conecte-se conosco


Saúde

SBPC: Brasil tem estrutura e conhecimento para enfrentar pandemias

Publicados

em

A possibilidade de uma nova pandemia, ou mesmo de uma nova onda de covid-19, preocupa a todos: população, autoridades e especialistas. A fim de saber se o país está preparado para uma outra pandemia, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) teve hoje (27), como conferencista na 74ª reunião anual, em Brasília, o professor e epidemiologista Pedro Hallal, da Universidade Federal de Pelotas (RS).

Segundo o especialista, em termos de infraestrutura e de produção de conhecimento, o país está, sim, preparado. Ele, no entanto, faz um alerta: “Criamos uma fantasia coletiva de que o melhor jeito de enfrentar pandemias é com tratamento. Isso é insuficiente. O que se deve fazer nesse tipo de situação é evitar que as pessoas fiquem doentes”, disse ele, ao afirmar que, no caso de pandemias, o olhar epidemiológico deve ser priorizado em um primeiro momento, em vez do olhar clínico.

“O Brasil tinha capacidade e inteligência para enfrentar a pandemia, mas não o fez de forma adequada. Quando se tem uma cardiopatia, busca-se um cardiologista. Se o problema está nos olhos, busca-se um oftalmologista. No caso de uma pandemia, é o epidemiologista a pessoa natural para ser ouvida, mas infelizmente não foi o que ocorreu no Brasil”, argumentou.

Para ele, foi um erro adotar inicialmente um “olhar clínico, individualizado, em vez de epidemiológico, que é coletivo”, acrescentou.

Varíola dos macaco

A demora do poder público para tomar decisões pode, segundo ele, facilitar o avanço da varíola dos macacos, que já registra quase 900 casos no Brasil. A doença já foi classificada como “muito preocupante” pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Veja Também:  Covid-19: Estado do Rio vai flexibilizar uso de máscaras

“Não tenho dúvida da gravidade. Faço, no entanto, uma ressalva: pelo nosso histórico, temos mais capacidade de saber o que fazer do que tínhamos no começo da covid-19. Mas é algo que deve ser feito rapidamente. Se demorarmos, a coisa pode complicar”, sugere o epidemiologista.

Nesta semana, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que o Brasil “fez o dever de casa” diante do surto de varíola dos macacos desde o início da epidemia. Durante a abertura de um workshop sobre vigilância em saúde promovido pelo ministério, Queiroga disse que o Brasil se preparou para lidar com o vírus, providenciando laboratórios para diagnóstico, identificação dos casos e isolamento dos pacientes.

Conhecimento e infraestrutura

Hallal elogiou a produção de conhecimento desenvolvida no país para lidar com situações de pandemia. “Temos quase 100 projetos de pós-graduação em saúde coletiva, sendo 55 acadêmicos e 41 profissionais”, disse ele, ao destacar o fato de o país ter “uma rede de universidades públicas que concentra mais de 90% da produção científica nacional”.

A fim de manter a qualidade das pesquisas brasileiras, o professor alerta sobre a questão da “fuga de cérebros” que tem se intensificado no meio acadêmico nacional, com “muitos bons alunos deixando o país para desenvolver pesquisas no exterior”.

Na avaliação de Hallal, o país conta com “o maior sistema de saúde pública do mundo” – no caso, o Sistema Único de Saúde (SUS). “Temos também UBSs [unidades básicas de saúde] perto da casa de cada brasileiro e somos referência mundial em vacinação”, argumentou.

Pandemia e questões sociais

Segundo Hallal, o primeiro desafio a ser encarado para evitar que novas pandemias se espalhem pelo território nacional está relacionado à questão da desigualdade social. “O Brasil já foi o segundo ou o terceiro país mais desigual do mundo. Isso está diretamente relacionado ao potencial [de avanço] das pandemias”, disse.

Veja Também:  Casos de varíola dos macacos chegam a 76 em todo o país

Ainda na abordagem sobre a relação entre questões sociais e pandemia, o epidemiologista lembrou que a covid-19 chegou ao Brasil via aeroportos, trazida por pessoas que fizeram turismo no exterior. “Nos primeiros meses, os 20% mais ricos do país eram os que corriam maior risco. Mas logo em seguida a pandemia passou a matar mais pobres do que ricos. Tivemos então um cenário de desigualdades ainda mais acirradas”, destacou.

Comunicação científica

Hallal, na condição de cientista, fez um mea culpa ao falar sobre as dificuldades do meio acadêmico para falar de forma acessível com os cidadãos. Segundo ele, o uso de linguagem simples sobre estudos científicos evitaria que a população fosse convencida tão facilmente pelas notícias falsas veiculadas na internet.

“Temos de ser menos arrogantes para que a população tenha acesso e entenda o que estamos produzindo. É impressionante a dificuldade que vejo até mesmo em meus doutorandos para explicar, sem linguagem acadêmica, o que estão fazendo. É um exercício muito importante inclusive para falarmos com a mídia”, disse.

A opinião de Hallal foi corroborada pela coordenadora do Laboratório de Gases de Efeito Estufa do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Luciana Gatti, que também estava presente na conferência. “Precisamos socializar o conhecimento e a ciência para evitarmos que terraplanistas e negacionistas ocupem esse espaço”.

Edição: Bruna Saniele

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Covid-19: Brasil registra 22.167 casos e 206 mortes em 24 horas

Publicados

em

O Brasil registrou, em 24 horas, 22.167 casos de covid-19 e 206 mortes pela doença. Desde o início da pandemia, são 34,245 milhões de casos confirmados e 682.216 óbitos, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (18) pelo Ministério da Saúde.

De acordo com o boletim, há 33,16 milhões de pessoas que contraíram a doença se recuperaram, o que representa um índice de cura de 96,8%. Há ainda 407.001 casos em acompanhamento.

O boletim não apresenta os dados de mortes atualizados do Mato Grosso do Sul.

Estados

O estado com maior número de casos e mortes é São Paulo, com 5,99 milhões e 173.839, respectivamente. Em relação ao número de casos, o estado do Sudeste é seguido por Minas Gerais (3,86 milhões) e Paraná (2,72 milhões). Os menores índices estão no Acre (147.922), Roraima (174.184) e Amapá (177.892).

Em relação às mortes, São Paulo também lidera com 173.839, seguido por Rio de Janeiro (75.250) e Minas Gerais (63.365). Os menores índices estão no Acre (2.027), Amapá (2.157) e Roraima (2.167).

Veja Também:  Covid-19: Estado do Rio vai flexibilizar uso de máscaras

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Complexo da Maré teve letalidade por covid duas vezes maior que o Rio

Publicados

em

O Complexo de Favelas da Maré, na zona norte do Rio de Janeiro, chegou a ter uma letalidade duas vezes maior que a capital fluminense no primeiro ano da pandemia da covid-19, mas a intervenção de um projeto que reuniu pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e ativistas da organização não governamental Redes da Maré atenuou o impacto da doença a partir de setembro de 2020.

Os resultados dos projetos Vacina Maré e Conexão Saúde: De olho na Covid-19 foram apresentados hoje (18) no seminário Olhares sobre a Covid em favelas: ciência, participação e saúde pública, promovido pela Fiocruz, no Rio de Janeiro.

O virologista Thiago Moreno descreveu em sua apresentação sobre o mapeamento das variantes genéticas do coronavírus que circularam na Maré que, em julho de 2020, as comunidades do complexo já concentravam 93 óbitos por covid-19, o que representava uma letalidade de 15% em relação aos 592 casos confirmados até então.

“A mortalidade era o dobro que a da cidade do Rio de Janeiro. A gente ficou com a nítida percepção de que era importante entender o que estava acontecendo nessa região”, disse Moreno, vinculado ao Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz)

O pesquisador vê as condições de vida no complexo de favelas como fatores que estavam ligados a essa maior letalidade, já que a alta densidade populacional e a baixa renda dificultam o isolamento domiciliar e facilitam a transmissão do vírus. A Maré é um complexo de 16 comunidades com cerca de 140 mil habitantes, distribuídos em apenas 5 quilômetros quadrados.

Veja Também:  Covid-19: Estado do Rio vai flexibilizar uso de máscaras

Agravam a qualidade de vida dessa população problemas de saneamento básico, moradias pouco ventiladas e violência urbana, já que diferentes facções criminosas disputam o território, onde ocorrem tiroteios e operações policiais.

A pesquisadora Amanda Batista, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), participou do Conexão Saúde e comparou dados que mostram a evolução da pandemia no complexo após a intervenção do projeto, que foi responsável pela notificação de mais de 97% dos casos de covid-19 na Maré, já que foram realizados 29,5 mil testes RT-PCR e 5,5 mil atendimentos de telemedicina até abril de 2021.

O período de setembro de 2020 a abril de 2021 teve 124% mais casos notificados que os meses anteriores da pandemia, mostrando uma melhora da vigilância, enquanto os óbitos caíram 62%, e a letalidade, 77%.

Para comparar os dados com outras comunidades cariocas, a pesquisadora mostrou como os números evoluíram no mesmo período na Rocinha, Cidade de Deus e Mangueira. Houve um aumento de menor intensidade nas notificações, de 78%, e uma queda menos acentuada nos óbitos, de 27%, e na letalidade, de 52%.

Entre as ações adotadas pelo Conexão Saúde, além da vigilância, ela destaca a assistência para o cumprimento do isolamento social, em que refeições e itens de higiene e limpeza chegaram a ser fornecidos para que 747 famílias pudessem cumprir a quarentena, interrompendo a cadeia de transmissão do vírus sem comprometer a segurança alimentar.

Diante disso, a pesquisadora defende que a comunidade deve ser envolvida nas respostas de saúde pública às emergências sanitárias, construindo com as autoridades de saúde a solução ideal para cada caso.

Veja Também:  Covid-19: Brasil registra 15,5 mil casos e 26 mortes em 24 horas

“Cada local tem sua peculiaridade. Uma mesma política de saúde não funciona da mesma forma para todos os lugares”, alerta.

Também foram apresentados resultados do projeto Vacina Maré, que promoveu a vacinação contra a covid-19 no complexo de favelas, e obteve taxas de imunização superior à média da cidade e permitiu a realização de estudos de efetividade das vacinas.

Fernando Bozza, pesquisador do INI/Fiocruz, disse que foram acompanhados mais de 5 mil pessoas, e agora os estudos buscam continuar a pesquisa por mais 2 anos, o que permitiria investigar outras doenças.

“Podemos adicionar outras questões e esse é um dos pontos em que hoje estamos pensando muito”, disse. Ele conta com um grupo de voluntários de mais de 3 mil pessoas para os próximos 2 anos de pesquisa. “O ciclo dois é um grande desafio, porque naquele momento havia uma grande mobilização em torno da vacina. A gente ainda está aqui batalhando essa inclusão”.

Na abertura do seminário, a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, destacou a parceria da fundação com a sociedade civil e agradeceu o empenho dos pesquisadores e voluntários que integraram o projeto.

“Temos que pensar, sempre, que além de apontar as desigualdades temos que apontar a potência dos movimentos sociais, das parcerias e associações para superar esse quadro e aprender com ele. A experiência da Maré é muito importante para seus moradores e para a Fiocruz”, ressaltou.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana