiocruz. 

O documento apresenta um conjunto de indicadores, que vão desde a capacidade de atendimento do sistema de saúde e o perfil epidemiológico (como transmissão comunitária, taxa de contágio, disponibilidade de leitos, redução de óbitos, taxa de positividade).

A análise foi realizada para Cáceres e os 12 municípios que integram a região Oeste de Mato Grosso. Entretanto, o material pode nortear estudos semelhantes para diferentes locais. A nota técnica foi desenvolvida por uma equipe multidisciplinar, que inclui 12 pesquisadores das áreas de Enfermagem, Biologia e Farmácia, e integram o projeto de pesquisa intitulado “Covid-19: cenário na região Oeste de Mato Grosso”, institucionalizado pela Unemat.

INDICADORES DE AVALIAÇÃO

  1. REDUÇÃO DA TRANSMISSÃO COMUNITÁRIA

Essa analise considera o número de casos de Covid-19 na Região Oeste de Mato Grosso por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, de acordo com a data de notificação.

  1. TAXA DE CONTÁGIO

A taxa de contágio é a capacidade de um caso positivo contaminar outras pessoas. Ela é expressa pelo valor de R0 e deve ser inferior a 1, chegando a um ideal de 0,5 (quer dizer, cada pessoa contaminada transmitiria a menos de um), por um período de pelo menos 7 dias. Observou-se uma tendência de queda na Taxa de Contágio nas últimas semanas e o valor taxa de contágio encontra-se abaixo de 1, na região. Entretanto, os números podem estar subestimados. “Atualmente, seja por sobrecarga dos serviços ou questões organizacionais, muitos casos ainda não foram registrados, mascarando as análises”, avaliou a enfermeira Antonia Maria Rosa, professora da Universidade do Estado de Mato Grosso, com doutorado em Ciências da Saúde.

  1. CAPACIDADE DE INTERNAÇÃO

Os leitos pediátricos para Covid-19 estão concentrados em Cuiabá, sendo necessária transferência dos casos que demandam internação. Nesta semana (15/02), dentre os 15 leitos disponíveis de UTI pediátrica no estado de Mato Grosso, 3 estavam bloqueados e 6 estavam ocupados (50% de taxa de ocupação).

No interior, 100% dos leitos de UTI adulto e 100% dos leitos clínicos estavam ocupados nesta mesma data, no único hospital da região Oeste que atende Covid-19, localizado em Cáceres. “Diante da lotação de leitos, os pacientes que necessitarem de internação, deverão ser encaminhados para referências em outras regiões como o Hospital Vale do Guaporé localizado em Pontes e Lacerda ou para Cuiabá”, disse Antonia Maria Rosa. Ou seja, a região não atende ao critério para liberação das escolas quanto à disponibilidade de ao menos 25% dos leitos.

  1. NÚMERO DE ÓBITOS

Para ser incluído na faixa verde, considerada como de risco muito baixo, deve haver uma redução de 20% ou mais dos casos de óbitos comparando a semana finalizada com duas semanas anteriores, segundo Instrumento de Avaliação de Risco para a Covid-19 (Conass/Conasems). Até o fechamento da semana 6 (que vai de 7 a 13 de fevereiro), a proporção de óbitos apresentou um acréscimo de 9% na região Oeste.

  1. TESTES POSITIVOS

No que se refere ao indicador que avalia porcentagem de testes positivos nos últimos 14 dias, a região Oeste está classificada como elevadíssimo risco de transmissão nas escolas. Conforme se observa no gráfico, a proporção de 34% de número de exames positivos se enquadra na categoria vermelho da classificação proposta pela Fiocruz. Se esse valor estiver maior que 10% deve ser enquadrado como “elevadíssimo risco de transmissão nas escolas”.

Além dos indicadores primários relacionados à taxa de contágio do vírus e capacidade de testagem pelo sistema de saúde, os pesquisadores dizem que é importante analisar também a capacidade da escola para implementar 5 estratégias principais de mitigação.

São elas: 1.Uso correto e constante de máscara; 2.Distanciamento social o máximo possível; 3.Higiene Respiratória e das mãos; 4.Limpeza e desinfecção do ambiente e 5. Rastreamento de contatos em colaboração com os departamentos de saúde locais. “Basear-se na premissa de que esse retorno não vai gerar aumento do número de casos de Covid-19, sem a devida contextualização do panorama epidemiológico local, constitui-se um risco”, avaliam os pesquisadores.

EQUIPE DE PESQUISADORES:

Unemat:

Antonia Maria Rosa (Enfermeira), Bianca Teshima de Alencar (Enfermeira), Ernandes Sobreira Oliveira Junior (Biólogo), Larissa Maria Scalon Lemos (Farmacêutica), Leandro Nogueira Pressinotti (Biólogo), Natasha Rayane de Oliveira Lima (Enfermeira), Shaiana Vilella Hartwig (Enfermeira) e Wilkinson Lopes Lázaro (Biólogo).

Escritório Regional de Saúde de Cáceres:

Bárbara Ferraz Bühler (Bióloga), Sandra Mara Fernandes Bonilha (Enfermeira), Sandra Torres Domingos (Enfermeira) e Sandro Luiz Neto (Biólogo).

por Danielle Tavares

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres – MT 

Comentários Facebook
Veja Também:  Cresce oferta de cursos gratuitos online durante quarentena
Propaganda

Geral

Avanços no Tratamento contra a Aids no Brasil

Publicados

em

Na 25ª edição da Parada LGBTQIA+ de São Paulo, neste domingo 6 de junho, a Agência Aids promove o Camarote Virtual Solidário articulando debates com médicos e ativistas, além do grande objetivo de arrecadar cestas básicas para pessoas com HIV e AIDS em situação de vulnerabilidade.

Três médicos referência em Aids, Dr. Fábio Mesquita, médico epidemiologista que faz parte da OMS, e os infectologistas Dr. Vinicius Borges (Dr. Maravilha) e a Dra. Zarifa Khoury, comentaram os avanços no tratamento contra a Aids no Brasil e no mundo.

“Amanhã (7), começa uma agenda global na ONU para retomar a questão da Aids e isso é muito importante. O Brasil foi o primeiro país, de média e baixa renda, a oferecer os medicamentos antirretrovirais cumprindo a Constituição, uma grande conquista na implementação de políticas públicas, desde 1995 em nível nacional”, contou Dr Fábio Mesquita que traçou uma retrospectiva histórica da construção da política de Aids no Brasil.

A adesão ao tratamento, nos anos 1980, foi difícil. “Havia resistência aos medicamentos e seus efeitos colaterais. Testemunhamos muitos suicídios, era terrível”, lembra Dra Zarifa Khoury.

Passados 40 anos, os avanços foram muitos: do tratamento com 16 medicamentos, hoje é prescrito com dois comprimidos. “Às vivências do passado nos ensinaram muito, mas ainda há problemas sociais graves para as pessoas com HIV e Aids. Quando criei o Dr. Maravilha nas redes sociais foi para ajudar a enfrentar o preconceito e a autoestima da população LGBT que vive com HIV. Quero olhar pessoas e não o vírus”, explicou Dr Vinicius Borges.

A pergunta hoje é “Tenho HIV e agora?” É a realização de sonhos porque é possível viver com medicamentos e ter qualidade de vida.

“O desafio é vencer o estigma. Desde do início, os gays sofriam discriminação porque Aids era considerada “peste gay” é ainda hoje muitas pessoas não seguem o tratamento por medo da opinião da sociedade”, diz Dra Zarifa.

Dr Fábio Mesquita ressaltou que a questão deve ser esclarecer as informações erradas sobre a Aids, melhorar a informação para que as pessoas sofram menos, como faz a Agência Aids e o Dr Maravilha. “Fora do Brasil, o preconceito em países pobres ainda é muito grande. A imprensa trabalha para mudar esse conceito. Foram testadas vacinas, sem grande retorno, mas a ciência requer investimento. Veja a capacidade de recursos para a Covid, pois atinge todas as classes sociais e raças. Por isso, houve grande mobilização da ciência para chegar à vacina. É possível diminuir a transmissão e a mortalidade (700 mil óbitos em 2020). Com a Covid-19, houve impacto no tratamento e no cumprimento da mandala de prevenção”, explica o epidemiologista.

Dr Maravilha resume: “É preciso combater o negacionismo em todas às áreas, valorizar a ciência, democratizar o tratamento”.

A doação de cestas básicas para pessoas com HIV e AIDS em situação de vulnerabilidade vai até 25 de junho: https://linktr.ee/agenciaaids.

O Camarote Virtual Solidário é um evento social, organizado pela Agência de Notícias da Aids e tem o apoio do SESC, do Senac, das farmacêuticas GSK ViiV Healthcare, Jansen e Gilead, da DKT do Brasil, de Mulheres no E-Commerce e da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo. Contamos também com a parceria do site Catraca Livre que vai transmitir o evento conosco.

 

Vera Moreira/ Assessora de Imprensa do Camarote Virtual Solidário

Comentários Facebook
Veja Também:  Judiciário incentiva “entrega voluntária” para mães que não têm condições de criar filhos
Continue lendo

Geral

Dicas para os comerciantes ele elevarem seus negócios ainda neste ano

Publicados

em

Não só as grandes marcas foram prejudicadas pela pandemia, os varejistas também; Especialista em negócios cita quatro maneiras de se reinventarem

Os tempos não estão sendo fáceis para quem possui o próprio negócio, pois vira e mexe as diretrizes de isolamento social impõe fechamentos e aberturas de comércios, impossibilitando o fluxo de funcionamento e desanimando o trabalhador em relação a sua renda mensal.

Para que os comerciantes não desanimem com o ofício, convidamos o especialista e empresário em negócios Gérlio Soares Figueiredo  para dar dicas de como driblar os empecilhos e voltar a lucrar. “Não é fácil ser comerciante, principalmente, no atual momento que estamos vivendo. No entanto, ter o próprio empreendimento exige persistência, esforço e muita criatividade”, disse o habilitado, que também acrescenta.

“Sabemos que os processos demandados por um comerciante são: pagamentos de impostos, contas, compras de materiais, pagamentos de funcionários, controle de estoque, precificação, divulgação e uma série de coisas que demandam tempo. Feitas neste período de pandemia, o qual se vê obrigado a fechar as portas para evitar contágios, a conta no final do mês não fecha”, completa.

Abaixo, o especialista classificou cinco maneiras de manter o negócio ativo, mesmo com o estabelecimento fechado. “São dicas o qual quero contribuir para a melhor percepção do comerciante sobre a realidade e maneiras práticas para ele voltar a lucrar”, enfatiza.

1) Organize as suas finanças: “Esse é um dos principais fatores para se obter sucesso, organização financeira. Procure anotar tudo, como valores gastos, lucro e faça uma projeção, caso novamente tenha que deixar seu estabelecimento fechado por um período”.

2) Crie as oportunidades: “Não deixe de trabalhar só porque seu espaço físico está fechado, use o e-mail e até mesmo Whatsapp para convidar clientes a sua loja. Crie primeiro uma lista de transmissão e envie uma mensagem perguntando quem gostaria de receber suas ofertas, assim você passa a enviar só para quem autorizou. Depois é só elaborar um bom texto, uma boa foto dos produtos e fazer o envio”.

3) Use o mundo digital a seu favor: “Todos nós estamos nas redes, Inclusive os consumidores, ou seja o seu cliente está lá. Crie um perfil, seja no Facebook ou no Instagram, e divulgue sua marca, mantenha um relacionamento e faça promoções. Vendas pela internet, pode ser complicado, então aconselho a ajuda de alguém especializado”.

4) Fique de olho na concorrência: “É importante saber o que está acontecendo no ramo, porque assim o comerciante pode elaborar novas ideias”, finalizou.

Sobre Gérlio Figueiredo

O empresário Gérlio Soares Figueiredo, já acumula vasta experiência em diferentes nichos de mercado, como transportes, construção civil, pecuária, factoring, indústria de vestuário e entretenimento. Empreendedor e dinâmico, Gérlio já possibilitou o emprego de aproximadamente 350 pessoas por todos os segmentos que passou.

Fotos de Gérlio Figueiredo / créditos: Arquivo Pessoal

Demais imagens / créditos: Pixabay

Fonte: Raphael Lucca – MF Press Global 

Comentários Facebook
Veja Também:  Judiciário incentiva “entrega voluntária” para mães que não têm condições de criar filhos
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

"2021" QUAIS SÃO AS SUAS EXPECTATIVAS PARA ESTE ANO QUE SE INICIA

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana