conecte-se conosco


Saúde

Varíola dos macacos: capacitação reúne profissionais da América Latina

Publicados

em

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) sedia hoje (9) a primeira capacitação sobre diagnóstico laboratorial da varíola dos macacos para profissionais de saúde de sete países da América Latina. O treinamento é iniciativa da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS), do Ministério da Saúde e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Vão participar técnicos de institutos nacionais de Saúde da Bolívia, do Equador, da Colômbia, do Peru, Paraguai, Uruguai e da Venezuela. 

Serão discutidos até amanhã (10) procedimentos de detecção e diagnóstico do vírus no contexto de preparação e resposta a uma possível emergência sanitária. A capacitação inclui treinamento prático para realização de diagnóstico molecular pela metodologia de PCR em tempo real (protocolo padrão adotado pela Organização Mundial da Saúde). Além de aprender a realizar o teste diagnóstico, os profissionais serão capazes de identificar as linhagens virais, que são a da África Central e a da África Ocidental. 

O treinamento será ministrado pelo Laboratório de Enterovírus do Instituto Oswaldo Cruz. A revisão dos protocolo e materiais necessários será conduzida pelo virologista Edson Elias da Silva, chefe do laboratório da Fiocruz, que também realizará atividades teóricas e práticas.

Veja Também:  Empresa lança campanha de conscientização sobre mieloma múltiplo

Na manhã desta quinta-feira, haverá cerimônia de abertura para marcar o início do curso. Estão previstas as participações da presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, da diretora do Instituto Oswaldo Cruz, Tania Araujo-Jorge, do secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Correia, da representante da Opas no Brasil, Socorro Gross Galiano, e do assessor regional para doenças virais da organização, Jairo Mendez.

Diante da circulação da doença em diversos países em que ela não é endêmica, a Opas recomenda que todos os casos suspeitos de varíola dos macacos, considerando a avaliação clínica e epidemiológica, devem ser testados. Os sintomas podem incluir lesões na pele, febre, dor no corpo e dor de cabeça, entre outros. Segundo a Fiocruz, a letalidade é estimada entre 1% e 10%, com quadros mais graves em crianças e pessoas com imunidade reduzida. 

A chamada varíola dos macacos é endêmica em países da África Ocidental e Central, mas, desde o dia 13 de maio, 780 casos foram confirmados em 27 países fora da área onde a doença costuma circular. Segundo a Fiocruz, a maioria das pessoas com casos confirmados relatou viagens a países da Europa e América do Norte, em vez da África Ocidental ou Central. Na região das Américas, há casos confirmados no México (1), na Argentina (2), nos Estados Unidos (19) e no Canadá (58). No Brasil, havia oito casos suspeitos, em balanço divulgado pelo Ministério da Saúde.

Veja Também:  Guia orienta profissionais de saúde sobre prevenção do câncer uterino

Apesar do nome, a doença não é transmitida por macacos. Eles apenas podem adoecer, assim como os seres humanos. Atualmente, não se sabe qual animal mantém o vírus na natureza, mas acredita-se que roedores tenham papel na disseminação da doença na África, onde o vírus é endêmico.

A transmissão do vírus de animais para pessoas pode se dar por meio de mordida ou arranhadura, pelo manuseio de caça selvagem ou pelo uso de produtos feitos de animais infectados. Entre pessoas, a transmissão ocorre principalmente por meio do contato direto, como beijo ou abraço, ou por feridas infecciosas, crostas ou fluidos corporais, além de secreções respiratórias durante contato pessoal prolongado.

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Covid-19: Brasil tem 16,6 mil novos casos e 36 óbitos em 24 horas

Publicados

em

Por

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde divulgado neste domingo (26) mostra que o Brasil registrou, em 24 horas, 16.679 novos casos de covid-19.

No total, o país contabiliza 32.078.638 registros da doença. Destes, 792.581 (2,5%) seguem em acompanhamento, ou seja, são casos ativos.

As secretarias estaduais de saúde registraram 36 mortes por covid-19 em 24 horas. No total, a pandemia resultou em 670,405 óbitos no país.

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde atualiza os números da pandemia de covid-19 no Brasil. Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde atualiza os números da pandemia de covid-19 no Brasil.

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde atualiza os números da pandemia de covid-19 no Brasil. – Ministério da Saúde

O número de recuperados é de 95,4% do total – 30,6 milhões de brasileiros são considerados curados.

O informativo mostra ainda que houve 161 óbitos por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) nos últimos 3 dias. Há também 3.283 óbitos por SRAG em investigação, e que ainda necessitam de exames laboratoriais confirmatórios para serem relacionados à covid-19.

Estados

Segundo o balanço do Ministério da Saúde, no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (170.607), Rio de Janeiro (74.053), Minas Gerais (62,015), Paraná (43.654) e Rio Grande do Sul (39.968).

Veja Também:  São Paulo libera obrigatoriedade de máscara para ambientes fechados

Já os estados com menos óbitos resultantes da pandemia são Acre (2.002), Amapá (2.140), Roraima (2.152), Tocantins (4.158) e Sergipe (6.356).

Vacinação

Até este sábado, foram aplicadas 449,9 milhões de doses, sendo 177,9 milhões referentes à 1ª dose e 160,7 milhões relativas à 2ª dose. Outras 93,1 milhões de doses dizem respeito à primeira dose de reforço, enquanto 8,9 milhões são da segunda dose de reforço. O painel registra, ainda, 4,1 milhões de doses adicionais. As vacinas de dose única – protocolo que já não é mais usado – foram 4,9 milhões.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Parques e pontos localizados na Paulista vacinam contra gripe e covid

Publicados

em

Por

Quem quiser aproveitar este domingo (26) para se imunizar contra gripe ou covid-19 pode se dirigir aos parques Buenos Aires, no centro; Severo Gomes, na zona sul; Ceret, na zona sudeste; do Carmo, na zona leste, e da Juventude, na zona norte. As aplicações vão até as 17h nos parques e até as 16h, em dois locais na Avenida Paulista: uma tenda localizada no número 52 e uma farmácia parceira, no número 995.

Estão sendo oferecidas a primeira e a segunda doses de vacinas contra a covid-19 e a primeira, segunda e terceira doses adicionais contra a doença.

Atualmente, pessoas com mais de 50 anos de idade imunossuprimidas podem receber a terceira dose de reforço e cidadãos com mais de 45 anos, a segunda dose adicional. O imunizante contra a covid-19 também está disponível para as crianças de 5 a 11 anos de idade. Adolescentes de 12 a 17 anos já podem receber a dose de reforço da vacina, desde que tenham tomado a segunda dose há pelo menos quatro meses.

Veja Também:  Guia orienta profissionais de saúde sobre prevenção do câncer uterino

Para quem teve a Janssen como primeira dose de vacina, novas doses estão disponíveis, observados os seguintes critérios: pessoas com mais de 18 anos de idade podem tomar a segunda dose adicional, desde que tenham recebido o primeiro reforço há pelo menos quatro meses. Para quem tem mais de 40 anos também está disponível a terceira dose de reforço, observado o mesmo prazo.

Mulheres grávidas ou puérperas devem receber exclusivamente imunizantes Pfizer ou Coronavac, e para gestantes e puérperas imunossuprimidas, exclusivamente a vacina da Pfizer.

Devido à manutenção no sistema VaciVida, excepcionalmente neste domingo, a consulta online de aplicações anteriores não está disponível para os profissionais de saúde que aplicam as vacinas. Por isso, é preciso apresentar o comprovante físico ou digital para a imunização. O comprovante digital pode ser acessado no aplicativo e-saúdeSP, disponível para celulares Android e iOS.

Gripe

A vacina contra o vírus influenza, causador da gripe, está disponível para toda a população acima de 6 meses de idade.

É preciso alertar que, para crianças entre 5 e 11 anos de idade, as vacinas contra sarampo e covid-19 não devem ser aplicadas simultaneamente. A prioridade deve ser a da covid-19. Depois de 15 dias, vem a vacina contra o sarampo.

Veja Também:  Fiocruz inaugura centro para processar dados de saúde de brasileiros

Para a população em geral, acima de 12 anos e trabalhadores de saúde, pode ser feita a imunização simultânea entre as vacinas de sarampo, gripe e covid-19.

Quarta dose

A partir desta segunda-feira (27), São Paulo começa a vacinar com a quarta dose pessoas com mais de 40 anos. Estão aptas a receber o imunizante 5 milhões de pessoas desta faixa etária, que já receberam a dose de reforço (terceira aplicação) com um intervalo de quatro meses.

Mais informações e a lista completa com os endereços podem ser encontradas na página Vacina Sampa.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana