conecte-se conosco


Economia

Vale teve em 2018 melhor resultado em sete anos, com lucro de R$ 25,6 bilhões

Publicados

em


undefined
Reprodução/Facebook

Vale registrou lucro de R$ 25,6 bilhões em 2018, segundo balanço

A Vale registrou lucro líquido de R$ 25,657 bilhões em 2018, ano que antecedeu a tragédia de Brumadinho, de acordo com balanço divulgado nesta quarta-feira (27) pela companhia. O desempenho foi o melhor da mineradora desde 2011 e representou crescimento de 45,6% na comparação com o ano anterior.

Leia também: MPT pede R$ 5 milhões em danos morais para famílias das vítimas de Brumadinho

No resultado medido em dólares, a Vale
reportou lucro líquido de US$ 6,860 bilhões no ano passado, US$ 1,5 bilhão a mais em relação a 2017. A mineradora atribui o resultado ao avanço da geração de caixa, que é medido pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) e ao menor impacto do resultado negativo proveniente das operações descontinuadas.

No quarto trimestre, a empresa obteve lucro líquido de R$ 14,485 bilhões, apresentando um crescimento de 472% em relação ao mesmo período de 2017. Na comparação trimestral, o lucro aumentou 152% na comparação com o período que compreende julho, agosto e setembro.

Os números não abrangem os efeitos da tragédia de Brumadinho ocorrida em janeiro deste ano. Segundo a companhia, os impactos só poderão ser estimados na divulgação do resultado trimestral. Com o rompimento da barragem
, que tem 216 mortos e 89 desaparecidos, a companhia adiou a divulgação do balanço do mês de fevereiro para março e enfrentou uma troca de comando
.

Veja Também:  Previsão de alta do PIB em 2019 cai pela sexta vez consecutiva

Após o afastamento de Fábio Scharvtsman, ex-presidente, a empresa anunciou Eduardo Bartolomeo, funcionário da Vale há mais de 10 anos, como presidente interino. Solução interna, ele é apresentado pela empresa como “reconhecido por acumular experiências distintas e ao mesmo tempo conhecer o negócio da Vale” e capaz de “manter um diálogo aberto e transparente com os diversos stakeholders (gestores) da companhia”. 

Além do lucro ter sido maior, as dívidas da Vale caíram em 2018. A dívida líquida (que reúne empréstimos e financiamentos menos o caixa) foi para US$ 9,650 bilhões no ano passado, bem abaixo dos US$ 18,143 bilhões registrados em 2017. Já a dívida bruta totalizou US$ 15,466 bilhões, também inferior aos US$ 22,489 bilhões do ano anterior.

“A redução da dívida bruta em relação a 2017 deveu-se, principalmente, ao repagamento de US$ 7,753 bilhões em 2018, incluindo a recompra de bonds com vencimento em 2020, 2021, 2022, 2036 e 2042”, informou a companhia.

Os investimentos em 2018 somaram US$ 3,784 bilhões, uma queda de 1,7% na comparação com o ano de 2017. Em 2018, a companhia investiu US$ 888 milhões em execuções de projetos e US$ 2,896 bilhões na manutenção das operações, de acordo com o balanço.

Veja Também:  Mais de 50% dos pequenos negócios não demitiram funcionários

A produção de minério de ferro da Vale registrou 384,6 milhões de toneladas em 2018, um crescimento de 4,9% ante 2017. Somente no quarto trimestre, a mineradora produziu 101 milhões de toneladas, uma alta de 8,2% na relação anual.

 Pós-Brumadinho para a Vale


undefined
Isac Nóbrega/Presidência da República

Mesmo após Brumadinho, Vale deve lucrar neste ano

Após a tragédia, a Vale suspendeu a política de remuneração aos acionistas da empresas, além de cancelar o pagamento de dividendos e juros sobre o capital próprio. A decisão foi anunciada no fim de janeiro, logo após a tragédia de Brumadinho
, e confirmada pela empresa.

Leia também: Mesmo com tragédia de Brumadinho, Vale deve lucrar em 2019

Mesmo após o deslizamento, a Vale
deverá lucrar em 2019, segundo especialistas. As principais razões são o tamanho da empresa e o boom
do preço do minério de ferro após o ocorrido.

Comentários Facebook
Propaganda

Economia

Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em julho

Publicados

em


Trabalhadores informais nascidos em julho recebem hoje (24) a quarta parcela da nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família.

O pagamento também será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos no mesmo mês. O dinheiro será depositado nas contas poupança digitais e poderá ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a três semanas após o depósito, o dinheiro poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta-corrente.

No último dia 15, a Caixa anunciou a antecipação do pagamento da quarta parcela. O calendário de depósitos, que começaria ontem (23) e terminaria em 22 de agosto, teve o início antecipado para o último dia 17 e será concluído em 30 de julho.

Ao todo 45,6 milhões de brasileiros serão beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial. O auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

Veja Também:  Mais de 50% dos pequenos negócios não demitiram funcionários

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS.

O pagamento da terceira parcela aos inscritos no Bolsa Família começou no último dia 19 e segue até o dia 30. O auxílio emergencial somente será depositado quando o valor for superior ao benefício do programa social.

Em todos os casos, o auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

O programa se encerraria neste mês, mas foi prorrogado até outubro, com os mesmos valores para as parcelas.

A Agência Brasil elaborou um guia de perguntas e respostas sobre o auxílio emergencial. Entre as dúvidas que o beneficiário pode tirar estão os critérios para receber o benefício, a regularização do CPF e os critérios de desempate dentro da mesma família para ter acesso ao auxílio.

Edição: Lílian Beraldo

Veja Também:  Entenda como vai funcionar a prorrogação do pagamento do IPVA

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Ipea: exportações do agronegócio sobem 20,9% no 1º semestre

Publicados

em


A alta no preço das commodities (bens primários com cotação internacional) fez as exportações do agronegócio aumentar 20,9% no primeiro semestre de 2021 em relação ao ano passado, divulgou hoje (23) o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Em valores, as vendas subiram de US$ 50,9 bilhões para US$ 61,5 bilhões.

O principal destaque foi a soja, cujo valor exportado aumentou 25,3% nos seis primeiros meses do ano. O crescimento foi motivado pelo preço, que aumentou 27%. O volume exportado caiu 2,2% de janeiro a junho.

Outro produto que impulsionou as exportações do agronegócio foi a carne (bovina, suína e de frango). O valor exportado aumentou 25,3% no primeiro semestre, com a quantidade subindo 17,3%.

Com 39% do valor exportado, a China continua o principal destino das vendas do agronegócio brasileiro. Em seguida, vêm União Europeia (14,5%) e Estados Unidos (6,4%). Em relação ao primeiro semestre de 2020, os três mercados aumentaram as compras do agronegócio, com alta de 20,1% para a China, 16,5% para a União Europeia e 30,2% para os Estados Unidos.

Veja Também:  Presidente da Caixa nega reajuste do financiamento imobiliário para classe média

Segundo o Ipea, a alta do preço das commodities agrícolas observada desde o segundo semestre do ano passado aumentou a atratividade para os exportadores. No entanto, os preços internacionais ainda estão abaixo das máximas históricas registradas no início da década de 2010.

De acordo com o órgão, o crescimento da demanda da China representa um dos principais fatores para a alta recente do preço das commodities. Apesar das compras pelo país asiático, os estoques domésticos de soja e de milho estão em queda. No caso da soja, nem a produção, nem os estoques internos atendem à demanda dos consumidores chineses.

A alta dos preços internacionais tem pressionado a inflação dos alimentos em todo o planeta. No Brasil, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) alcançou 0,72% em julho, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O indicador está no maior nível para o mês desde 2004. Os preços do grupo alimentação e bebidas subiram 0,49%.

Edição: Aline Leal

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

"2021" QUAIS SÃO AS SUAS EXPECTATIVAS PARA ESTE ANO QUE SE INICIA

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana