conecte-se conosco


Carros e Motos

VW Kombi brasileira de 1979 é vendida por R$ 118 mil nos EUA

Publicados

em


Kombi 1979
Reprodução

Kombi 1979

Não há dúvida que o comércio de carros antigos é muito grande, e em países como os EUA, exportar um carro pode ser um negócio lucrativo se a pessoa conhecer bem o mercado, logicamente.

O mais recente sucesso ocorreu com uma Volkswagen Kombi brasileira que depois foi convertida em motorhome. O modelo de 1979 foi importado para os EUA em março de 2022 e foi vendida sem reserva através do site virtual bringatrailer.com .

Devido ao tempo, o exemplar apresentava alguns problemas como um rádio AM/FM de reposição que precisava de revisão, motor e câmbio vazando óleo, bolha de tinta no canto inferior dianteiro da porta do lado do motorista, além de manchas externas, algo fácil de ser resolvido e que não foi impedido de vender em tempo recorde.

De acordo com informações do site, a van brasileira foi vendida pelo preço de US$ 22.000, o R$ 118.771 , fazendo uma conversão simples, e agrega valores típicos de sua época como a cor Bege Ipanema, tecido texturizado e interior em vinil marrom, bagageiros duplos e uma escada lateral.

Veja Também:  SUV de luxo DS7 recebe novo visual e fica mais futurista

A cabine dianteira apresenta assentos revestidos em tecido tipo veludo, cortinas estampado em xadrez nas cortinas e vinil marrom, e os acessórios incluem cintos de segurança de três pontos e revestimentos de piso de borracha preta. O hodômetro de cinco dígitos mostra 85 mil quilômetros cuja quilometragem total é desconhecida.

O exterior foi atualizado sob a propriedade anterior, o que explica a carroceria de boa aparência , incomum para uma van de 43 anos. As rodas de 14 polegadas combinam com a cor da carroceria e vêm com calotas de aço inoxidável estampadas pela VW.

Falando na parte interna, na cabine traseira apresenta painéis de madeira e uma configuração de motorhome, com direito uma cama dobrável e uma mesa dobrável . O equipamento de acampamento adicional inclui uma pia, tanques de água, uma bateria auxiliar, uma conexão de energia de 220 volts e vários compartimentos de armazenamento.

Quanto à motorização, o velho e confiável boxer de 1,6 litro refrigerado a ar está equipado com carburadores Solex de dupla corrente descendente.  A potência de 58 cv é enviada para as rodas traseiras através de uma transmissão manual de quatro velocidades.

Veja Também:  Mercedes-AMG celebra 55 anos de fundação e mostra elétrico EQS 53

Dele, sai um chuveiro com direito a água quente para um banho improvisado e que aproveita o calor do motor, que também pode ser muito útil para limpar os pés, logo após um mergulho no mar.

No Brasil, a Kombi foi fabricada ininterruptamente entre 2 de setembro de 1957 e 18 de dezembro de 2013, sendo praticamente o veículo  mais antigo no mercado do país e considerada a precursora das vans de passageiros e carga.

Apesar do sucesso, a VW decidiu parar a sua produção devido ao decreto firmado de que os carros a partir de 2014, deveriam ter freios ABS e airbag frontal duplo. Assim, o antigo projeto mostrou-se inviável às novas exigências da legislação.


Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Propaganda

Carros e Motos

Mini traz 15 unidades da série Pat Moss Edition do John Cooper Works

Publicados

em


Nome de Pat Moss é uma homenagem a piloto britânica que deu à Mini sua primeira vitória em  uma prova de rali
Divulgação

Nome de Pat Moss é uma homenagem a piloto britânica que deu à Mini sua primeira vitória em uma prova de rali

A Mini anuncia que vai trazer ao mercado brasileiro a série especial do John Cooper Works batizada de Pat Moss, em homenagem à piloto britânica que deu à Mini sua primeira vitória em um rali internacional, há 60 anos.

De acordo com a fabricante inglesa, o modelo tem apenas 800 unidades espalhadas em todo o mundo, sendo que apenas 15 serão destinadas para pré-venda no Brasil ao preço de R$ 318.390 , com as primeiras entregas programadas para setembro. 

Disponibilizada na cor Preto Midnight para a carroceria e teto multitone de três cores (Preto Jet, Cinza Melting e Vermelho Chili), o hatch agrega faixa branca no capô além da assinatura da Pat Moss no para-choque dianteiro. 

Veja Também:  Nova geração do Toyota Yaris tem as primeiras imagens reveladas

Por dentro, além da assinatura da piloto, há também sistema de som da renomada Harman/Kardon , head up display , painel digital, central multimidia touchscreen de 8,8 polegadas e sistema de navegação integrado.

O motor é biturbo de 2,0 litros de quatro cilindros de 231 cv e torque de 32,63 kgfm e a transmissão de 8 velocidades. Segundo a fabricante, de 0 a 100 km/h são feitos em 6,1 segundos e a velocidade máxima é de 246 km/h.

Pat Moss e a navegadora, Ann Wisdom venceram no Rally de Monte Carlo em 1964, 1965 e 1967 e décadas depois, a vitória geral no Paris-Dakar quatro vezes seguidas (2012 e 2015), além de mais duas gerais (2020 e 2021).

Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

Kawasaki terá motos elétricas baseadas nos modelos Z125 e Ninja 125

Publicados

em


Kawasaki EV Project: marca japonesa também se rende à nova era da eletrificação com novos modelos nos planos
Divulgação

Kawasaki EV Project: marca japonesa também se rende à nova era da eletrificação com novos modelos nos planos

A era da eletrificação aos poucos está abocanhando o segmento das motos e nem mesmo os modelos de apelo emocional estão escapando da tecnologia que veio para ficar.

Uma prova desta teoria está no anúncio feito no final de 2021 pelo CEO da Kawasaki, Hiroshi Ito, confirmando que 2022 seria o ano em que a empresa entraria no mercado de motos elétricas .

A Kawasaki é uma das marcas mais tradicionais e que agora vem investindo cada vez mais em projetos voltados para a eletromobilidade. Documentos publicados no site da National Highway Traffic Safety Administration nos EUA reforçam que a empresa japonesa vem trabalhando em duas motos elétricas para 2023 de codinome ‘NX011AP’ e ‘NR011AP’.

Veja Também:  Nova geração do Toyota Yaris tem as primeiras imagens reveladas

A designação segue o padrão usual da Kawasaki, com ‘X’ no segundo lugar usado para denotar uma moto esportiva e ‘R’ para um roadster nake (sem carenagem), mas o ‘N’ inicial é novo e significa ‘Elétrico’ no protocolo de nomenclatura da Kawasaki.

De acordo com o documento no site da NHTSA cada um deles produzirá 11kW (15cv) , e pelas imagens, serão máquinas mecanicamente idênticas, diferenciando-se apenas por uma ser carenada e outra sem carenagens (naked), nos moldes da Z125 e da Ninja 125 , mas com energia elétrica.

Os nomes dos modelos de showroom ainda não são conhecidos, mas a Kawasaki já registrou os títulos Ninja E2 e Ninja E2-R. Tudo será revelado na íntegra ainda este ano, provavelmente na feira EICMA de novembro em Milão , onde o protótipo elétrico apareceu pela primeira vez três anos atrás.

Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana