conecte-se conosco


Carros e Motos

VW e-Up! é escolhido o primeiro carro elétrico da marca na América Latina

Publicados

em


source


VW e-Up! dá o ponta pé inicial para uma nova fase da marca na América Latina durante a nova era da mobilidade
Divulgação

VW e-Up! dá o ponta pé inicial para uma nova fase da marca na América Latina durante a nova era da mobilidade

Como parte dessa estratégia complementar aos veículos elétricos e híbridos, a Volkswagen apresentou o modelo 100% elétrico VW e-up! no Uruguai. O país foi escolhido pela marca por oferecer a melhor infraestrutura de e-mobilidade na região.

A América Latina está inserida dentro da estratégia global da VW, que prevê a neutralidade em carbono até 2050 e a eletrificação é um dos pilares para se alcançar esta meta. O  VW e-Up!  é o primeiro modelo totalmente elétrico da marca a ser apresentado na região.

A reportagem de iG Carros entrou em contato com a VW, que nos enviou o seguinte posicionamento: ” No momento, não há planos de lançamento do e-Up! no Brasil. O carro foi apresentado no Uruguai, país que já conta com cerca de 95% do território com estações de recarga para carros elétricos”.

Assim, o Brasil sediará e liderará através do Centro de Pesquisa & Desenvolvimento  onde farão estudos de soluções tecnológicas baseadas em etanol e outros biocombustíveis para mercados emergentes , que utilizam energia limpa, para a combustão e soluções híbridas.

Você viu?

Com o apoio da marca Volkswagen , este centro será totalmente independente no desenvolvimento de tais tecnologias para o Grupo Volkswagen em nível global.

O uso de biocombustíveis é uma estratégia complementar para ajudar a indústria em mercados emergentes
Reprodução

O uso de biocombustíveis é uma estratégia complementar para ajudar a indústria em mercados emergentes

No mercado brasileiro , especificamente falando, a eliminação gradual da produção de veículos à combustão pode demorar ainda mais se considerarmos a Europa (entre 2033 e 2035) como a indisponibilidade de infraestrutura de carregamento, energia renovável e o nível de renda local.  

Assim, o uso de biocombustíveis é uma estratégia complementar para ajudar a indústria em mercados emergentes a neutralizar as emissões de carbono. No Brasil , vários argumentos indicam o uso, por exemplo, do etanol.

Mas os estudos e o desenvolvimento de novas tecnologias no Brasil não vai impedir que a VW lance modelos elétricos e híbridos no Brasil. Entre os mais cotados estão a nova geração do Golf GTE , além dos 100% elétricos ID.4  e ID.Buzz , mais conhecida como Kombi elétrica

Veja Também:  Compare 5 carros que nasceram quase iguais aos protótipos mostrados nos salões
Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Propaganda

Carros e Motos

Força a qualquer prova: conheça a história da Chevrolet C-10

Publicados

em


source

A picape C-10 de 1974 foi uma evolução das arcaicas C14 e C15 e foi bem aceita no mercado brasileiro
Divulgação

A picape C-10 de 1974 foi uma evolução das arcaicas C14 e C15 e foi bem aceita no mercado brasileiro

Durante o final da década de 50, numa fase importante para o crescimento da economia brasileira, a General Motors do Brasil inaugurou sua nova planta na cidade de São José dos Campos.

Dela surgiriam os primeiros frutos como a emblemática 3100 de 1958 e a Amazonas, além dos modernos veículos da série C , lançados em 1964. Neste emergente e disputado nicho de mercado fez com que a GM concentrasse suas forças na picape C10 de 1974, uma evolução das  C14 e C15.

A concorrência neste importante mercado de utilitários tinha rivais fortíssimos como a Ford com sua F100. A esta altura, a “cara” da C-10 apresentava um certo cansaço em comparação à concorrente, mas para a GM o momento era apelar para sua indiscutível robustez do conjunto mecânico e isso ela sabia fazer muito bem.

A GM foi líder de mercado em picapes grandes por muito tempo graças as C-10, com motor a gasolina
Reprodução

A GM foi líder de mercado em picapes grandes por muito tempo graças as C-10, com motor a gasolina

Em um dos principais anúncios publicitários, por exemplo, a marca destacou o slogan “Close-up do pick-up Chevrolet” apontando para o potente motor 4,1 litros que equipou a linha Opala 250 S. A suspensão independente era outro ponto forte do modelo que muitos proprietários elogiam até hoje, assim como o prazer de dirigir.

Por outro lado, o consumo, obviamente em se tratando de um motor de alta litragem, é alto. Porém, os freios exigem cuidado em se tratando da adoção de tambores nas quatro rodas, sem hidrovácuo. Com a caçamba vazia, a C-10 tinha a tendência de travar as rodas traseiras, segundo alguns proprietários.

Chevrolet C-14 (foto) foi a antecessora da C-10 e se tornou um marco na história da GM no Brasil
Reprodução

Chevrolet C-14 (foto) foi a antecessora da C-10 e se tornou um marco na história da GM no Brasil

A estabilidade também nunca foi motivo de elogios entre seus proprietários. Quando vazia, a caçamba se tornava leve demais e os pneus com bandas de rodagem estreitas, não ajudavam ao fazer as curvas, principalmente em piso molhado. Já a direção é leve demais na estrada.

A transmissão de 3 marchas , instalada na coluna de direção é macia e tem engates precisos, porém o que muitos donos reclamavam era que com o desgaste do trambulador, as marchas encavalavam. Para manter a precisão do funcionamento, uma simples chave de fenda ou outro tipo de alavanca bastava para resolver este problema crônico. 

Veja Também:  Ferrari F8 Tributo, sucessora da 488 GTB, é revelada. Estará no Salão de Genebra

A GM foi líder de mercado em picapes grandes por muito tempo graças às C-10. Desde o seu lançamento, em 1964, até o final da produção, em 1981, foi oferecida além do clássico motor 261 pol3 (4300cc) de 5 mancais, também conhecido como “Chevrolet Brasil” a opção dos motores de 4 cilindros do Opala (álcool ou gasolina), passando pelo Diesel Perkins de 3,9 litros.

Chevrolet C10 vinha com banco para até três ocupantes e alavanca de câmbio na coluna de direção
Reprodução/You Tube/Garagem do Bellote

Chevrolet C10 vinha com banco para até três ocupantes e alavanca de câmbio na coluna de direção

A crise do petróleo e o alto consumo desses motores, projetados numa época em que a preocupação era potência, e não economia, fez com que os utilitários movidos à gasolina perdessem mercado para os movidos a diesel, lançados no final da década de 70.

A Chevrolet C-10 a gasolina continuou a ser vendida por algum tempo e a fábrica disponibilizou também o motor a álcool para esses veículos. Uma importante fase de que a GM se orgulha até hoje! No entanto, o modelo C-10 era descontinuado em 1981, por conta da crise.

Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

BMW 320i M Sport: um sedã premium de bom gosto

Publicados

em


source
BMW 320i M Sport traz pacote esportivo inspirado na 'BMW Motorsport', o que inclui as rodas de aro 19 diamantadas
Divulgação

BMW 320i M Sport traz pacote esportivo inspirado na ‘BMW Motorsport’, o que inclui as rodas de aro 19 diamantadas

O BMW Série 3 é um carro fora da curva. Enquanto as rivais do ‘trio de ferro alemão’ focam nos SUVs como modelos de volume, o sedã premium é o carro mais vendido da marca bávara no Brasil –  muito à frente de seu utilitário de maior destaque, o BMW X1.

Isso fica bem evidente no fechamento das vendas do primeiro semestre de 2021. Segundo a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), a BMW emplacou 2.983 unidades do Série 3 nos seis primeiros meses deste ano. Isso coloca o sedã de luxo na posição de veículo premium mais vendido do Brasil. Já o X1 teve apenas 1.459 unidades emplacadas neste período.

Produzido em Araquari (SC), o BMW Série 3 pode ser adquirido nas versões 320i GP (R$ 267.950), 320i Sport GP (R$ 284.950), 320i M Sport (R$ 299.950), 330e M Sport (R$ 354.950) e M340i xDrive (R$ 542.950). Os três pacotes mais em conta são responsáveis pela maior parte do volume das vendas do sedã no Brasil.

Para nosso contato com o sedã, a BMW emprestou a versão 320i M Sport , com rodas diamantadas aro 19 de cinco raios, revestimento interno na tonalidade marrom-conhaque e acabamento do painel em imitação de alumínio. Um verdadeiro charme! Afinal, não basta ter dinheiro para comprar um 320i. O bom gosto também é necessário.

Equipamentos

O pacote de segurança traz seis airbags (frontais, laterais e cortina), assistente de permanência em faixa, alerta de tráfego cruzado, sistema de frenagem de emergência, assistente de partida em rampa, alerta de colisão frontal e controle de estabilidade e tração.

Veja Também:  Renault Duster Oroch tem desconto de R$ 14 mil na versão Expression

Na parte de conforto, a versão tem ar-condicionado digital de três zonas (motorista, passageiro e banco traseiro), assentos dianteiros com regulagens elétricas, controle automático de velocidade, assistente de estacionamento semiautomático, chave presencial com sistema start-stop e teto-solar.

A central multimídia tem conexão sem fio para celulares. Dessa forma, o motorista não precisará plugar o cabo para replicar aplicativos como Waze, Spotify e Whatsapp na tela de nove polegadas. Apesar de ser um recurso interessante, a conexão sem fio dá algumas ‘engasgadas’, interrompendo músicas por alguns segundos.

O Série 3 tem espaço suficiente para levar quatro adultos e uma criança com conforto. O túnel central é alto por conta do eixo cardã que transfere a força às rodas traseiras. Logo, sentar ao centro do banco traseiro pode não ser tão aconchegante, dependendo da altura do passageiro.

Apesar de estar maior nessa geração – com 4,70 m de comprimento, 1,82 m de largura e 2,85 m de entre-eixos –  o 320i M Sport está longe de ser desengonçado. O diâmetro de giro é de apenas 11,4 metros, proporcionando manobras precisas e pouco esforço para estacionar, mesmo nas vagas mais apertadas.

O porta-malas é o grande pênalti deste belo sedã catarinense com sotaque alemão. Ele tem apenas 365 litros, graças ao estepe que rouba espaço. A alça no estilo ‘pescoço de ganso’ também não é a melhor alternativa para otimizar a área útil do compartimento.

Você viu?

Sedã bom de guiar

É realmente uma pena. Com mais espaço no porta-malas, o BMW 320i M Sport seria o carro ideal para viajar. Abaixo do capô, a BMW instalou o motor 2.0 turbo de 184 cv de potência e 30,6 kgfm de torque, com câmbio automático de oito marchas, que transmite sua força apenas às rodas traseiras.

Este é o ponto em que o modelo se destaca dos rivais: a dirigibilidade. Por conta da tração traseira, o BMW 320i tem melhor transferência de peso durante as acelerações e um estilo de condução mais direto.

BMW 320i M Sport traz a melhor sensação ao volante da categoria, justificada pela tração traseira
Divulgação

BMW 320i M Sport traz a melhor sensação ao volante da categoria, justificada pela tração traseira

Modelos de tração traseira também possuem maior capacidade de reboque e são melhores encarando aclives. O ótimo raio de giro que mencionamos anteriormente também é uma característica que se deve a este tipo de tração.

Veja Também:  Confira quais são os carros novos e usados mais procurados no Brasil

O BMW 320i M Sport é um daqueles carros que poderia passar horas guiando sem me cansar. A posição de dirigir é ótima, com o assento do motorista posicionado mais baixo, deixando o condutor próximo do centro de gravidade. Na comparação com os sedãs da Mercedes-Benz e Audi, o volante é pesado na medida certa.

Segundo a BMW, o 320i pode acelerar de 0 a 100 km/h em 7,2 segundos, com velocidade máxima de 240 km/h. O consumo de combustível, de acordo com o Inmetro, é de 11,1 km/l na cidade e 12,5 km/l na estrada, sempre com gasolina.

A suspensão é bem calibrada para o nosso asfalto judiado. O 320i tem bom balanço vertical, filtrando a maioria das imperfeições. Em curvas mais rápidas, a suspensão traseira no arranjo multibraço contém a rolagem da carroceria, garantindo mais estabilidade ao sedã.

Conclusão

O BMW 320i M Sport mereceria ‘nota 10’, se não fosse pelo pouco espaço do porta-malas. Pneus run-flat fariam mais sentido, uma vez que abdicam da necessidade do estepe, que é um item obrigatório por lei no Brasil.

Estamos falando de um sedã imponente, gostoso de dirigir e prático, do jeito que só os alemães conseguem desenvolver. A liderança absoluta do segmento premium é merecida, e não há sinais de que o Série 3 possa perder este posto nos próximos anos.

Ficha técnica: 320i M Sport Preço: R$ 299.950 Motor: 2.0, turbo, gasolina Potência: 184 cv Torque:  30,6 kgfm Transmissão: automática, oito velocidades, tração traseira Suspensão: McPherson (dianteira), multibraço (traseira) Freios: discos ventilados (dianteira e traseira) Proporções: 4,70 m de comprimento, 1,82 m de largura e 2,85 m de entre-eixos Porta-malas: 360 litros 0 a 100 km/h: 7,2 segundos Velocidade máxima: 240 km/h Consumo: 11,1 km/l na cidade; 12,5 km/l na estrada (Inmetro)

Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

"2021" QUAIS SÃO AS SUAS EXPECTATIVAS PARA ESTE ANO QUE SE INICIA

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana