conecte-se conosco


Carros e Motos

Sucessor do Romi-Isetta, Microlino começa a ser fabricado em série

Publicados

em

source

Microlino 2.0: elétrico passará a ser visto pelas ruas na Europa relembrando o clássico Romi-Isetta
Divulgação

Microlino 2.0: elétrico passará a ser visto pelas ruas na Europa relembrando o clássico Romi-Isetta

Após a apresentação oficial no Salão de Genebra (Suíça), em março de 2016, o Microlino 2.0 finalmente entra em produção. O subcompacto é tido como o sucessor elétrico do Romi-Isetta, que chegou a ser fabricado no Brasil em meados dos anos 50.

Visualmente, não há como não perceber os fortes traços e a inspiração direta no modelo que o originou, com linhas arredondadas, tamanho compacto e, claro, a marca registrada do carrinho com o sistema de abertura da porta frontal, em vez de laterais.

O Microlino 2.0 é equipado com motor elétrico no eixo traseiro que rende até  25 cv de potência , e 12,3 kgfm de torque. De acordo com a fabricante, a velocidade final declarada é de 90 km/h e aceleração de 0 a 50 km/h é feita em 5 segundos.

Veja Também:  Stellantis e Toyota ampliam parceria sobre furgões comerciais

Essa unidade está alimentada por baterias oferecidas em três níveis, de 10,5 kWh a 14 kWh para autonomia que vairia entre 95 a 175 km, sendo que os tempos de recarga levam cerca de quatro horas em qualquer tomada de 220v para 80% da bateria.

Os preços do Microlino 2.0  vão de US$ 15.000 a US$ 18.500, ou algo em torno de R$ 75.800 e R$ 98.500, fazendo uma conversão simples. As primeiras entregas estão previstas para o mercado suíço que já conta com 30.000 encomendas.

Além da versão convencional, o Microlino também estará disponível na versão especial Pioneer Series que inclui detalhes externos em LED, couro ecológico, teto solar e uma mini scooter embutida na área de carga. O preço é de US$ 21.000, ou na conversão, R$ 106.110.

Fonte: IG CARROS
Veja Também:  Chery Tiggo 5x Pro terá nova versão híbrida flex ainda em 2022

Comentários Facebook
Propaganda

Carros e Motos

Vibra investe em rede de carregadores elétricos em postos Petrobras

Publicados

em

Por

Primeiro carregador de carga rápida fica no km 82 da Dutra, em Roseira (SP), sentido Rio de Janeiro
Divulgação

Primeiro carregador de carga rápida fica no km 82 da Dutra, em Roseira (SP), sentido Rio de Janeiro

A Vibra é responsável por postos da Petrobras e está iniciando um forte investimento no setor de energia elétrica e irá instalar 70 eletropostos até 2023.

Com a instalação de carregadores elétricos , a Vibra diversifica sua gama de investimentos e reforça seu compromisso com a transição energética no Brasil, ao oferecer mais alternativas de energia para seus clientes.

O primeiro posto de combustíveis da Petrobras a receber um carregador elétrico ultrarrápido da Vibra é o posto Arco-Íris Roseira, localizado no km 82 da Rodovia Presidente Dutra, em Roseira (SP), na pista sentido Rio de Janeiro.

O carregador terá os padrões mais comuns em carros elétricos no Brasil que são o Tipo 2 Europeu, CCS-2 e CHAdeMO. A saída máxima é de 150 kW em recargas de corrente contínua, em corrente alternada é de 43 kWh.

Veja Também:  Renault Duster 1.3 TCe: agora turboflex, SUV nunca foi tão "gourmet"

Isso significa que dependendo do veículo uma carga de 0 a 80% das baterias em cerca de 20 minutos, e em alguns carros, é o suficiente para chegar ao Rio de Janeiro.

“A escolha de priorizar nossa atuação em postos rodoviários é porque identificamos que hoje a maior dificuldade dos usuários de veículos elétricos está relacionada à falta de infraestrutura de recarga fora dos centros urbanos, o que compromete a experiência do usuário em de longas distâncias”,  afirma Wilson Ferreira Junior, presidente da Vibra.

O plano da Vibra prevê a criação de um corredor elétrico que conectará mais de 7 estados brasileiros até 2023, ligando toda a região Sul e Sudeste do país, à Brasília.

Eletroposto Vibra começa uma nora era da história da Petrobras, com aposta na mobilidade elétrica
Divulgação

Eletroposto Vibra começa uma nora era da história da Petrobras, com aposta na mobilidade elétrica

Outro objetivo da empresa é disponibilizar o serviço de recarga de veículos elétricos em 25% da sua rede de postos até 2030. O projeto inclui também soluções de recarga em locais públicos como estacionamentos, pontos comerciais, shoppings e condomínios, por meio da parceria com a EZVolt.

Veja Também:  JAC elétrico muda de nome e temchegada ao Brasil adiada

O objetivo da Vibra é ser o principal provedor de soluções de recarga e suprimento de energia do Brasil, por meio de uma rede de recarga pública robusta, disponível e conectada.

O processo de eletrificação da rede postos ganhou corpo com o aporte feito pela Vibra na startup EZVolt , que possui a maior rede de eletropostos do Brasil e oferece uma solução completa de recarga para veículos elétricos , com instalação, operação e manutenção dos equipamentos, além de ferramentas de gestão para os proprietários de redes privadas. Neste momento as recargas serão gratuitas e os carregadores elétricos da Vibra nos postos Petrobras estarão integrados com o app do programa de relacionamento da rede Petrobras, o Premmia e cada recarga dará 10 vezes mais pontos no programa.

Em nota, a Vibra anunciou que no futuro o aplicativo do Premmia irá permitir o pagamento da recarga e a programação de quando será necessário realizar outra recarga, baseado no trajeto que o motorista deseja fazer.

Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

Ford inicia exportação de tecnologias desenvolvidas no Brasil

Publicados

em

Por

Centro de desenvolvimento da Ford é incorporado para desenvolver tecnologias mundiais
Divulgação

Centro de desenvolvimento da Ford é incorporado para desenvolver tecnologias mundiais

O Centro de Desenvolvimento da Ford do Brasil anuncia a sua consolidação como exportadora de projetos para filiais da marca, no mundo. Com 1500 funcionários na sede, que fica em Camaçari (Bahia), os principais focos são a mobilidade, eletrificação, conectividade automotiva e automação de veículos. A previsão é a geração de uma receita de R$ 500 milhões em 2022.

O Centro de Desenvolvimento e Tecnologia da Ford Brasil é um dos nove da empresa no mundo e está entre os maiores e mais completos do Hemisfério Sul. Nos últimos meses, as demandas por serviço cresceram em volume e complexidade e, atualmente, 85% do trabalho é focado em projetos globais.

Entre os projetos, a fabricante destaca a criação de elementos visuais para a divisão de carros de luxo americana, Lincoln. Além disso, o time brasileiro foca na implementação de tecnologias eletrificadas em modelos para o mercado global, bem como o desenvolvimento das futuras gerações do sistema de multimídia da Ford.

O time brasileiro também é responsável pela criação e pelo aprimoramento de um terço das funcionalidades embarcadas nos veículos Ford ao redor do mundo, a exemplo do “One Pedal Drive” do Mustang Mach-E – que permite dirigir usando apenas o acelerador, sem acionar o pedal do freio – e da “Zone Lighting”, que controla as luzes externas da F-150 , inclusive da Lightning, sua versão elétrica.

No desenvolvimento dos veículos autônomos , os brasileiros trabalham para adequar a carroceria para posicionamento de sensores, radares e câmeras e seus sistemas de limpeza, com a devida padronização. Quanto à conectividade, desenvolvem softwares, com destaque para a conclusão do sistema de conectividade e monitoramento para a Ford Transit .

A Ford Brasil também investe em pesquisa, com mais de 70 patentes globais conquistadas. Em parceria com o Instituto Euvaldo Lodi (IEL), da Bahia, são, ao todo, mais de 200 profissionais distribuídos em 17 estados brasileiros. Atuam em 120 projetos, a maioria voltada à conectividade, inteligência artificial e big data .

Mas a Ford ainda não confirmou a chegada de nenhum modelo eletrificado no Brasil. A reportagem de iG Carros questionou sobre o Mustang Mach-E  e a picape F-150 Lighting , mas a fabricante nos disse apenas que a chegada de ambos está em estudo e que ainda não há nada definido sobre o início das vendas no país.

Veja Também:  JAC elétrico muda de nome e temchegada ao Brasil adiada

Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana