conecte-se conosco


Mulher

Quem são as cunhadas? Vídeos de esposas de presidiários viram febre

Publicados

em

As redes sociais se tornaram um ambiente de apoio as mulheres que enfrentam a solidão do afastamento dos seus parceiros.
Arquivo pessoal

As redes sociais se tornaram um ambiente de apoio as mulheres que enfrentam a solidão do afastamento dos seus parceiros.

O TikTok tem proporcionado cada vez mais visibilidade a grupos que antes eram ignorados, mas, que agora, conseguem conquistar um pouco mais de espaço e compartilhar suas histórias e realidades. Um deles são as esposas de homens encarcerados, as chamadas “cunhadas”, que se tornaram um sucesso na rede social, com vídeos que chegam a marcar, até o momento, 43 mil visualizações. Neles, as mulheres mostram a rotina de visitas à cadeia e cuidados com os companheiros. 

O termo “cunhada” não é nada novo. É usado já há bastante tempo, devido aos homens presos, muitas vezes, enxergarem os seus companheiros de cela como irmãos, sendo assim, suas esposas se tornam cunhadas uns dos outros. 

Quem são as cunhadas? 

Marta Carolina de 24 anos, possui um perfil no TikTok  com  232, 7 mil seguidores, onde ela compartilha a rotina dela. A mulher conta que conheceu o companheiro por amigos em comum e que no começo ela não gostou muito dele, mas que logo eles criaram uma forte amizade. 

“Essa história é engraçada, porque quando eu conheci o meu esposo, eu não gostava dele. Ele trabalhava para uma amiga minha e ela acabou nos apresentando, mas eu achei ele muito metido. Nós até discutimos no primeiro dia em que nos conhecemos. Mas depois de um tempo, eu acabei conhecendo ele e realmente gostei, criamos uma amizade”, diz Marta. 

Atualmente casados, ela relembra o impacto que sentiu ao ter o marido preso e que apesar do sentimento de solidão e luto que vivenciou, ela afirma nunca ter cogitado a ideia de abandonar o esposo. 

“Os policiais invadiram a minha casa, vasculharam tudo, mas eu falei para ele ficar em paz e disse ‘porque eu vou estar com você’. Em nenhum momento eu pensei em desistir do meu relacionamento ou da minha família. Eu sei que o que ele fez foi errado e sabia que iria doer e ser difícil, mas para ter a minha família de volta, eu vou ter que passar por tudo isso sozinha, sabendo que agora era só eu contra o mundo”, afirma. 

O sentimento de abono e solidão são frequente entre as companheiras de homens presos. Letícia Nascimento de 27 anos, foi uma das primeiras criadoras de conteúdo “cunhada”. Hoje com um perfil no TikTok com 128,5 mil seguidores, ela também vivenciou os mesmos sentimentos. Semelhante à Marta, ela conheceu o esposo por amigos em comum e acabou entrando em depressão após a prisão do marido. 

Veja Também:  Pobreza menstrual afeta a saúde física e mental de mulheres e meninas

“Sofri muito, sofro até hoje, todos os dias eu luto contra os meus próprios pensamentos. Porque ele é meu companheiro de tudo, nos damos muito bem em todos os sentidos. A prisão dele foi muito triste para mim e é até hoje. Mas eu me mantenho sempre de  cabeça erguida”,  fala Letícia. 

Redes sociais como rede de apoio na internet

Letícia conta que não tinha o hábito de compartilhar com frequência a vida pessoal na internet, mas que um dia por acaso, decidiu postar a própria rotina e acabou encontrando uma comunidade que ofereceu o apoio em meio ao sentimento de solidão. 

“Eu não tinha nem costume de postar no TikTok, mas eu via outras pessoas publicando a própria rotina e eu pensei por que não fazer da minha realidade? O que eu estou vivendo? E aí  bombou, eu acordei e estava viralizada, as pessoas estavam gostando. Hoje muitas meninas já se inspiram em mim. Chega até ser engraçado quando algumas me pedem para tirar foto ou quando eu respondo elas no Instagram e elas dizem ‘eu não acredito que você me respondeu’. Eu ainda não acostumei ainda com essa repercussão”, conta. 

Marta foi uma das mulheres que acabaram se inspirando no conteúdo “cunhada”, vendo como as postagens de outras mulheres que vivem a mesma realidade do que ela que a consolava, ela decidiu também a compartilhar o seu dia a dia. 

“Quando eu comecei a fazer vídeo na internet, eu me espelhei em algumas meninas que eu vi de outros estados, elas postavam memes sobre ter relacionamento com preso, sobre as visitas e aquilo meio que me tirou da tristeza que eu estava naquele momento, me deu uma força muito grande. Por isso, comecei a postar sobre os meus perrengues, como no dia em que eu não entrei no presídio. Eu sempre quis pegar o meu sofrimento e de alguma forma transformar ele em ajuda para  outras pessoas iguais a mim. Quando eu comecei eu estava completamente sozinha e perdida e não teve ninguém para me dar um apoio e me estender a mão. Eu me sinto na obrigação de  alguma maneira ajudar essas meninas, porque elas também me dão muita força”, diz Marta. 

Abandono da família e do estado 

A realidade para muitos detentos é o completo abandono do estado e da família após o encarceramento, o que acaba por dificultar a ressocialização destes homens quando eles saem da cadeia. Para a Mestre em Direitos e Garantias Fundamentais, Magali Gláucia Oliveira, alguns dos problemas enfrentados pelos presidiários e as famílias é a dificuldade ao acesso às casas penitenciarias e a falta de profissionalização  desses detentos. 

Veja Também:  Dinheiro no bolso: dicas para atrair fortuna!

“Existem presídios com grandes dificuldades de acesso, normalmente não passa ônibus, ou circular próximo desses lugares, ou se passa é apenas uma vez ao dia. O que acaba por ser muito custoso e muito difícil para muitas famílias.  Além disso, a falta de mais trabalho nos presídios, que possibilitaria uma reinserção social, também se toram facilitadores para que esse homem volte à criminalidade”, explica a especialista. 

Em seus vídeos, Marta, uma das cunhadas, aborda com propriedade essa realidade e tem consciência sobre a importância do apoio familiar para que a pessoa em situação de encarceramento não volte ao crime após ser liberto. 

“A gente está junto com eles por amor e não pelo crime. O homem quando ele cai na unidade prisional, ele fica muito carente e acaba criando uma ilusão na mente dele, em que eles muitas vezes acreditam que realmente vão sair daquela vida. Porém, quando são libertos, eles acabam voltando a cometer os mesmos erros. É o que eu falo para o meu marido, não adianta tá lá dentro e falar que mudou, eu vejo a mudança quando estiver na rua, no dia a dia dele. A gente conhece a mulher e o homem quando ele vem para rua e ganha liberdade” declara Marta. 

Mulheres encarceradas não recebem o mesmo apoio 

Embora as mulheres demonstrem lealdade e companheirismo aos seus parceiros, o mesmo não acontece quando as mulheres são presas. Em muitos casos, elas são abandonadas por seus parceiros. Segundo a advogada Magali Gláucia Oliveira, existem diversos fatores que contribuem para esse abandono, como a idealização de fragilidade feminina, a dificuldade de deslocamento até os presídios e a falta de visitas intimas em muitas penitenciárias femininas. 

“Os homens quando tem uma mulher presa, eles se afastam imediatamente em sua maioria, porque para eles é um absurdo ter uma mulher que não cumpriu com o seu papel de fragilidade imposto socialmente. Outro dificultador são o pequeno número de penitenciarias femininas, o que faz com que diversas mulheres sejam presas em lugares muito distantes de suas famílias. Além disso, muitos desses presídios não permitem visitas intimas”, esclarece Oliveira.

Magali também afirma que o abandono do estado com pessoas encarceradas se intensifica com as desigualdades de gênero, especialmente por essas mulheres romperem com as expectativas sociais colocadas sobre o sexo feminino. 

“A mulher que cometeu um crime ela é muito mais julgada do que um homem na mesma situação. Porque ela rompe com aquilo que entendemos como  ‘feminilidade’. Com o papel dela de mãe, protetora e cuidadora. Se tornando esquecida e invisibilizada muito mais do que o homem infrator”, conclui a advogada. 

Agora você pode acompanhar todos os conteúdos do iG Delas pelo nosso canal no Telegram.  Clique no link para entrar no grupo. Siga também  o perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Propaganda

Mulher

Rômulo Arantes Neto posa com apenas uma toalha preta

Publicados

em

Mario Testino  fez o ensaio com Rômulo Arantes Neto
Reprodução/Instagram

Mario Testino fez o ensaio com Rômulo Arantes Neto

Conhecido por sua ousadia, o fotógrafo peruano Mario Testino, já fotografou inúmeras celebridades, como a Madonna e a Lady Di. Entre os seus ensaios mais famosos com artistas brasileiros, fotos posadas nuas com apenas algumas toalhas têm se tornado as favoritas do fotógrafo, já tendo posado para ele nomes como Bruna Marquezine e Cauã Reymond. 

Entre no canal do iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais!

Recentemente, o mais novo famoso que adentrou à seleta lista de modelos do fotógrafo foi o ator Rômulo Arantes Neto, que teve a sua foto divulgada no domingo (07), aparecendo apenas de óculos escuros e com uma pequena toalha preta cobrindo as partes íntimas. 

Veja Também:  Dia do Anjo Mihael: Aprenda rituais angelicais para melhorar sua vida

Siga também o perfil geral do Portal iG no Telegram!

“BLACK TOWEL, ROMULO ARANTES, 2022”, escreveu Mario Testino  na legenda da publicação. 

Além de Rômulo, a topmodel Isabeli Fontana também posou para Testino, em uma foto ousada a beira da piscina com uma toalha preta no ombro que corre por seu corpo.


Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Agosto lilás: Violência patrimonial restringe independência feminina

Publicados

em

Por

No Brasil, milhões de mulheres sofrem com a violência patrimonial todos os dias
Foto: Unsplash

No Brasil, milhões de mulheres sofrem com a violência patrimonial todos os dias

Em celebração aos 16 anos da Lei Maria da Penha, o mês de agosto é conhecido como o mês da luta contra a violência doméstica. A lei, que foi criada em 7 de agosto de 2006, estabelece 46 artigos que buscam proteger a integridade física e psicológica da mulher. 

Entre as formas de violência doméstica descritas na legislação federal, uma das menos conhecidas e debatidas pelos brasileiros é a violência patrimonial.

O artigo 7 da Lei Maria da Penha define a violência patrimonial como “qualquer conduta que configure retenção, subtração, destruição parcial ou total de seus objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e direitos ou recursos econômicos, incluindo os destinados a satisfazer suas necessidades”.

Na maioria dos casos, as vítimas são mulheres que não têm fonte fixa de renda e dependem de parceiros para sobreviver. “Diversos motivos podem prender uma mulher nessa armadilha, como a dependência financeira e o medo de prejudicar os filhos. Porém, a questão emocional tende a pesar mais’’, afirma Lana Castelões, advogada de família da Albuquerque Advogados.

Entre no canal do iG Delas  no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais!

De acordo com a especialista, esse tipo de violência ainda é pouco denunciada no país. “A violência patrimonial é comum, porém subnotificada, tendo em vista que, na maioria dos casos, as vítimas desconhecem a possibilidade de registrar a ocorrência’’.

Para a advogada, as vítimas não têm conhecimento das medidas legais que podem guiar a situação. Desde 2015, a falta de pagamento de pensão também se enquadra na lei. “Muitas pessoas não sabem que esse crime se encaixa quando um responsável legal, que tem recursos financeiros, deixar de pagar pensão alimentícia para a mulher’’.

Desigualdade

A desigualdade de gênero é um fator predominante nesse crime. As demandas de casa e o cuidado com os filhos geralmente restringem as mulheres na posição de ‘dona de casa’. Sem a chance de trabalharem ou conquistarem a independência financeira, essas vítimas passam a depender financeiramente e emocionalmente dos parceiros.

A pesquisadora Clara Fagundes reflete que, nos últimos anos, as mulheres ganharam mais espaço no mercado, mas ainda não existe liberdade para o gênero. ‘’Mulheres ainda são impedidas de buscar a independência financeira, seja por regras religiosas ou políticas que prejudicam a ascensão materna no mercado, seja por relações familiares abusivas ou crenças machistas’’.

A profissional afirma que a falta de representatividade, a dissociação do feminino à ideia de liderança, a priorização do amor romântico, a sobrecarga feminina com os trabalhos domésticos e a ideia sexista de que existem trabalhos de homem e de mulher são os principais fatores que afastam as mulheres dessa liberdade.

Mulheres não conseguem se libertar da violência patriarcal por diversos fatores
Foto: Fundação CEPERJ

Mulheres não conseguem se libertar da violência patriarcal por diversos fatores

“A cultura patriarcal também impacta as mulheres de forma individual. A falta de confiança é um obstáculo para muitas na busca pela sua independência. Esse fenômeno pode ser chamado de “síndrome da impostora” e leva mulheres a questionarem sua capacidade todos os dias, em casa ou no trabalho’’.

Veja Também:  Pobreza menstrual afeta a saúde física e mental de mulheres e meninas

Para Fagundes, a falta de oportunidades no mercado pressiona mulheres a continuarem em relações abusivas e degradantes. “Mulheres com poder de decisão sobre a própria vida costumam ser também independentes financeiramente’’, declara.


Por mais que não existam dados nacionais sobre a violência patrimonial, o Dossiê da Mulher, produzido no Rio de Janeiro, conseguiu datificar as problemáticas em torno desse crime. De acordo com a análise, que é realizada anualmente no estado carioca, 79,3% dos casos dessa violência foram praticados dentro de casa.

Furto de documentos é uma forma de violência patrimonial que tenta apagar a liberdade e identidade de mulheres
Foto: André Leonardo

Furto de documentos é uma forma de violência patrimonial que tenta apagar a liberdade e identidade de mulheres

Entre os tipos de crime, 50,4% foram de dano, 41,8% foram violação de domicílio e 8,8% foram de roubo de documentos.

Uma das mulheres que tiveram de lidar com a violência patrimonial foi a vendedora C.I*. O crime aconteceu sem que ela percebesse: ‘’Eu tinha um relacionamento há 6 anos e era casada há 3 anos. Um dia, eu saí para trabalhar e, quando retornei, ele tinha vendido todas as minhas coisas’’, diz. “Ele sumiu com tudo, só estavam minhas roupas por lá’’.

O parceiro, na época, chegou a deixar os filhos de C.I* passarem fome. Depois dessa situação, ela percebeu que precisava terminar a relação. ‘’Foi aí que eu dei um basta em tudo’’.

Para a matriarca, é necessário muita força e coragem para conseguir ser independente. ‘’Seja forte e corajosa para dar um basta. Pode parecer o fim, pode parecer que nada mais tem faz sentido e que a dor nunca vai passar. Com o tempo, eu juro que a dor vai embora’’, finaliza.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana