conecte-se conosco


Mato Grosso

Seciteci entrega materiais pedagógicos para alunos Mediotec de Técnico em Agropecuária

Publicados

em


A Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Seciteci) entregou materiais pedagógicos para as Escolas Técnicas Estaduais (ETEs) realizarem as aulas do curso Mediotec, de Técnico em Agropecuária, em nove municípios fora de sede. 

Ao todo 342 alunos iniciaram o curso de forma híbrida. Segundo o secretário da Seciteci, Nilton Borgato, o curso Mediotec é realizado em parceria com o Governo Federal, por meio do programa Novos Caminhos e, tem como objetivo, capacitar o maior número de profissionais para o mercado de trabalho.

“O Mediotec é um programa que oportuniza aos alunos da rede pública cursar ao mesmo tempo, um curso técnico. Esta ação é focada em oportunizar a estes jovens o ingresso ao mercado, logo após a conclusão dos estudos, e, assim diminuir as desigualdades sociais e ampliar a geração de emprego e renda no Estado”, informou o gestor.

O secretário adjunto de Educação Profissional e Superior da Seciteci, Stephano Benevides do Carmo, fez algumas visitas técnicas em unidades escolares que estarão sediando as aulas. Na ocasião, ele reforçou que Mato Grosso é um dos estados que mais cresce e gera empregos formais, portanto, é importante preparar os jovens para o mercado de trabalho.

Veja Também:  Detran-MT realiza 692 atendimentos na primeira semana do Mutirão Fiscal

“Estive nos municípios de Alto da Boa Vista e Querência, que estão ligados a Escola Técnica de Barra do Garças, onde participamos da aula inaugural e entregamos materiais pedagógicos, para que estes alunos tenham o melhor desempenho nas aulas. É o Estado cumprindo seu papel social, investindo no ensino técnico para formar mão de obra qualificada. Essa é a orientação do governador Mauro Mendes e do nosso secretário da Seciteci Nilton Borgato”, explicou.

O secretário de Cultura de Alto Boa Vista, Márcio Américo, que já foi aluno da Seciteci, acompanhou a ação. Na oportunidade, ele reforçou a importância do ensino profissionalizante para ingressar no mercado de trabalho.

“Um curso técnico torna o jovem, que muitas vezes não tem perspectiva nenhuma, no autor da sua própria história. Estamos felizes por poder oportunizar uma nova chance para estes alunos, que com certeza sairão do curso empregados. Além disso, esta ação movimenta a economia local e promove o crescimento da região”, disse.

As turmas serão coordenadas por cinco Escolas Técnicas do Estado: Barra do Garças (Querência e Alto Boa Vista), Sinop (em União do Norte, que é distrito de Peixoto de Azevedo), Alta Floresta (Colniza e Conselvan, que é distrito de Aripuanã), Lucas do Rio Verde (em Santiago do Norte, distrito de Paranatinga) e Tangará da Serra (responsável por Campos de Júlio, Mirassol D’Oeste e Pontes e Lacerda).

Veja Também:  Procon Estadual faz alerta sobre "golpe do delivery"

“Estamos levando educação profissional em lugares distantes, atendendo as necessidades destas regiões. Ao todo são onze turmas, pois em alguns municípios a demanda foi muito alta, então abrimos duas. Os cursos são ofertados em cidades localizadas no entorno das Escolas Técnicas, que serão responsáveis por todo suporte e atendimento delas” explicou o adjunto.

Entre os materiais distribuídos estão cadernos, livros, canetas, mochilas, botinas e camisetas. Além disso todo material necessário para aulas práticas também serão fornecidos.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Propaganda

Mato Grosso

Presidente do STF proíbe mais uma investida do TJMT nos poderes de cautela do TCE-MT

Publicados

em


Tony Ribeiro/TCE-MT

Pela segunda vez neste ano, a Consultoria Jurídica Geral do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) assegurou, por meio de Suspensão de Segurança proposta junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), o poder geral de cautela ao órgão de controle externo. A decisão proferida nesta terça-feira (22) pelo presidente do STF, ministro Luiz Fux, suspendeu os efeitos de decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).

Nos autos, Fux asseverou que os acórdãos do TJMT que limitavam, indevidamente, o escopo do poder geral de cautela exercido pelo Tribunal de Contas causam grave risco à ordem e economia públicas.

Isso porque, de acordo com o consultor jurídico-geral da Corte de Contas, Grhegory Paiva Pires Moreira Maia, de forma resumida, o TJMT pretendia impedir o TCE-MT de conceder ‘liminares inaudita altera parte’, ferramenta jurídica utilizada quando verificado urgente risco a algum direito, sendo necessário acautelá-lo sem a oitiva prévia da parte.

“O pedido de suspensão de segurança 5505 foi proposto diretamente ao STF depois que duas decisões do TJMT ceifaram, de forma inconstitucional, os poderes da Corte de Contas de Mato Grosso. Caso não houvesse correção imediata deste entendimento, poderiam ocorrer danos graves ao erário do Estado e dos municípios, além de outros bens jurídicos em jogo nos processos que correm no TCE-MT”, argumentou o consultor jurídico-geral.

Veja Também:  Hotéis venderam mais diárias no ano passado

Ainda conforme Grhegory Paiva é irrazoável e ilógico afirmar que os tribunais de contas têm poder geral de cautela, mas negar-lhes a possibilidade de expedição excepcional. “Ninguém está defendendo banalização de cautelares sem ouvir a parte”, sustentou no pedido de suspensão.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, também foi favorável ao TCE-MT. “Importa grave risco de dano à ordem pública, na acepção jurídico-constitucional, a cassação de medidas cautelares deferidas por Tribunal de Contas quando ausentes ilegalidades ou teratologia”, pontuou.

Esta foi a segunda vez neste ano que o TCE-MT precisou recorrer ao STF para afastar limitações inconstitucionais aos seus poderes de controle.

Secretaria de Comunicação/TCE-MT
E-mail: [email protected]
Flickr: clique aqui

Fonte: TCE MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Seduc esclarece comunidade sobre mudanças em escolas do Grande Cristo Rei

Publicados

em


A secretaria de Estado de Educação esclarece que o redimensionamento da Educação Básica é uma ação de planejamento da rede pública estadual e municipal. É feito com base nas necessidades e particularidades de cada município.

Em Várzea Grande, a Seduc vai ceder o prédio da Escola Heroclito Leôncio Monteiro, no bairro Cristo Rei, para o município de Várzea Grande. O redimensionamento, neste caso, também envolve a Escola Estadual Dom Bosco, localizada na mesma região. Para tirar dúvidas da comunidade escolar e explicar como será essa etapa do redimensionamento, a Seduc realizou uma reunião na unidade nesta terça-feira (21.09).

Hoje, a Escola Heroclito Leôncio Monteiro possui 492 estudantes matriculados, sendo 241 nos anos iniciais do Ensino Fundamental e 251 nos anos finais do Ensino Fundamental.

A Escola Dom Bosco atende 639 alunos, sendo 291 nos anos iniciais do Ensino Fundamental e 348 nos anos finais.

Planejamento para 2022

Recebendo o prédio da Escola Heroclito, a partir de 2022, o planejamento da secretaria municipal de Educação é atender estudantes do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental e vai abrir matrículas para crianças de 4 e 5 anos.

Veja Também:  Seduc prepara retorno das atividades presenciais para fevereiro; unidades de ensino seguirão protocolos de biossegurança

Além dos 241 alunos dos anos iniciais que já estão na escola, vai receber os 291 da Escola Dom Bosco.

A Escola Dom Bosco continuará atendendo os 348 estudantes dos anos finais do Ensino Fundamental e receberá os 251 dos anos finais da Heroclito.

Entenda o redimensionamento

O redimensionamento cumpre a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB – 9.394/96), que passou a ser estruturada por etapas e modalidades de ensino, englobando a Educação Infantil, o Ensino Fundamental obrigatório de nove anos e o Ensino Médio.

Trata-se da organização dos alunos que estão na mesma etapa/modalidade em uma única unidade escolar, otimizando, assim, o espaço existente, ampliando o número de vagas, buscando garantir o acesso à educação básica.

O reordenamento das estruturas físicas de educação inclui a cessão de uso de escolas aos municípios, transferência de alunos para outras unidades e entrega dos prédios alugados pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Nos casos da cessão aos municípios, o Governo dará todo suporte, inclusive financeiro, com as reformas necessárias.

Veja Também:  Deputada mantém voto contra a PEC da Previdência por considerar texto prejudicial aos servidores públicos

Profissionais

O profissional pedagogo pode escolher se permanece na escola que for cedida ao município ou se quer ser atribuído para outra unidade da rede estadual. Vale destacar que o profissional que permanecer na unidade, o Estado fará um termo de cooperação com o município. Esse profissional não terá nenhum prejuízo em sua carreira, continua com o mesmo subsídio e pode participar dos processos seletivos da Seduc.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA ATÉ O MOMENTO A GESTÃO DR. DIVINO PREFEITO DE BARRA DO BUGRES ESTÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana